Ônibus de São Paulo e do ABC vão parar nesta quarta-feira (15) reafirmam sindicatos

Veículos só devem sair das garagens depois das 8h, mas normalização total será depois do meio dia. Metroviários vão decidir duração das paralisações

ADAMO BAZANI

O Sindmotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo confirmou na tarde desta terça-feira que a categoria deve cruzar os braços das 00h às 08h nesta quarta-feira, 15 de março de 2017.

Por telefone, ao Diário do Transporte, o assessor da presidência do Sindmotoristas, Romualdo Santos, afirmou que haverá assembleias nas garagens. A entidade estima que no caso de empresas com frotas maiores de ônibus, a normalização dos serviços ocorra somente depois do meio dia.

O Sindmotoristas afirmou que aderiu ao dia nacional de protestos contra as reformas da Previdência.

A partir das 16h, a entidade vai organizar uma passeata da sede do sindicato até a Avenida Paulista.

Mas Tribunal de Justiça de São Paulo atendeu nesta terça-feira, 14 de março de 2017, pedido de liminar movido pela Prefeitura de São Paulo e determinou que em caso de paralisação dos ônibus na capital paulista nesta quarta-feira, 15 de março, deverá ser atendida uma frota mínima.

De acordo com a determinação judicial, 85% da frota dos ônibus devem estar em operação nas regiões de escolas e hospitais.

Nas demais áreas, 70% da frota devem estar em operação. – Veja em :

https://diariodotransporte.com.br/2017/03/14/justica-determina-frota-minima-de-onibus-em-sao-paulo-em-caso-de-paralisacao/

Em caso de descumprimento, o sindicato dos motoristas receberá uma multa de R$ 5 milhões por hora.

Linhas metropolitanas da EMTU também podem parar dependendo da adesão dos sindicatos de cada região.

Já o Sindicato dos Metroviários de São Paulo diz que também pode haver paralisações nas linhas públicas do Metrô: 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 5-Lilás, além da 15-Prata do monotrilho. Segundo a entidade, a assembleia de hoje a noite será para a organização do protesto e definição do tempo de paralisação.

Em torno de 9 milhões de pessoas usam metrô e ônibus na capital paulista.

NA CPTM, não deve haver paralisação.

Também por telefone, a assessoria de imprensa do Sintetra, que representa os rodoviários do ABC, confirmou ao Diário do Transporte que os ônibus nos sete municípios da região só vão sair das garagens depois das 8h da manhã, mas a normalização total dos serviços deve demorar.

Também confirmaram paralisações de ônibus os sindicatos dos rodoviários de Sorocaba, Blumenau, Londrina e Curitiba.

Os metroviários de Belo Horizonte também devem cruzar os braços.

Outras categorias, como professores, químicos e bancários devem aderir aos protestos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes