Empresas de ônibus de Curitiba querem receber ao menos R$ 4,57 por passageiro transportado

Valor pago nas catracas deve ser menor. Sindicato que reúne as viações apresentou estudo que leva em conta projeção da demanda pela Urbs que é maior do que a demanda real

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus de Curitiba querem receber ao menos R$ 4,57 por passageiro transportado entre março de 2017 e fevereiro de 2018, período no qual deve vigorar a nova tarifa técnica.

A tarifa técnica é diferente da tarifa paga pelo passageiro e corresponde ao custo do sistema.

Assim, de acordo com os números apresentados pelo Setransp, que é o sindicato das empresas de ônibus de Curitiba e região metropolitana, caso a tarifa paga pelo passageiro seja menor que os R$ 4,57 pleiteados, haverá necessidade de subsídios.

Para a entidade, o pedido de uma tarifa técnica maior ocorre porque a demanda de passageiros prevista pela Urbs, Urbanização de Curitiba S. A., gerenciadora do sistema na capital paranaense acabou sendo menor do que a real demanda transportada, ainda segundo as empresas em nota.

Em razão da tendência de queda de passageiros no sistema de transporte, estudos preliminares realizados por assessoria independente contratada pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) indicam que a tarifa técnica, calculada de acordo com os parâmetros do contrato (Anexo III do Edital de Licitação), deverá ser superior a R$ 4,57 para o período de março de 2017 a fevereiro de 2018. No último período tarifário, o valor pedido já era próximo a R$ 4,10.

 Essa necessidade de tarifa técnica é reflexo da acentuada queda de passageiros observada desde o início do contrato. De 2011 a 2016, por exemplo, o total de passageiros pagantes caiu de 246 milhões para 197 milhões, uma redução de 20%, como mostra o quadro abaixo, que leva em conta somente o sistema urbano.

setransp-1-trtec

Para o próximo período tarifário, o Setransp, de acordo com os estudos, trabalha com uma previsão de 15,3 milhões de passageiros por mês, em média, totalizando 183,6 milhões de passageiros.

Atualmente, a tarifa técnica é de R$ 3,66 e a passagem paga pelo usuário é de R$ 3,70.

Há a possibilidade de a tarifa técnica pleiteada ser maior ainda porque não foi levado em conta o reajuste anual dos motoristas e cobradores. A data-base da categoria é no dia 1º de fevereiro e a definição da tarifa técnica ocorre normalmente no mesmo mês.

O Sindimoc, que é o sindicato dos motoristas e cobradores, quer um reajuste neste ano de 15% nos salários.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Que dificuldade para fazer esta continha.

    Nao importa se e por passageiro transportado, por kilometrorodado, por peso do passageiro, por idade, por lombada ou buraco passado dia, hora, mes ou escambal.

    O valor tem de ser X e acabou, nao importa a basede calculo.

    Agora enquanto ficar num valor de tar8fa tecnica que nao de lucro obuzaovai sempre funciobar meia boca.

    Nao adianta ser direito social s3 o poder publico nao tem como pagar.

    E o EFEITO BRASIL.

    Muda Brasil

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta