Doria deve começar a testar ônibus “Rapidão”, na zona sul, nos próximos três meses

Trajeto da operação piloto deve ser entre os terminais Capelinha e João Dias, na zona sul da capital paulista. O prefeito disse que devem implantar BRT de fato na cidade

ADAMO BAZANI

O prefeito de São Paulo, João Doria, garantiu que dentro dos próximos 90 dias, estará em operação em forma de projeto piloto, o Rapidão, uma das promessas de campanha para mobilidade urbana.

O Rapidão deve integrar a malha de BRT proposta para a cidade. O BRT – Bus Rapid Transit é um sistema de corredores que possui diferenciais, como pagamento antecipado de tarifa, pontos de ultrapassagem, linhas expressas ou semi-expressas e estações embarque e desembarque com acessibilidade.

A primeira característica a ser adotada na cidade será a cobrança antecipada. Com isso, nos corredores, os ônibus articulados, superarticiulados e biartiuculados não terão cobradores.

A operação piloto deve começar entre os terminais Capelinha e João Dias, na ziona Sul da cidade, aproveitando atual estrutura, mas futuramente, havendo as adequações.

A ligação foi escolhida devido à alta demanda e também à necessidade de ampliação da velocidade comercial.

Entre os terminais Capelinha e João Dias atualmente, no horário de pico da tarde, a velocidade média é de 19 km/h, abaixo, portanto, da meta de 25 Km /h proposta na gestão Fernando Haddad.

Doria também promete um aplicativo para o sistema BRT Rapidão, que seria concedido à iniciativa privada. Este aplicativo de celular informaria aos passageiros as linhas, horários e previsão de quando os veículos passariam nos pontos.

Doria diz que pretende reduzir em até 20 minutos o tempo de deslocamento para este sistema no trecho.

A gestão Fernando Haddad prometeu uma malha de 150 quilômetros de novos corredores.

No entanto, na prática, foram inaugurados ou requalificados 66 quilômetros.

Problemas como a crise econômica, que diminuiu a arrecadação do município e dificultou os repasses de verbas federais no âmbito do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, bloqueios reiterados por parte do TCM – Tribunal de Contas do Município e TCU Tribunal de Contas da União, que apontaram irregularidades nos editais de licitação e nas obras, como sobrepreço, e questões técnicas, estão entres os motivos do não cumprimento da meta de Haddad.

Desde os anos de 1990, com a promessa do antigo prefeito Celso Pitta de construir o Fura-Fila, a cidade espera um sistema de BRT de fato. O Fura- Fila, hoje chamado Expresso Tiradentes, só entrou em operação na gestão Gilberto Kassab, em 2007, e ainda com trajeto menor que original. No entanto, a velocidade comercial é superior à média dos corredores mais antigos.

No trajeto entre o Sacomã, na Zona Sudeste, Parque Dom Pedro, no centro, e do Parque Dom Pedro II, à Vila Prudente, na zona leste, hoje os ônibus conseguem desenvolver velocidade média de 42 km/h.

O Fura-Fila tinha projeto de seguir até a Cidade Tiradentes, na zona Leste, por isso o nome recente de Expresso Tirandentes.

A expansão depois foi modificada para a tecnologia do monotrilho, cujas obras não avançam desde 2010, quando o projeto foi apresentado à população. Apenas 2,3 quilômetros operam entre Sacomã e Vila Prudente. A linha 15 Prata deveria ter 26,7 quilômetros de extensão, 18 estações entre Ipiranga e Hospital Cidade Tiradentes ao custo R$ 3,5 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, orçamento ficou 105% mais alto, com o valor de R$ 7,2 bilhões. O custo por quilômetro sairia em 2010 por R$ 209 milhões, em 2015 por R$ 260 milhões e, no primeiro semestre de 2016, subiu para R$ 354 milhões. A previsão de 9 estações agora é para 2018. Está congelado o trecho entre Hospital Cidade Tiradentes e Iguatemi e Vila Prudente-Ipiranga. O governo do estado promete atendimento a uma demanda de 550 mil passageiros por dia

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Humberto disse:

    AGORA SIM !!!!! Pessoas se amontoarem para pessar numa porta e parar na catraca não faz sentido.
    Agora vamos pagar a passagem no ponto, o ônibus abre as 3 portas, não terá catraca…UFFA!!!!

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Como sempre mais um codinome “Rapidão”.

    Quero ver como vai ser, se não há estrutura.

    Pelo menos tiveram o cuidado de chamar de “projeto piloto”.

    BRT em Sampa, só implodindo um “X” na cidade ou fazendo um mega minhocão suspenso do buzão.

    “Na chon” não dá, pois serão inúmeras desapropriações e isso levará décadas para pagar e ser resolvido.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Quero saber se isso sera aplicado na Radial Leste, porque se não mudar nada, pra mim não sera util.

  4. Pedro disse:

    Rodrigo na zona leste terá redução de frota, redução de linhas e o único aumento vai ser dos intervalos.

  5. Humberto disse:

    Será aplicado em toda SP!
    Esse trecho inicial servirá pra testes e depois serão aplicados nos outros corredores existentes e nos que serão construidos….

    1. No caso da Radial Leste, precisaria ser alargada primeiro.

  6. Anderson disse:

    Finalmente o Doria se movimentou quanto ao transporte. Estamos precisando de BRT e muito. Estou na torcida para que esse projeto dê certo.

  7. Humberto disse:

    Com certeza SP precisa de METRô, mas ao mesmo tempo deveriam investir mais $$$$$ em corredore de ônibus eficientes. A construção é muito mais rápida….as pessoas não podem nem devem esperar anos e anos por uma estação de metrô…

  8. Pedro disse:

    O Doria e discípulo do Geraldo Alckimin, promete sonhos e entrega a pior das realidades, depois justifica com bobagens.

Deixe uma resposta