Tarifa deve subir em BH, sugere Ernest & Young

ônibus

Ônibus do sistema MOVE BRT. Passagens de ônibus devem subir para cobrir investimentos das empresas para o novo sistema de corredores exclusivos. Mas o BRT não poder ser visto como vilão pelos passageiros já que ao tornar os serviços mais eficientes pode fazer com que haja diminuição dos custos gerais dos transportes.

Auditoria da Ernest & Young aponta que passagem de ônibus deve subir em Belo Horizonte
O motivo, segundo a empresa, foram os investimentos no sistema MOVE de BRT. No entanto, me médio prazo, corredores de ônibus devem reduzir custos operacionais
ADAMO BAZANI – CBN
A tarifa de ônibus municipais em Belo Horizonte deve ser reajustada em 2,97% passando dos atuais R$ 2,65 para R$ 2,73 para que o retorno dos investimentos pelas empresas determinado no contrato de licitação de 2008 seja cumprido pelo poder público.
É o que indica relatório sobre as planilhas dos custos de transportes feito pela empresa Ernest & Young, a mesma que faz a auditoria sobre o sistema da capital paulista.
As TIR – Taxas Internas de Retorno previstas pelo contrato de licitação assinado com as empresas em 2008 são de 8,95%.
Na capital mineira operam 40 empresas. O relatório aponta uma queda na média mensal de passageiros transportados entre 2011 e 2013 por ano.
2011 – 455 milhões 842 mil 706 passageiros
2012 – 453 milhões 219 mil 840 passageiros
2013 – 439 milhões 510 mil 724 passageiros.
Entre 2004 e 2010, o sistema registrou altas consecutivas na demanda.
Em janeiro de 2014, aponta o relatório, foram transportados 34 milhões 551 mil 177 passageiros. No entanto, janeiro é um mês com menor demanda por causa de férias escolares e de trabalhadores. Considerando, por exemplo, o mês de abril de 2013, o número de pessoas transportadas foi de 39 milhões 324 mil 788 passageiros.
A Ernest & Young aponta que as TIR – Taxas Internas de Retorno para as empresas de ônibus estavam acima do que era previsto no edital de licitação, chegando a 11,98%. Mas os investimentos que as companhias fizeram para o BRT MOVE BH, sistema de corredores de ônibus e estações, causaram desequilíbrio financeiro na ordem de 27,54%.
Para manter este equilíbrio e fazer com que a taxa de retorno volte aos 8,95%, a Ernest & Young então sugere o aumento de 2,97% no valor das tarifas pagas pelos passageiros.
Para operarem o BRT MOVE BH, que quando concluído deve atender a 700 mil pessoas por dia, as empresas tiveram de comprar ônibus novos, alguns mais caros do que os anteriores, como os modelos articulados, e equipamentos para rastreamento e gestão de frota.
Mas é importante destacar que o BRT MOVE BH não pode ser visto como vilão pelos passageiros.
Isso porque estes investimentos vão permitir com que o sistema seja mais racional, evitando sobreposições de linhas, vão aumentar a velocidade comercial dos ônibus e reduzir custos, como de combustível em congestionamentos e de horas não produtivas dos trabalhadores de transportes, além de poderem atrair mais passageiros para os ônibus. Tudo isso vai num médio prazo trazer impactos positivos que podem ser refletidos nas tarifas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em Tarifa deve subir em BH, sugere Ernest & Young

  1. As empresas de BH passaram uma década transportando passageiros em bauzinhos de quatro rodas com motor do lado do motorista. E nesses 10 anos a BHTrans se preocupou mais com os lucro de empresas de ônibus do que com os usuários. Agora que a BHTrans está exigindo ônibus melhores por causa do BRT-Move, os donos das empresas choram por aumento na passagem ao invés de reivindicar junto à prefeitura subsídios para o custeio de ônibus desse quilate.
    Sinceramente se não fosse esse Move a capital mineira e seu entorno teria uma frota 100% de midibus(vulgo micrões) e micro-ônibus operando o transporte coletivo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: