AFASTAMENTO DE SÉRGIO AVELLEDA VAI ATRASAR EXPANSÃO DO METRÔ?

AFASTAMENTO DE SÉRGIO AVELLEDA

Presidente do Metrô Sérvio Avelleda foi afastado por determinação da Justiça que ente4ndeu que ele deveria interromper o procedimento de contratação das empresas responsáveis pelo prolongamento da Linha 5 Lilás do Metrô nas primeiras informações de irregularidades na licitação. De acordo com o Ministério Público, o fato de as empresas já saberem quem ia ganhar o certame antes da abertura dos envelopes fez com que elas cobrassem preços maiores, o que teria provocado prejuízos aos cofres públicos de R$ 327 milhões.

Suspensão de Avelleda pode atrasar expansão do Metrô de São Paulo?
Afastamento do presidente do Metrô, Sérgio Avelleda foi determinada p-ela Justiça, após denúncias de irregularidades em licitação
ADAMO BAZANI – CBN
A juíza Simone Casoretti, da 9ª Vara da Fazenda Pública, do Tribunal de Justiça, determinou nesta sexta-feira, dia 18 de novembro de 2011, o afastamento do presidente do Metrô, Sérgio Avelleda, e a suspensão das obras da linha 5 lilás, da zona Sul da Capital Paulista.
As obras suspensas são do prolongamento da Linha 5 entre Adolfo Pinheiro e Chácara Klabin.
A determinação teve como base as denúncias do Ministério Público sobre irregularidades na licitação.
Reportagem da Folha de São Paulo revelou que antes mesmo da abertura dos envelopes, já eram sabidos os nomes das empresas vencedoras das obras.
Isso, ainda segundo a denúncia, teria prejudicado o caráter de concorrência de licitação.
O prejuízo, ainda de acordo com as apurações do Ministério Público, foi de R$ 327 milhões aos cofres públicos: dinheiro que poderia ser poupado se houvesse “concorrência de fato”.
Caso não seja cumprida a determinação, a multa diária para o Governo do Estado caso o Secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, não siga a determinação, será de R$ 100 mil. Cabe recurso à decisão.
De acordo com o Ministério Público e Justiça, Avelleda errou em continuar com a licitação mesmo depois de ser comunicado das possíveis irregulairidades.
Na decisão a juíza disse:
“Defiro as medidas liminares para o imediato afastamento do sr. Sérgio Henrique Passos Avelleda de suas funções, em face de suas omissões dolosas, pois deixou de invalidar a licitação e/ou suspender as assinaturas dos contratos. Além disso, os contratos já estão em andamento, bem como as obras, e a continuação implicará em mais prejuízos aos interesses públicos, porque é inaceitável que uma obra pública seja objeto de ‘partilha’ entre empresas de engenharia e consórcios, que sem escrúpulos, manobraram o resultado do certame em seu favor”
Ainda de acordo com a juíza, a manutenção de Sérgio Avelleda no cargo bem como a continuidade das obras demonstraria a conivência do Poder Público com as supostas irregularidades:
“A suspensão de todos os contratos e aditamentos oriundos da concorrência é medida que se impõe, como forma de resguardar o patrimônio público e fazer valer os princípios da legalidade, moralidade e isonomia”, disse a juíza. De acordo com Cassoretti, a permanência de Avelleda no cargo “(…) apenas iria demonstrar a conivência do Poder Judiciário com as ilegalidades” e daria a ele a oportunidade de “destruir provas, ou mesmo continuar beneficiando as empresas fraudadoras”.
E O ANDAMENTO DAS OBRAS DO METRÔ ?
As obras do Metrô de São Paulo apresentam grandes atrasos. Atrasos de décadas. A cidade possui pouco mais de 70 quilômetros de vias, apesar da demanda e da necessidade por transportes de massa serem grandes
Sobre o excesso de lotação das linhas 1 Azul, 2 Verde e 3 Vermelha, além de a 4 Amarela em diversos horários, o Governo do Estado justifica que as integrações e dos serviços que seriam proporcionados pela expansão da linha 5 Lilás do Metrô.
Muitas obras deveriam ter sido concluídas.
São várias perguntas que têm sido feitas. O afastamento de Sérgio Avelleda, que estava a frente do maior plano de expansão do metrô, ainda sem a conclusão do processo, poderia ter sido postergada?
O afastamento de Sérgio Avelleda pode prejudicar a tão atrasada ampliação da malha metroferroviária?
Já que as supostas irregularidades são de ordem mais econômicas que técnicas, seria necessária a paralisação das obras da linha 5?
Obras como as do porte do Metrô, muito complexas, e que exigem mais tempo e recursos, são mais suscetíveis a fraudes?
É difícil responder a estas perguntas.
Para a juíza, os possíveis prejuízos aos cofres públicos e a suporta moralidade no certame, são mais danosos que os atrasos das obras.
Segundo a juíza um “eventual atraso na conclusão de tal linha do Metrô não será tão desastroso do que a continuidade de uma fraude, ou melhor, a chancela de um conluio entre particulares em benefício próprio (objetivando mais lucros e menos gastos com a obra pública)”.

O OUTRO LADO:
O Governo do estado de São Paulo disse que a decisão vai atrasar sim as obras de expansão do Metro e que pode prejudicar os cofres públicos em caso de possíveis pagamentos de indenizações às empresas que investiram e não puderam concluir as obras ou tiveram prejuízos pelas paralisações. O Governo promete recorrer. VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA
1. A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos e o Metrô ainda não foram intimados da decisão, da qual recorrerão por uma questão de justiça.
2. A decisão de prosseguir com as obras da Linha 5-Lilás foi tomada após amplo processo administrativo no qual não se verificou qualquer fato incontroverso que justificasse o rompimento dos contratos.
3. A eventual interrupção dos contratos sem base em provas materiais submeteria o Estado ao risco de uma longa demanda jurídica e prejuízos de toda sorte. A população seria prejudicada duas vezes: na paralisação das obras e no risco de pagamento, com dinheiro público, de indenizações a empresas privadas.
4. O pedido de afastamento de Sérgio Avelleda se mostra totalmente descabido, uma vez que a licitação não foi feita em sua gestão e que a decisão de prosseguir os contratos foi tomada por toda a diretoria do Metrô com base no processo administrativo.
5. O resultado da licitação não deu prejuízo de R$ 327 milhões, como afirma o Ministério Público Estadual. Este cálculo, equivocado e rudimentar, parte de pressupostos errados que nunca fizeram parte deste edital. A empresa que ofereceu menor preço em diversos lotes já havia vencido a primeira licitação, realizada um ano antes, e, portanto, sabia que, pelas regras deste edital, estava impedida de ganhar novos lotes. Deste modo, não há como se falar em economia de R$ 327 milhões. Se as regras fossem as desejadas pelo Ministério Público, as propostas seriam outras, certamente mais altas.
6. O trecho da ampliação da Linha 5-Lilás que é alvo da ação judicial (lotes 2 a 8) envolve 11 km, com 11 novas estações, entre Adolfo Pinheiro e Chácara Klabin, fazendo a integração com as linhas 1-Azul e 2-Verde e a futura Linha 17-Ouro. O trecho encontra-se neste momento em fase final de demolição dos 224 imóveis já desapropriados. A licença de instalação foi expedida pela Cetesb em 1º de novembro último, o que já permite o início da construção das novas estações.
7. No lote 1, que vai ligar a estação Largo 13 a Adolfo Pinheiro, as obras prosseguem normalmente
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

29 comentários em AFASTAMENTO DE SÉRGIO AVELLEDA VAI ATRASAR EXPANSÃO DO METRÔ?

  1. Enquanto muito politico safado continua roubando a população, a pessoa honesta é afastada, no
    Brasil é assim…. Gente honesta tem que provar que é honesta e gente safada tem que provar o que?????Ah sim lembrei, quem é mais safado!!!

  2. Desculpem o OFF
    Estou curioso em saber preço de chassi VW ou MB e das carrocerias urbanas produzidas no BR.
    Preço aproximado. se algúem souber me mande email pra edutango@gmail.com

  3. Quem sofre com o afastamento do presidente é a população que necessita do transporte publico, a juiza que deferiu a liminar e o promotor que investigam as obras do metrô não sabem ao menos a realidade e tbm o que é andar de metrô e nunca sentiram na pele o metrô nos horarios de pico, pois eles trabalham nos sueus gabinetes com ar condicionado!!!

    • Dai você acordou né Felipe a população já está sofrendo com a falta de qualidade no transporte paulistano ha anos… Chega de partidarismos pelo PSDBosta ou Pt ou qualquer outro que seja, pois todos se corrompem e veja sim o lado de uma população pobre e trabalhadora que paga seus impostos em dia e vem um pilantra desses e superfatura suas obras como conscentimento desse outro sem vergonha do nosso governador com desculpa esfarrapada de que é pra dar um andamento mais rápido nas obras. MENTIRA a China fez em 4 meses o que SP não consegue fazer a oito anos no quesito linhas ferreas. Já chega de se iludir com promessas partidarias, todos são corruptos ou corrompiveis. Desculpa de alejado é muleta, não vai atrasar nada porque por eles isso nunca ficaria pronto é dinheiro facil entrando nos bolsos deles!

  4. O dia em que o Jornal Folha de São Paulo for menos politico e parar de ser sensacionalista, aí sim volto a comprar este jornal.Amigos, vamos passar esta campanha à frente, você que preza pela honestidade e ombridade e que está cansado de sensacionalismo barato, vamos nos unir, boicotar por 20 dias a folha de São Paulo. Se você é um dos prejudicados pela paralização das obras da linha 5 embarque na campanha.

    CAMPANHA BLOQUEANDO A FOLHA DE SÃO PAULO.
    Cansei do sensacionalismo barato da folha, graças à irresponsabilidade de um repórter a região de Santo Amaro será prejudicada, consequentemente milhares de trabalhadores serão prejudicados por conta da suspensão da construção da linha 5 do metrô de São Paulo, sem contar que um inocente teve que se afastar do cargo, se você é assinante da folha, cancele, se você compra folha, deixe de comprar por 20 dias. É uma forma de protestarmos para que haja uma imprensa séria, participe..Vamos cobrar SERIEDADE da imprensa, chega de sermos prejudicados por sensacionalismo barato, vamos valorizar as pessoas sérias e honestas deste país.
    Vejam um exemplo do que a Folha de São Paulo é capaz:
    Crise na Folha de S.Paulo
    Para ver como são as coisas. Na última semana, o jornal Folha de S.Paulo iniciou um processo que deve culminar com a demissão de 40 jornalistas, o equivalente a 10% da redação. Alguns deles com mais de 20 anos de empresa. Acabaram com o caderno “Folhateen” e fecharam a sucursal da Agência Folha em Cuiabá.

    O corte atinge redatores, repórteres e editores de cadernos importantes como “Cotidiano” e “Poder” e chamou a atenção da mídia especializada na cobertura da imprensa, além, é claro, do Sindicato dos Jornalistas. Até a turma de “Classificados” foi afetada , o que talvez indique algum sinal preocupante sobre publicidade e circulação do referido jornal. Em outras palavras, é um típico atestado de crise financeira pelas bandas de lá. E a crise financeira aparece quando se vende menos. E passa-se a vender menos quando o que oferecemos já não é tão bom. Em suma, menos credibilidade, menos leitores, menos empregos. Esta é a lógica.

    Eu só não sei é como ainda existem jornalistas no Grupo Folha. Toda ano eles promovem essas demissões em massa e não colocam ninguém no lugar. Devem ter estudantes de comunicação estocados no porão da gráfica, só pode.

    Demitir funcionários é uma prerrogativa legal de qualquer empresa. É só pagar direitinho e pronto. O que chama atenção é que um veículo acossado pelas novas mídias resolva enxugar exatamente no que pode ser sua única excelência: a qualidade de seu potencial humano.

    Também chama atenção que uma empresa desse porte feche todas as portas de negociação com o Sindicato dos Jornalistas.

    Para quem defende em seus editoriais os mais elevados princípios da República, usar o artifício de dispensar três ou quatro por semana “para não dar na cara” soa covarde.

    Pode procurar no arquivo da Folha se ela não noticia com alarde demissões nas outras empresas privadas, jornalísticas ou não. Na hora de apontar o dedo a coisa funciona. Quando isso acontece na alameda Barão de Limeira, na sede do jornal, é melhor fazer escondidinho.

  5. Essa questão da Folha de São Paulo não era meu conhecimento.

    Eu não posso apoiar boicotes a colegas de profissão e até mesmo porque preciso acompanhar a Folha para ver a cobertura do jornal sobre esta notícia.
    Sendo assim, cada um tem a liberdade de escolher seus políticos, gostos, produtos e órgãos de imprensa.

    Vamos aguardar as njovidades sobre o caso. Vou tentar atualizá-las.

  6. Apenas uma observação sobre a decisão “liminar” da Dra. Simone Cassoretti:

    “Defiro as medidas liminares para o imediato afastamento do sr. Sérgio Henrique Passos Avelleda de suas funções, em face de suas omissões dolosas, pois deixou de invalidar a licitação e/ou suspender as assinaturas dos contratos. Além disso, os contratos já estão em andamento, bem como as obras, e a continuação implicará em mais prejuízos aos interesses públicos, porque é inaceitável que uma obra pública seja objeto de ‘partilha’ entre empresas de engenharia e consórcios, que sem escrúpulos, manobraram o resultado do certame em seu favor”

    Ou seja, a juíza praticamente já julgou o mérito da lide. Pra que apenas deferir liminar? E as provas? e a defesa? e a ação principal?

    Lamentável!!!

  7. Eu acho que essa juiza é petista…
    bom como não posso julgá-la,vamos deixar Deus fazer a justiça!!!

  8. Realmente a decisão tem caráter liminar, apesar de o texto da jupíza parecer ser conclusivo.

    Mas como falamos, cabe recurso e colocmaos a nota com pleta da Secretaria de estado dos Transportes Metropolitanos.

    ESPERAMOS UMA SOLUÇÃO RÁPIDA, POIS AS PESSOAS QUE PRECISAM DE TRANSPORTES NÃO PODEM ESPERAR.

    Se houve culpados (ainda não há nada conclusivo) que sejam punidos, mas tudo deve ser rápido, POIS HÁ DÉCADAS, SEM UMA MALHA DE METRÔ E CORREDORES DE ÔNIBUS COMPATÍVEIS COM A CIDADE POR ENQUANTO, QUEM ESTÁ SENDO PUNIDO SÃO OS MILHÕES DE PASSAGEIROS QUE PAGAM CARO POR UM SISTEMA DE TRANSPORTES.

  9. a folha de s paulo só fez o papel dela ao denunciar uma irregularidade. Se houve a fraude ela deve ser investigada e os responsáveis devem ser punidos. Nenhuma obra pública deve ser fonte de verba irregular para quem quer que seja. Esquemas de favorecimento como esses em nome de não paralizar o que quer que seja permite que políticos desviem dinheiro e empresários ganhem mais do que deveriam em cima das necessidades da população. A folha é o único que denuncia irregularidades dessa gestão psdb/dem (ou psd seja lá o que for agora). Veja, globo e outros fazem vista grossa ou noticiam como nota de rodapé.
    O problema é a lentidão da justiça (a mesma que atrapalha o promotor Saad Mazloum). A pressão deve ser para que essa se posicione sobre ambos os casos com mais rapidez.

  10. É mais um exemplo – desta vez de grande porte e consequências – que na mobilidade de São Paulo o usuário é o eterno e principal prejudicado.

    Senão vejamos os atores priincipais:
    1) Cia do Metrô
    Revolucionou o transporte em SP na década de 70 com enorme ousadia, determinação e padrões de qualidade não apenas altos, como inéditos no Brasil. Eventualmente com ajuda de um regime político fechado, com censura e sob domínio estatal. Foi apática e omissa por décadas. É razoável considerar que apenas na última década mostrou alguma reação e que nesta gestão mostra empenho nunca antes visto.
    2) Folha de SP
    Fez belo trabalho de reportagem, mas entendo que passou do limite ao registrar em cartório a tal lista das empreiteiras vencedoras. Este gesto fornece subsídios para prejudicar -sob qualquer aspecto – o usuário diretamente, porque atrasa necessariamente as obras. Nesta hora opta por “defender o seu”: as outras partes que se virem. Beira, portanto, a irresponsabilidade.
    3) Empreiteiras
    Qualquer um minimamente conhecedor de obras públicas de grande porte sabe que nasceram sob a ditadura e se tornaram gigantes que literalmente mandam nas grandes obras, técnica e financeiramente. Algumas aparentam morrer, mas renascem, mais de uma vez. A grande promiscuidade com a classe política é praga mundial, mas a grande diferença é o “aqui ninguém entra”, ainda vigente. Há indiscutíveis evidências que qualquer grande obra só acontece se atender – em primeiro lugar – o interesse delas.
    4) MP e Justiça
    Tão claro e tão sabido quanto o domínio das mega-empreiteiras, a Justiça brasileira sempre privilegiou e privilegia os donos do $ e do poder. Entra muito forte aí o poder próprio, o famoso “espírito de corpo”, “corporativismo”, “esprit du corps”. Depois – e apenas eventualmente – vêm todos os demais interesses.
    Metrô no Brasil ainda é mais para classes menos abastadas e estudantes.
    Precisa explicar mais?

    O evento é oportunidade para grandes empreiteiras estrangeiras assumirem obras públicas de grande porte no Brasil. Mas antes disto, nossa Justiça e governo têm obrigação moral de solucionar esta concorrência falha e – como sempre – engendrada pelas empreiteiras, apoiadas por flagrante omissão e enrolação, de forma a não somente GARANTIR o CUMPRIMENTO dos CRONOGRAMAS da METRÔ 5. Mas utilizar todo este know how para AGILIZAR TODAS AS FUTURAS GRANDES OBRAS, utilizando cada vez mais uma ferramenta de eficácia indiscutível: A TRANSPARÊNCIA.

  11. Ah sim, ía me esquecendo de detalhe importante: qualquer linha de Metrô troncal pesado não realizada significa empresas de ônibus “colocando o burro na sombra”

    Continuam a ganhar prestando um “não-serviço”. Várias vezes mais que o normal ou aceitável. ÀS CUSTAS DO USUÁRIO. Que em última instância acaba PAGANDO SEM RECEBER mobilidade. Perdendo oportunidades de trabalho, estudo, convívio com a família, lazer, JOGANDO TEMPO FORA. Um bem que, muitos concordam, é o mais precioso.

  12. Assim como alguns companheiros ja manifestaram um coisa é certa quem foi punido com essa decisão foram os usuários do metrô e principalmente que m precisa deslocar diariamente pelas congestionadas avenidas por onde passa a linha 5. Eu no meu parco entendimento não tenho dúvidas que diante de um escandálo desses denunciado pela FSP é justo que sejam tomadas as devidas providencias. Existem questões muito séria para serem resolvidas no ambito do governo do Estado de São Paulo, sobretudo na área dos transportes, um exemplo disto é a licitação da area 5 EMTU/RMSP que está truncada até hoje e nenhuma providencia foi tomada por essa mesma justiça que determina e impõe acima da real necessidade da população que depende do transporte. Entendo também que a justiça precisa e deve fazer sua parte fazer valer as leis, mas entendo que há soluções e sentenças que podem atingir e punir os verdadeiros culpados com penas alternativas ou mesmo mandando para a cadeia, impedindo essas pessoas e corporações por exemplo de concorrer em cargos ou licitações, mas parar as obras que já deveriam estar prontas chega ser algo que atenta ao nosso bom senso, repito entendo o papel da justiça, mas nesse caso a juiza deveria ter pensado de outra forma ou melhor deveria conhecer mais de perto a situação que se encontra não só as obras, mas principalmente as verdadeiras necessidades da população que utiliza ou utilizaria a linha 5 para punir os culpados sem prejudicar os maiores interessado na extensão da linha 5. Agora teremos pela frente mais um embrólio jurídico ea obra parada, pais de familia serão demitidos e terão um natal daqueles enquanto nosso judiciário entrará em recesso voltando somente depois do carnaval. É indignante uma coisa dessas, forte abraço

  13. Amigos
    Percebam o seguinte:
    1- Quem passou a informação para a imprensa tinha seus objetivos (quais seriam?)
    2-A empresa que apresentou os menores preços,( pela forma da licitação uma mesma empresa não poderia ganhar 2 lotes – permitindo maior rapidez a obra) já sabia que não poderia vence-los
    (qual seria seu objetivo?)
    3-A quem serve a atual situação (já pensaram?)
    4-O Povo sofrerá e o causador da situação nada ganhará.(Não parece contos de terror?)
    Durmam com um assunto desses

  14. As vezes acho que tem dedo podre de politico oposicionista na jogada … gente que tenta derrubar os outros para chegar ao poder.
    Só o tempo dirá, e nesse caso o tempo infelizmente vai contar contra o trabalhador , prejudicado como sempre …

  15. Olha pessoal vamos raciocinar compartilhem comigo o pensamento do amigo Fábio da comunidade Metrô você também anda.

    O que eu não entendo é o seguinte :
    Quantas construtoras grandes capaz de tocar um lote de construção de metrô existem no Brasil ? Umas cinco , talvez 10 ? Se se unirem nos famigerados consórcios este numero tende a diminuir ! Pois bem , eu faço uma uma lista designando cada lote a uma empreiteira e faço mais dezenove listas mudando a ordem das empreiteiras e dos lotes . Aí eu registro tudo em cartório . Quando sair o resultado é só resgatar aquela lista onde as empreiteiras foram sorteadas na ordem certa e exibir com alarde “que já sabia do resultado da licitação ” e descartar as outras dezenove . Será que não foi isso que aconteceu na primeira vêz ?

  16. O amigo Ìtalo também deu esta reflexão:

    Italo
    Tem também uma coisa que observo: com essa paralisação, logo, se o GESP/ Metrô não vencerem nos tribunais -o que, segundo explica Devil’s Attorney- será bem complicado se avaliarem que realmente não há como reverter nos processos por meio de recursos, o GESP terá:
    – pagar A TODAS AS CONSTRUTORAS DE CADA LOTE mesmo sem ter a linha construída ($);
    – realizar NOVO PROCESSO LICITATÓRIO, onde, CADA UMA DESSAS EMPREITEIRAS poderá NOVAMENTE GANHAR PRA EXECUTAR A OBRA ($$);
    – Entrará numa dívida, a qual muitos devam se lembrar, foi quitada há alguns anos atrás durante a gestão Covas/ Alckimin, gerando a venda do Banespa e outras tantas empresas do estado. Graças a essa dívida quitada, os investimentos que VEMOS SURGIREM HOJE em Metrô e CPTM foram possíveis. Com essa decisão, a juíza colocará o estado, novamente, em paralisia GERAL de investimentos por um bom tempo, pois, crendo na lógica “pagar a dívida contratual + dar prosseguimento a construção da linha”, logo… $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$.

    NÃO SEI SE a juíza levou isso em conta, ou seja, pensou que, no futuro, o bolso dela será AINDA MAIS LESADO -se realmente foi como o MP diz-, lesará muito mais gente tanto no bolso QUANTO em mobilidade, saúde, trabalho, etc. Porque, transporte mexe com tudo. Mais Metrô, trem, ônibus = menos carros, menos poluição, mais pessoas podendo se deslocar com agilidade e tendo chances de trabalho fora de sua localidade, estudos, etc. Não é necessário citar que irá prejudicar muita gente, não só, necessariamente, ao povo que convive com um sistema saturado e que não há planos de melhorias por meio da SPTrans tão cedo, mas, pra quem se desloca praqueles cantos que vêm crescendo exponencialmente há anos.

    • Há uma resposta simples para isto, a Exma.Juiza não anda de transporte público, portanto desconhece a realidade dos sistemas, infelizmente ainda vivemos no Brasil o estigma das “Autoridades” e prevalece aquela máxima “Você sabe com quem está falando….” enquanto isto a situação tende a piorar mais ainda para toda região, faltou bom senso de todas as partes.E lamentável

      • A Exma. pode não andar em públicos coletivos mas PÁRA em CONGESTIONAMENTOS e deve ter visto o trem andar enquanto estava parada na Marg.Pinheiros.

        Acredito muito que ela pense que ESTÁ CUMPRINDO A OBRIGAÇÃO DELA, O RESTO QUE SE VIRE. Como logística depende diretamente que todas as partes trabalhem coordenadas e cada uma vise o sucesso do Projeto, este tipo de pensamento isolado é garantia de fracasso maior.

  17. Foi pior que isso, nada foi registrado em cartório, pois se tivessem feito qualquer cidadão teria acesso do conteúdo registrado, logo saberiam que foi registrado vários documentos, o que foi feito na verdade um reconhecimento de um documento, apenas para dar “razão” a conteúdo, pois consta a data do reconhecimento, mas não teria como saber quantos documentos foram feitos … qualquer Zé mané da esquina poderia ter feito isso e ter acertado, pois são poucos que tem a tecnologica para contrução de túneis para o metrô, o PIOR de tudo isso é ter MENTIDO sobre o registro em cartório do suposto documento, que na verdade foi apenas reconhecimento de assinatura em cartório, mais conhecido como reconhecer a firma …

  18. O número de construtoras disponíveis para obras do porte do Metrô é reduzidíssimo, e para ajudar elas ainda se aglomeram em consórcios para determinados empreendimentos.

    Esse sim é um grande problema no ramos das obras público-privadas no Brasil. Antes de qualquer licitação, da construção de uma ponte no Oiapoque ou um túnel no Chuí, já dá para saber que ganhará um lote da obra, pelo menos, a Camargo Correa, Odebretch, e as figurinhas carimbadas.

    Não precisa ser nenhum gênio da investigação para saber isso daí.
    Claro que esta situação não quer dizer que não seja um problema. Muito pelo contrário, estas empreiteiras mamam até não poder mais nas tetas do estado. Os latifundiários da soja do Norte e Centro Oeste e os Coronéis do Nordeste são santos perto dos executivos destas empresas.

    Agora não dá para resolver esse problema afastando o presidente do Metrô.

  19. O número de construtoras disponíveis para obras do porte do Metrô é reduzidíssimo, e para ajudar elas ainda se aglomeram em consórcios para determinados empreendimentos.

    Esse sim é um grande problema no ramos das obras público-privadas no Brasil. Antes de qualquer licitação, da construção de uma ponte no Oiapoque ou um túnel no Chuí, já dá para saber que ganhará um lote da obra, pelo menos, a Camargo Correa, Odebretch, e as figurinhas carimbadas.

    Não precisa ser nenhum gênio da investigação para saber isso daí.

    Claro que esta situação não quer dizer que não seja um problema. Muito pelo contrário, estas empreiteiras mamam até não poder mais nas tetas do estado. Os latifundiários da soja do Norte e Centro Oeste e os Coronéis do Nordeste são santos perto dos executivos destas empresas.

    Agora não dá para resolver esse problema afastando o presidente do Metrô….

  20. Amigos:
    1-Quem passou a informação para a imprensa teria seus interesses? (quais seriam?)
    So poderia ser alguem ligado ao grupo (ou máfia), que teve seus interesses (ou vaidades?) prejudicados.
    Assim, cade ele? Farinha do mesmo saco (traira).
    Cadê a investigação para acha-lo (s)?
    Poderia até saber mais? (ganharia delação premiada?)
    É corrupto igual a denuncia que fez, pois, estava junto. Só passou a informação por não ter levado vantagem.
    Ou mentiu para bagunçar o trabalho sério do Estado em desenvolvimento?
    Cadê o(s) cara (s)?
    Mas antes de investigar o(s) cara(s) Tiram o Homem que está trabalhando, Pode?
    E o povo esta se ferrando, de novo.

  21. Amigos:
    2-É comum licitação que divide seu objetivo em lotes (e legal também).
    Tem varios fatores positivos:
    a) Evitam formação de Mega Consorcios ou Centralização em um único fornecedor
    b) ajudam a desenvolver fornecedores
    c) garantem obter resultado mesmo que um dos fornecedores falhe
    d) possibilita aumentar a velocidade de produção global do objetivo
    e) adequa melhor o preço a capacidade de cada empresa/lote
    O que (acredito pois não acompanhei) faltou neste caso foi a negociação com os ganhadores de cada lote para chegar no menor preço (embora desclassificado) apresentado. É o que costuma ocorrer nos pregões divididos por lotes.
    Agora, apresentar preço inexequivel , só para criar confusão e sair sem punição é uma falha da lei 8666 (das licitações) e seus desdobramentos.
    Cadê a investigação sobre este assunto?

    • pois é Amigo Jair

      A investigação só vai acontecer se a Folha de São Paulo, o MP e a juíza deixarem…. é simples assim…

      a grande verdade nem a FOLHA NEM O MP E NEM A JUÍZA SABEM FAZER CONTAS………OBRA PARALIZADA É PREJUÍZO DOBRADO….

  22. Cabe uma grande manifestação pública pela mobilidade de SP, junto às obras da Metrô 5.

  23. As obras do Metrô já estão atrasadas há décadas.
    A pergunta a ser respondida é : Com o afastamento do Presidente do Metrô, todo o problema do super faturamento das obras públicas bem como as costumeiras fraudes em licitações estarão resolvidas? É certo que não.
    Portanto o que se viu foi uma decisão inócua do TJ. “fritando” o “menor responsável” pelo evento, deixando incólumes as Intocáveis Empreiteiras e seus preços, em nome do interesse “público”, E segue o Bonde, ou melhor o Metrô.

  24. Acredito muito que essa ação movida pelo promotor teve fins POLÍTICOS e/ou PESSOAIS. As obras foram paralisadas com base em uma análise do resultado da licitação digna de nota 10, no jardim de infância. Qualquer ser com um mínimo de inteligência e informação vai chegar a essa conclusão rapidamente. Pontos importantes: o conselho superior do ministério público (do qual faz parte o tal promotor) aprovou o edital na época em que ele foi avaliado; o presidente do Metrô foi afastado por ter dado prosseguimento às obras após a investigação feita pelo Metrô ter concluído que não houve conluio (isso era óbvio, o resultado antecipado pela Folha foi o resultado da licitação anterior, que teve vencedores anunciados, mas foi suspensa; os resultados seguiram a lógica na licitação nova e não houveram alterações). Depois de ter elaborado um relatório de 2400 páginas, o promotor conseguiu uma única prova, totalmente descabida por sinal. Gostaria muitíssimo que a razão pelo promotor mover essa ação tenha sido uma das citadas acima (talvez as duas). Porque se não for nosso MP está mal. Salvas exceções, excelentíssimo Saad Mazloum como bom exemplo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: