Niterói (RJ) diminui frota de coletivos no período de férias escolares

Consórcios de Niterói (RJ) diminuem frota de coletivos durante recesso escolar

Redução afeta 50 linhas de ônibus

ARTHUR FERRARI

Os consórcios Transoceânico e TransNit, que operam o transporte coletivo em Niterói (RJ), reduziram nesta segunda-feira, 25 de julho de 2022, a frota que atende os niteroienses em mais de 50 linhas.

A atitude é prevista durante as férias escolares, mas é provável que avance o período, e está diretamente ligada aos três anos sem reajustes na tarifa e ao aumento de 180% do diesel, como mostrou o Diário do Transporte.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/09/com-novo-aumento-do-diesel-empresas-de-onibus-do-rio-de-janeiro-falam-em-reducao-de-frota/

Em nota, a prefeitura da cidade informa que seguirá monitorando o sistema de transporte com fiscalização reforçada para que não avancem o período de férias escolares.


Leia a íntegra do comunicado encaminhado ao Diário do Transporte:

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Mobilidade informa que, durante os períodos de férias escolares, os consórcios são autorizados a reduzirem a frota em até 15%, tratando-se de um procedimento de rotina nesta época do ano. Feita esta exceção, as empresas que integram os consórcios que operam no município não estão autorizadas a reduzir a quantidade de ônibus, seja no período da madrugada, seja com a circulação de algumas linhas apenas em horários de pico.

A Subsecretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SSTT) informa que os consórcios Transnit e Transoceânico, responsáveis pelas empresas que prestam serviço de transporte coletivo na cidade, foram notificados em relação a retirada de frotas e diminuição de linhas, tendo um prazo de 24h para esclarecimentos. Em caso de não cumprimento das demandas notificadas, a multa prevista em contrato é de R$1.300. A SSTT ressalta que a fiscalização é feita pelos fiscais da subsecretaria, em diversos horários e locais, sem agendamento prévio.

Vale ressaltar o momento de crise relativo ao preço dos combustíveis. Nos últimos quatro anos, o preço do diesel subiu 188%, e hoje é inclusive mais caro que a gasolina. O tema é pauta inclusive na Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), que discute atualmente um modelo nacional de subsídios para o setor. Niterói tem feito esforços de não repassar esse aumento de custos para a população, mantendo o mesmo valor da tarifa desde 2019. Sobre a análise do modelo tarifário, a Prefeitura informa que está contratando um estudo de reequilíbrio financeiro do sistema, o que definirá, de forma transparente, os custos operacionais e a tarifa técnica das linhas operantes.


Nota encaminhada pelo SETRERJ – Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro:

O Setrerj informa que, diante do congelamento da tarifa há três anos e o reajuste do óleo diesel em 180% desde o último aumento, as empresas, apesar do esforço para atender a população, não têm mais condições de manter a operação das linhas conforme a determinação da Prefeitura. Cabe ressaltar que os consórcios operadores ainda aguardam a adoção de medidas urgentes do poder público, que está ciente da necessidade de reequilibrar e recuperar o sistema municipal de ônibus. Vale lembrar que outras cidades têm desenvolvido ações emergenciais em apoio ao transporte público, como a concessão de subsídios nas cidades do Rio e de São Paulo.

Arthur Ferrari, para o Diário do Transporte
Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Maria disse:

    Muito antes das férias escolares que ônibus tem diminuído.

Deixe uma resposta