Com novo aumento do diesel, empresas de ônibus do Rio de Janeiro falam em redução de frota

Problema pode afetar Baixada Fluminense e região de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus que atendem a parte do Estado do Rio de Janeiro emitiram nesta segunda-feira, 09 de maio de 2022, comunicado dizendo que poderão reduzir as frotas e a operação diante de mais um aumento no preço do óleo diesel.

Como mostrou o Diário do Transporte, a Petrobras anunciou que o preço médio de venda de diesel para as distribuidoras passará de R$ 4,51 para R$ 4,91 por litro, alta de 8,9%.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/09/petrobras-anuncia-reajuste-no-preco-do-diesel/

O problema deve ocorrer em municípios da Baixada Fluminense e da região de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá.

O comunicado é de responsabilidade dos sindicatos que reúne as empresas de ônibus destas regiões; Setrerj, o Setransduc e o Transônibus.

Na nota, os empresários dizem que somente neste ano de 2022, o diesel subiu 47% nas refinarias.

A redução de frota, ainda de acordo com o comunicado, seria inicialmente nos horários de menor procura dos passageiros e o objetivo é equilibrar os custos e as receitas.

As viações ainda ressaltam a necessidade de outras fontes de custeio aos transportes, como ajudas dos governos federal, estaduais e municipais e citam que não houve aumentos de tarifas de ônibus.

Veja a nota na íntegra:

Rio de Janeiro, 09 de maio – O Setrerj, o Setransduc e o Transônibus – sindicatos que representam as empresas em dez municípios da Baixada Fluminense e na região de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá – reforçam mais uma vez o alerta sobre o risco iminente da falta de transporte público coletivo para a população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Com a confirmação do novo reajuste de 8,9% do óleo diesel a partir de terça-feira, as empresas serão obrigadas a promover reduções na operação e adaptar a frota atual em circulação à capacidade financeira. Com o aumento, a crise econômica vai se agravar e o cenário se tornará insustentável, levando a medidas de racionamento de combustível, com a priorização de determinados serviços e linhas de ônibus em horários de maior movimento.

Na falta de medidas urgentes e efetivas, as operadoras de transporte não terão outra opção a não ser manter parte da frota parada nas garagens, provocando impacto direto nos deslocamentos diários de mais de três milhões de passageiros. Desta forma, haverá mudanças necessárias nos horários de menor movimento pela manhã, à tarde e à noite e durante os fins de semana. A decisão, embora seja excepcional, afastaria o risco de pane seca na frota em operação e a interrupção do serviço durante as viagens, o que prejudicaria ainda mais os passageiros, que já vem sendo impactado nos últimos anos pela crise que atinge o transporte por ônibus.

Desde o início do ano, a alta acumulada nas refinarias chega a 47%, de acordo com a Petrobras.  O último reajuste, de 24,9%, havia sido anunciado em 11 de março. Com a crescente oscilação do preço do combustível, o óleo diesel passa a ser o principal item no custo de operação das empresas de ônibus, representando agora 32% do total. O novo aumento é um duro golpe a um sistema de transporte já combalido, que já chegou ao seu limite com o esgotamento financeiro das empresas. Pressionadas, as operadoras terão ainda mais dificuldade para a compra de combustível e para manter a frota em circulação, o que reduzirá a oferta de ônibus e levará à degradação do serviço prestado à população. Em Magé, a empresa operadora corre o risco de paralisar as atividades e já alertou a Prefeitura.

É importante ressaltar que os impactos causados pelo reajuste do diesel ao longo dos últimos dois anos não foram compensados, até agora, por aumentos de tarifa ou subsídios por parte de prefeituras ou do governo do Estado. Assim, aumenta o risco considerável de o passageiro não poder contar com o sistema de ônibus regular para a maior parte de seus deslocamentos, abrindo espaço para o transporte clandestino e sem regulamentação, intensificando a desordem e a insegurança.

Por isso, torna-se urgente e inadiável a adoção de ações emergenciais por parte dos governos federal, estadual e municipal, no sentido de garantir a continuidade da operação de um setor vital para a população e para a economia fluminense.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Luiz Silva disse:

    Reclamem com os governadores para baixarem ICMS! Ou com o Putin paraa abar com a guerra! O governo federal já zerou os impostos que lhe cabiam. Estão torcendo para o Presídente intervir na Petrobras, para o stf desautorizá-lo após pedido da rede ou de outro parlamentar esquerdista que torce contra o Brasil! Continuem conspirando! Faltam só 4 anos e 7 meses! 🇧🇷😎👉👉

  2. carlos souza disse:

    Esquerda,direita,centro,que diferença faz?É tudo mehrdhy@ K-GH@dhY@ pela mesma boondhy@.Tudo desse sistema global e universal criminoso e ilegal.Só aceitando que essa pôh@ de universo já foi pra poothy@ kilp@hiw há muitíssimo tempo,porque não tem moral pra poHissim@ nenhumíssima.Nem nunca terá.Ruptura,sim,mas jamais com intervenção militar nem ditadura pôh@ nenhuma.Ruptura é com voto nulo,abstenção,voto 100% facultativo regra geral e eleições só com candidaturas avulsas,com 2 ou 3 chapas,jamais abaixo nem além disso.Tribunal de Haia contra esse sistema criminoso e ilegal.

Deixe uma resposta