Ex-funcionários da CSN fazem nova manifestação em Salvador

Trabalhadores da empresa de ônibus que parou de operar ainda não receberam os direitos previstos na rescisão

ADAMO BAZANI

Trabalhadores do transporte coletivo de Salvador que atuaram na CSN (Concessionária Salvador Norte), que parou de operar na capital baiana, fizeram um novo protesto no início da tarde desta quarta-feira, 13 de julho de 2022.

O grupo chegou a bloquear a saída da Estação Lapa e pede o pagamento da rescisão trabalhista que ainda não foi feito.

Os trabalhadores querem uma reunião com o prefeito Bruno Reis.

Por causa do ato, houve atrasos em linhas de ônibus na região.

LEILÃO:

Como mostrou o Diários do Transporte, o Tribunal Regional da 5ª Região (TRT-5), da Bahia, publicou edital para o leilão de dois terrenos pertencentes ao grupo Transportes Urbanos SPE (CSN – Concessionária Salvador Norte), empresa de ônibus que foi descredenciada do transporte público de Salvador

Segundo a Justiça, o preço mínimo foi fixado em R$ 13,42 milhões), que corresponde a 100% do valor da avaliação.

Os terrenos são situados no bairro Granjas Rurais Presidente Vargas, em Salvador.

A área total dos dois imóveis é de 12.277m².

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/07/04/imoveis-da-csn-em-salvador-vao-a-leilao/

HISTÓRICO:

O prefeito Bruno Reis anunciou em 27 de março de 2021, o rompimento do contrato com o consórcio alegando diversas irregulares operacionais, fiscais e trabalhistas. Segundo o prefeito, as dívidas da CSN são de R$ 516 milhões.

Os serviços estavam sob intervenção da prefeitura desde 16 de junho de 2020 e, com a caducidade, passaram a ser de inteira responsabilidade do poder público.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/03/27/prefeitura-de-salvador-rescinde-contrato-com-a-csn-concessionaria-salvador-norte/

Por meio de nota no dia do rompimento do contrato, a CSN (Concessionária Salvador Norte) reclamou da gestão da prefeitura no setor de transportes e chegou a classificar a restruturação do sistema realizada pelo poder público como um “desastre”.

Na nota, a CSN disse também que a prefeitura foi “omissa” em “cumprir sua parte no contrato” em seis anos e criticou o prefeito, cuja postura foi classificada como “arrogante” e ainda usou o termo “incompetência” ao se referir sobre a atuação do Sindicato dos Trabalhadores no impasse.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/03/27/csn-chama-restruturacao-dos-transportes-de-salvador-de-desastre-e-fala-em-cobranca-na-justica/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. laurindo junqueira disse:

    A CSN tem larga e profícua história neste país. Lembremo-nos da eleição de Erundina em São Paulo, em 1988.

Deixe uma resposta