Greve de ônibus em São Paulo é marcada para terça-feira, 14 de junho de 2022; Nova proposta pode reverter

Decisão foi tomada em assembleia de motoristas e cobradores nesta sexta-feira (10)

ADAMO BAZANI

Uma greve de ônibus em São Paulo foi aprovada para terça-feira, 14 de junho de 2022.

Motorista e cobradores realizaram uma assembleia na tarde desta sexta-feira, 10 de junho de 2022.

Uma nova proposta pode reverter a decisão.

Nesta quinta-feira (09), foi apresentada uma nova proposta por parte das empresas de ônibus: 10% de reajuste salarial em parcela única em outubro.

A primeira proposta era de reajuste de 10% de reajuste e somente sobre os salários: 4% agora, 4% em setembro de 2% no fim do ano, que também não agradou a categoria.

Os motoristas chegaram a uma paralisação foi anunciada para esta segunda-feira (06), mas foi suspensa após uma audiência no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para continuar as negociações.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/06/03/greve-de-onibus-em-sao-paulo-prevista-para-o-dia-06-de-junho-e-suspensa-por-retomada-de-negociacoes/

Por meio de nota, a SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia os transportes na cidade de São Paulo, diz que acompanha as negociações e lembra que há uma decisão na Justiça que determina frota mínima de 80% nos horários de pico e 60% nas demais horas

A Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, informa que em reunião de conciliação realizada no dia 3 de junho, perante o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), foi firmado o compromisso de não haver qualquer paralisação sem que ocorra nova audiência perante o TRT.

A reunião foi resultado de decisão liminar expedida pela Justiça do Trabalho, na noite de terça-feira, 31 de maio, a pedido da SPTrans, na qual ficou determinada também a manutenção de 80% da frota operando nos horários de pico e 60% nos demais horários, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

A SPTrans espera que o acordo seja cumprido e ressalta que a decisão liminar segue válida. A empresa continuará acompanhando as negociações trabalhistas entre os operadores de ônibus e as empresas concessionárias e espera que haja entendimento entre as partes, para que a população de São Paulo não seja prejudicada.

As reivindicações da categoria são:

– Reajuste Salarial de 12,47%, mais aumento real;

– Vale Refeição de R$ 33,00 (unitário);

– Equiparação de todos os benefícios para os trabalhadores e trabalhadoras das empresas do sistema complementar (empresas novas);

– Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de R$ 2.500,00;

– Fim das escalas com uma hora para refeição sem remuneração;

– Reajustes nos valores dos benefícios: Auxílio Funeral, Seguro de Vida, – Convênio Médico e Odontológico etc;

– Adequação das nomenclaturas do Plano de Carreira do Setor de Manutenção, equiparação salarial e promoção para funcionários e funcionárias Fora de Função.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Priscila disse:

    Pq não entra em greve e para essa palhaçada…aonde sabemos que o sindicato leva todo o esforço do trabalhador para o seu bolso… A greve só e anunciada e qdo chega na hora… Vem o sindicato e vc disse conseguimos um acordo….. Kkkkkk
    Pq de vez fica roubando o dinheiro dos motoristas e cobradores… Não aumenta o salário e os benefícios… Pq lidar com pessoas e bem complicado… O salário que recebe e pra que… Pagar batida que por causa da maioria das vez foi os outros que acusam… Porém o motorista de ônibus tem que ser prejudicada… Só pq a lei de trânsito e uma merda… Ou então o salário do motorista e para pagar multa… O país e um lixo… Só sabem tirar o trabalhador… Mas dizer o que… Isso nunca vai deixar de acontecer… O desonesto vai ser sempre desonesto…

  2. Edson santos disse:

    Se for para bem maior dos funcionários legal só não deveria atrasar a vida dos trabalhadores muitos perdem até o emprego a consulta médica

Deixe uma resposta