Diário no Sul

Curitiba (PR) planeja eletrificar 10% da frota em 2 anos com compra de 134 ônibus elétricos

Frota inicial será dividida entre biarticulados e veículos articulados. Ilustração: IPPUC.

Ao todo, serão 57 para o eixo Leste-Oeste e 77, para o Inter 2 e Interbairros 2

WILLIAN MOREIRA

A cidade de Curitiba projeta atingir a marca de 10% de ônibus elétricos compondo a frota do transporte público em até dois anos, diminuindo assim parte da emissão de poluentes na atmosfera.

Conforme planejamento da Urbs (Urbanização de Curitiba), o município realizará a compra de 134 ônibus elétricos, sendo 57 para o eixo Leste-Oeste e 77 para o Inter 2 e Interbairros 2.

“É o início da transição para a eletromobilidade, com emissão zero de ruído e CO2, e cujos veículos, do tipo Ligeirão (com menos pontos de parada), trarão ainda outros ganhos para o usuário, como a redução do tempo de deslocamento”, explica o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, em nota divulgada para a imprensa,

Com a medida, o principal objetivo, além de aumentar a quantidade destes veículos em circulação, saindo dos atuais 4%, é em médio prazo (até 2030) ter 33% da frota total com emissão zero de poluentes e chegar a 100% da frota em 2050.

Na primeira etapa da ampliação dos ônibus elétricos, a compra inicial dos 134 veículos, 57 biarticulados com piso alto, com capacidade para 250 passageiros serão empregados.

A linha deve transportar até 200 mil passageiros/dia (120 mil no eixo Leste e 80 mil no eixo Oeste) e se prevê a redução de 23 minutos no deslocamento e 350 quilômetros de autonomia operacional. 

O Inter 2 receberá 46 articulados e o interbairros 2, outros 31 articulados com piso baixo.

Os testes com veículos elétricos devem começar nos próximos meses em linhas já existentes do transporte público, com duração de 60 dias, sendo 30 dias o tempo mínimo.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marcos disse:

    As empresas nao tem dinheiro pra pagar os funcionários e querem gastar com ônibus elétricos

  2. fernando rocha de miranda pereira disse:

    Marcos, vc disse tudo. Deveriam primeiro voltar a pagar os funcionários pontualmente. As empresas sao da família Gulin até hj, assim como em Sao Paulo onde o Grupo Ruas comandado por um velho de quase 100 anos domina a maior parte das empresas de Sao Paulo e o Grupo Caio como a Caio Induscar de Botucatu de SP e a Busscar de Joinville SC. Em Campinas outro grupo que domina a maior parte do transporte publico é o Grupo Belarmino comandado por um portugues desde 1962. Isso é, nao adianta ter onibus elétricos se os onibus continuam lotados e com transporte público de péssima qualidade

Deixe uma resposta