Eletromobilidade

Curitiba lança chamamento público para testar operação de ônibus elétricos

Teste deverão ser feitos em linhas existentes do sistema de transporte coletivo da cidade por 60 dias

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Curitiba lançou um edital de chamamento público para testes em larga escala de ônibus elétricos na Rede Integrada de Transporte (RIT).

Segundo o poder público municipal, estas operações experimentais dos ônibus elétricos deverão ser feitas em linhas existentes do sistema de transporte coletivo da cidade por 60 dias, sendo admitido período mínimo de 30 dias. Publicado pela Urbs (Urbanização de Curitiba S.A.), o edital de chamamento público tem cadastramento aberto pela internet ou presencialmente, de segunda-feira a sexta-feira, das 12h30 às 18h30, no Prédio Central da Urbs (Avenida Presidente Affonso Camargo, 330, na Rodoferroviária).

Os trabalhos vão durar dez meses, prorrogáveis, contados a partir da data da publicação do extrato no Diário Oficial do Município, e respeitando o prazo máximo de vigência do Chamamento Público de um ano.

O proponente deverá apresentar um Plano de Demonstração e realização de testes.

De acordo com edital, as linhas serão definidas pela URBS e IPPUC, com o devido alinhamento com o proponente, sendo os testes realizados preferencialmente nas linhas que fazem parte do projeto de descarbonização do transporte coletivo, estabelecido pelo PlanClima: Linhas Inter 2 e BRT Leste/Oeste.

Ainda segundo o documento, quando não verificada a viabilidade de implementação nas Linhas Inter 2 e BRT Leste/Oeste, os testes poderão ser realizados em linhas alimentadoras ou convencionais, conforme definições com a URBS, IPPUC e o alinhamento com o proponente. Os testes devem ser realizados em condições reais de operação e, na sua inviabilidade, poderão ser realizadas simulações operacionais, incluindo capacidade de carga e/ou circulação noturna nos trajetos oficiais das linhas.

O projeto exige a disponibilização de veículos de porte articulado (18-23m) e biarticulados (>23 m). No entanto, por terem poucos destes ônibus no mercado 100% elétricos, serão aceitos veículos de diferentes portes/perfis, desde que possibilite aplicabilidade operacional a ser analisada pela URBS e IPPUC.

A URBS definirá os operadores (motorista e cobrador), bem como eventuais demais participantes para atuação nos testes.

A recarga dos veículos deverá ser realizada na infraestrutura/rede

disponibilizada/indicada pela URBS e IPPUC, podendo ser analisadas eventuais alternativas sugeridas pelo proponente. A estação de recarga será instalada por responsabilidade exclusiva do proponente.

Além disso, segundo o edital, todos os custos que incidirão sobre o projeto de demonstração operacional de ônibus elétricos, tanto de logística (frete), manutenção, custos de instalação e manutenção de infraestrutura, serão de responsabilidade do proponente.

A manifestação de interesse em firmar o acordo de cooperação técnica deverá ser encaminhada de forma virtual à Comissão Especial de Análise de Chamamentos Públicos da Urbanização de Curitiba S/A (URBS), no período de 00h00min do dia 26 de maio de 2022 às 23h59min de 30 de novembro de 2022 pelo endereço eletrônico: protocolourbs@urbs.curitiba.pr.gov.br ou entregue em envelope lacrado no período de 12h30min do dia 26 de maio de 2022 às 18h30min de 30 de novembro de 2022.

O trabalho faz parte da TUMI (Transformative Urban Mobility Iniciative) E-Bus Mission, que é uma iniciativa de apoio a 20 cidades do mundo, entre elas a capital paranaense, na transição da matriz energética do transporte do diesel para a eletricidade. É financiada pelo governo alemão e entidades parceiras.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Curitiba só testa as tecnologias, mas na hora de implantar é uma burocracia ferrada, como exemplo temos a Linha Verde. 16 anos e ainda não está pronta!
    Pra piorar pagamos a tarifa mais cara do Brasil pra não ter ônibus com ar condicionado, Wi-Fi a bordo, bancos duplos dos 2 lados do ônibus e se você for para região metropolitana (que essa é de responsabilidade da COMEC e aidna se encontra operando sem licitação) nesses só tem ônibus caindo aos pedaços, que tem goteiras, que solta a roda, que não funciona a campainha, que solta fumaça preta, que são ônibus usados com 7 a 10 anos de uso, que solta roda, horários malucos e intervalos de até 25 minutos em pleno horário de pico e que dependendo da cidade da região metropolitana a tarifa é bem mais cara… tudo pra ferrar com o povo, ganho garantido aos empresários do setor investindo poucos milhões de reais. Mais um anúncio pra inglês ver.

  2. Getsilv disse:

    Parabéns A PREFEITURA E A NOSSA CIDADE QUE TEMOS UM EXCELENTE PREFEITO E UMA EXCELENTE EQUIPE QUE ADMINISTRA NOSSA CIDADE !

  3. fernando rocha de miranda pereira disse:

    Depois que o Greca assumiu a prefeitura de Curitiba, voltou a ser o que era

Deixe uma resposta