Mariana (MG) terá tarifa zero experimental no sistema de ônibus por seis meses a partir de janeiro de 2022

Projeto vai durar seis meses, podendo ser prorrogado, e Transcotta vai receber subsídio de R$ 862 mil por mês

ADAMO BAZANI

A Câmara Municipal de Mariana (MG) aprovou nesta quarta-feira, 29 de dezembro de 2021, o Projeto de Lei 192/2021 do executivo que institui o programa Tarifa Zero de maneira experimental.

Por seis meses, a prefeitura vai bancar os serviços prestados pela empresa Transcotta que deve receber um subsídio mensal de R$ 862 mil (R$ 862.494,49).

Caso o programa provoque uma redução igual ou superior a 30% na receita da cidade, o Tarifa Zero poderá ser interrompido a qualquer momento e a cobrança da tarifa retomada.

O programa também poderá ser prorrogado por mais seis meses caso tenha resultados positivos na demanda de passageiros e no aumento da geração de empregos de pessoas que moram em regiões mais distantes.

A isenção de cobrança de tarifa vai durar até a conclusão de uma licitação do sistema.

Hoje a Transcotta atende Mariana com 19 ônibus em 11 linhas.

Por meio de nota, a prefeitura diz acreditar que o Tarifa Zero deve estimular a economia na cidade.

Foi aprovado na manhã de hoje (29) o Projeto de Lei do Tarifa Zero! Encaminhado para a Câmara em novembro deste ano, agora, o programa segue para ser sancionado pelo Prefeito e assim colocado em prática efetiva no município.

 Com o objetivo de garantir melhoria no acesso ao transporte público, a ação tem por premissa conceder subvenção econômica, subsidiando a tarifa de passageiros no município de Mariana, com isenção total da passagem. Alcançando todas as linhas urbanas e horários atendidos atualmente pelo serviço de transporte coletivo. 

 O Tarifa Zero é um projeto de grande importância que vai impactar positivamente o progresso da mobilidade urbana no município e distritos. Esse é o nosso objetivo, promover bem-estar, qualidade de vida e segurança para toda a população! 

 Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta