Eletromobilidade

Greca contrata empréstimo de US$ 93,75 milhões para Ligeirão Leste-Oeste com ônibus elétricos

Entre as obras previstas estão a reforma e ampliação pontos de parada existentes, além da reestruturação viária de aproximadamente 22,5 km de canaletas exclusivas e de 7,5 km de vias complementares

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Curitiba informou nesta terça-feira, 28 de dezembro de 2021, que formalizou um empréstimo internacional de US$ 93,75 milhões para a implantação do Ligeirão Leste-Oeste, novo eixo de ônibus elétricos entre a CIC e a cidade de Pinhais, na Região Metropolitana.

Deste valor, US$ 75 milhões serão financiados pelo NDB (New Development Bank) e US$ 18,75 milhões têm de ser de contrapartida municipal.

O projeto será executado ao longo de cinco anos, a contar da assinatura do contrato de financiamento.

Segundo a prefeitura, entre as obras previstas estão a reforma e ampliação pontos de parada existentes, além da reestruturação viária de aproximadamente 22,5 km de canaletas exclusivas e de 7,5 km de vias complementares ao sistema de transporte. Nesse itinerário serão implantados 44,8 Km de ciclofaixas e 66 paraciclos.

Além disso, com a implantação da estrutura de ultrapassagem entre as linhas, a operação do eixo será dividida em linhas “paradoras”, que farão paradas em 34 estações e cinco terminais ao longo do eixo. O projeto prevê ainda obras complementares ao sistema de transporte, como a restruturação viária de 7 km no binário das Olga Balster e Nivaldo Braga e do entorno do Terminal Capão da Imbuia.

TERMINAIS E ESTAÇÕES

A prefeitura anunciou também para o Corredor Leste-Oeste, a implantação de três estações de transporte, a reforma do Terminal de Integração Centenário e Vila Oficinas e a reconstrução dos terminais Capão da Imbuia e Campina do Siqueira. A reforma dos terminais contempla a geração de energia elétrica por painéis fotovoltaicos, permitindo a eficiência e a autossustentabilidade energética.

A gestão do prefeito Rafael Greca promete que o Ligeirão Leste-Oeste deverá reduzir em até 23 minutos o tempo de deslocamento dos usuários naquele eixo. Entre os benefícios para o transporte público e ao meio ambiente estão o aumento da velocidade média operacional em 35%; o aumento do número de passageiros em dias úteis em 5% e a redução das emissões de CO2 em 14%, com a operação de ônibus elétricos na Linha Direta.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta