Empresa Santa Maria estuda compra de novos ônibus para 2022

Em entrevista ao Diário do Transporte, o diretor da Santa Maria, Carlos Alberto Calado Nunes, falou sobre as perspectivas de mercado. Foto: Jessica Marques.

Veículos devem ser colocados na linha que liga o ABC Paulista a Belo Horizonte

JESSICA MARQUES
Colaborou Willian Moreira

A empresa Santa Maria, com sede em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, já está estudando a compra de novos ônibus para 2022.

Em entrevista ao Diário do Transporte, o diretor da Santa Maria, Carlos Alberto Calado Nunes, falou sobre as perspectivas de mercado e detalhou as expectativas da empresa.

“Estamos estudando, mas o mercado está muito difícil, também em razão da pandemia. Há 20 dias a gente estava mais animado, porque estava tudo mais tranquilo. Agora com a nova variante a gente já percebe que isso já influencia de novo na retomada dos serviços”, disse.

“A gente já estava pensando realmente em aquisições para o começo do ano, mas provavelmente a gente vai retardar isso um pouquinho para janeiro ou fevereiro, para receber por abril ou maio. No primeiro semestre teremos alguma coisa, mas não temos definido quantidade nem o tipo de veículo, mas provavelmente sim, para complemento de ônibus para colocar na linha [que liga o ABC Paulista a Belo Horizonte”, afirmou também.

Confira a entrevista com o diretor, na íntegra:

Diário do Transporte — A Santa Maria adquiriu recentemente três ônibus rodoviários de modelo Marcopolo Paradiso 1800 DD (Double Decker) G8 (Geração 8), com chassi Scania K440 8×2. O que motivou a empresa a fazer esta aquisição?

Carlos Alberto Calado Nunes Em meados do ano passado nós fomos contemplados com uma linha regular ligando o ABC Paulista a Belo Horizonte. Começamos a operar no final do ano de 2020. A partir desse momento, nós já planejamos a compra desses veículos, que iria ocorrer no primeiro semestre agora de 2021.

Em razão do lançamento do novo G8, nós tivemos o comunicado do fabricante, no caso da Marcopolo, e decidimos em conjunto postergar a entrega dos carros para o segundo semestre já para que o novo modelo saísse, e foi o que aconteceu. Acabamos recebendo os veículos no final de novembro e nós colocamos então em operação neste mês de dezembro, fizemos as primeiras viagens.

Então foi realmente em razão da linha rodoviária, porque os nossos concorrentes nas cidades que nós atendemos já rodam com este tipo de veículo, de dois andares. Então nós procuramos, com uma novidade, o  Geração 8 acompanhar a concorrência, com um serviço até um pouco mais diferenciado que tem hoje.

Quais são os principais itens de conforto para o passageiro neste ônibus?

O Geração 8, falando só de Marcopolo, é uma nova concepção de carro, de conforto, toda a parte de poltronas foi redesenhada, são novas e acomodam melhor os passageiros, então oferece um conforto muito maior. Então, nestes carros especificamente estamos disponibilizando dois tipos de serviço, que é semi-leito na parte superior e o serviço leito cama na parte inferior. Na parte superior nós temos 46 lugares e parte inferior, oito lugares leito cama.

O passageiro pode contar com serviço de bordo também?

Sim, serviço de bordo tem em todos os nossos carros, independentemente do serviço oferecido. Nós já colocamos água, tanto no piso inferior quanto no superior. Agora no serviço leito cama nós disponibilizamos coisas pequenas, com fácil manuseio, tipo salgadinho, bolachinha, uma bala, alguma coisa desse tipo, fizemos ônibus pequeninhos para acomodar esses alimentos.

E com relação à tecnologia?

Todos os nossos hoje já têm USB e Wi-Fi, todos com 4G, todos eles já tem este tipo de serviço. Carro rodoviário independentemente da linha rodoviária, mesmo no turismo ou fazendo fretamento, nossos carros já disponibilizam esse serviço.

Qual é o principal diferencial da Santa Maria, com relação às outras empresas?

Um diferencial é que a gente preza muito pelo atendimento ao cliente. Então começa com a pontualidade das linhas que a gente preza. De maneira nenhuma os nossos carros chegam atrasados para fazer os embarques, principalmente os iniciais em que você tem um compromisso de horário.

O treinamento, a educação do motorista em recepcionar os nossos passageiros. Os ônibus têm que estar sempre muito limpos, independentemente se está começando em São Bernardo do Campo ou Belo Horizonte. Nós não vamos ter um ônibus que vai encostar para fazer o serviço sujo, de maneira nenhuma.

Basicamente é isso, todos nossos carros rastreados, então você tem esse contato com o motorista, você sabe porque meu carro está atrasado, a gente consegue disponibilizar, o que está acontecendo.

No atendimento ao cliente, mesmo aqui na empresa a gente procura sempre atender muito bem o cliente, qualquer que seja o problema, se perdeu ou não conseguiu ir no ônibus e quer remarcar a passagem independentemente do dia nós não criamos nenhum obstáculo com relação a isso e estamos aprendendo. Para nós esse é um serviço novo, então nós também estamos aprendendo, tudo aquilo conseguir assimilar durante esse ano e ver que tem condição de melhorar nós estamos fazendo, sempre para atender melhor o cliente.

Atualmente, qual é o tamanho da frota da empresa?

A frota da Santa Maria é dividida entre três tipos de veículo. Nós temos uma frota de ônibus, de vans e de micro-ônibus. A frota total hoje deve estar entorno de 120 veículos, sendo por volta de 40 ônibus mais ou menos, 50 vans e 30 micro-ônibus.

Isso altera e oscila sempre um pouquinho para cima ou para baixo dependendo da época, mas hoje nossa frota é basicamente composta por essa quantidade de veículos.

Quais são os segmentos em que a empresa opera?

A Santa Maria fez 51 anos neste ano e nós começamos com fretamentos para indústrias e empresas, esse sempre foi o nosso foco principal. Com o passar do tempo, nós também sempre atuamos bastante no turismo. Temos uma parcela de faturamento de serviço grande no turismo também. Infelizmente nos dois últimos anos, 2020 e 2021, isso praticamente foi a zero, agora está começando a voltar bem devagar.

Então, a partir do ano passado nós iniciamos também com o rodoviário. Hoje nós temos uma linha só e esperamos que no futuro em breve consigamos novas linhas, mas por enquanto temos essa linha só fazendo do ABC a Belo Horizonte.

A Santa Maria está pleiteando alguma linha específica atualmente?

Nós temos algumas linhas que foram pleiteadas no passado. Hoje, como a ANTT basicamente bloqueou novas linhas por enquanto, acho que em um determinado tempo não deva estar soltando nada, mas nós fizemos mais alguns pedidos. Se voltarem a liberar pode ser que nós tenhamos chances de conseguir mais algumas linhas.

Qual é a visão da empresa com relação à aprovação da regulamentação dos ônibus interestaduais, o PL 3819, aprovado pelo Senado na última semana?

A nossa expectativa e a esperança é de que todos esses imbróglios que existem hoje na Justiça com relação ao serviço tanto da linha regular como do fretamento, quer ser por aplicativo ou não, sejam definidos, porque essa insegurança toda acaba atrapalhando de maneira geral todo o segmento, independente do setor rodoviário ou do turismo, ou do fretamento porque existe uma brecha muito grande, então são inúmeras ações judiciais que às vezes dão ganho para um determinado lado, outras para o outro, daqui três ou quatro meses muda de novo e isso para a gente é muito ruim porque nos dá muita insegurança, você não consegue fazer um investimento, não consegue fazer alguma coisa realmente a médio e longo prazo, em razão das inseguranças que nós temos.

Isso para a gente é muito ruim porque nos dá muita insegurança. Você não consegue fazer um investimento, alguma coisa realmente a médio / longo prazo. Acho que esse projeto que foi aprovado foi um primeiro passo para que a gente comece a tirar todas essas dúvidas que estão em cima desse mercado. Eu acho que isso é muito importante, é o começo.

Atualmente existe alguma perspectiva de compra de novos veículos pela Santa Maria?

Estamos estudando, mas o mercado está muito difícil, também em razão da pandemia. Há 20 dias a gente estava mais animado, porque estava tudo mais tranquilo. Agora com a nova variante a gente já percebe que isso já influencia de novo na retomada dos serviços.

A gente já estava pensando realmente em aquisições para o começo do ano, mas provavelmente a gente vai retardar isso um pouquinho para janeiro ou fevereiro, para receber por abril ou maio.

No primeiro semestre teremos alguma coisa, mas não temos definido quantidade nem o tipo de veículo, mas provavelmente sim, para complemento de ônibus para colocar na linha.

Como está sendo o desempenho da linha rodoviária que liga Belo Horizonte ao ABC Paulista?

Nós começamos em um período muito difícil. Nós já prevíamos dificuldades, porque é uma empresa nova, em um setor bem tradicional, com empresas tradicionais fazendo uma parte desse serviço dessa linha que nós fazemos. Com certeza nós já pensávamos que teríamos dificuldades, mas começamos no meio de uma pandemia.

Começamos em dezembro de 2020, basicamente fazendo horários diários. A briga pelo passageiro existe, mas o problema é que o passageiro não existe. Agora que está começando a voltar devagarinho, mas ainda não temos uma real situação da linha com relação à quantidade de passageiros, aonde a gente consegue chegar.

Principalmente nos últimos dois, três meses, a gente percebe uma melhora. Vem subindo gradativamente a quantidade de passageiros, mas ainda bem abaixo da necessidade para a linha se manter. Mas creio que, com o passar do tempo, a gente chega lá. A empresa sendo um pouquinho mais conhecida, os passageiros voltando, os carros ajudando, toda a equipe que está em volta desse serviço. Com tudo isso a gente acaba conseguindo trazer os passageiros. Durante os próximos meses a tendência é de que melhore.


Na última semana, o Diário do Transporte realizou uma viagem a convite da Santa Maria. Confira os detalhes da viagem entre a capital mineira e o ABC Paulista a bordo do novo Marcopolo G8:

Como é viajar de ônibus entre o ABC Paulista e Belo Horizonte (MG) com a empresa Santa Maria?

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta