Aumento de tarifa de ônibus em Belo Horizonte irá parar na Justiça, diz Kalil

Não houve acordo em mais uma reunião com empresários de transportes

ADAMO BAZANI

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disse nesta quinta-feira, 17 de dezembro de 2021, que a definição do aumento das tarifas de ônibus da capital mineira pode parar na Justiça.

Foi realizada a quarta reunião com o Setra-BH  (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte) e mais uma vez não houve consenso entre a prefeitura e as companhias de ônibus.

“Não houve acordo. Vamos para a Justiça. O que a Justiça determinar, a prefeitura vai cumprir”, disse de acordo com agências de notícias.

A virada do ano tem sido de aflição para a maior parte dos prefeitos de todo o País, que pedem auxílio do Governo Federal para ajudar a custear os sistemas de transportes com o objetivo de evitar interrupção ou diminuição na prestação de serviços ou aumentos tarifários em percentuais muito altos.

Em diversas cidades, as tarifas estão congeladas há dois anos ou mais e, com o aumento de custos como de óleo diesel, que somente em 2021 subiu 65%, não será possível segurar reajustes tarifários.

Apesar de sinalizações positivas da gestão do presidente Jair Bolsonaro, ainda não há nada de concreto de recursos da União para os transportes municipais e metropolitanos.

Como mostrou o Diário do Transporte, há duas alternativas que ganharam força nos debates recentemente: o Governo Federal custear a gratuidade de idosos com 65 anos ou mais ou a criação de um “VTS – Vale-Transporte Social”, destinado a desempregados e a inscritos em programas sociais (CadUnico) que também seria custeado por recursos federais.

Cada uma destas alternativas deve precisar de ao menos R$ 5 bilhões para ser executada.

Nesta quinta-feira (16) foi protocolado um projeto de lei na Câmara dos Deputados prevendo o Vale-Transporte Social.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/12/16/vale-transporte-social-tem-projeto-apesentado-na-camara-dos-deputados/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta