Itapemirim e São José dos Campos assinam contrato e empresa tem 150 dias para começar a operar todo o sistema

Como adiantou o Diário do Transporte, primeiros articulados de 22 m elétricos iniciam circulação experimental nesta semana

ADAMO BAZANI

A prefeitura de São José dos Campos, no interior paulista, assinou nesta terça-feira, 14 de dezembro de 2021, contrato com a Itapemirim para o lote 02.

A empresa já tinha formalizado o contrato para o lote 01, que inclui os ônibus elétricos comprados prela prefeitura para circularem no sistema de corredores, que ainda está em construção.

Com isso, a companhia administrada por Sidnei Piva tem 150 dias para assumir integramente o sistema, sendo a operadora única dos veículos.

O processo de licitação foi marcado por polêmicas, ações judiciais e até mudança de regras durante o “jogo”. Isso porque, a Itapemirim foi a única a entregar propostas para os dois lotes, mas a prefeitura não admitia a mesma empresa nas duas bacias operacionais.

Inicialmente, a empresa assinou o contrato para o lote 01 e, em uma das tentativas de conceder o lote 02, a prefeitura derrubou a regra que impedia o monopólio da operação dos ônibus, permitindo que a Itapemirim assumisse todo o sistema.

O contrato é por dez anos podendo ser prorrogados pelo mesmo período.

LOTE 01

O lote 1 abrange as regiões norte, oeste e sul; e abrigará o trecho sul do projeto Linha Verde (corredor de ônibus elétricos).

No caso da Linha Verde, os ônibus elétricos da 22 metros feitos pela BYD e Marcopolo, a concessionária do Lote 1 vai assumir os custos de operação, incluindo manutenção do material rodante e energia, quando o trecho Sul da Linha Verde estiver pronto para operação.

Porém, a infraestrutura e a compra destes ônibus, chamados pelo poder público de VLP (Veículos Leves sobre Pneus), são investimentos da prefeitura.

Valor do contrato do lote 01: R$ 993.359.672,00 (novecentos e noventa e três milhões, trezentos e cinquenta e nove mil, seiscentos e setenta e dois reais e zero centavos)

LOTE 02:

O lote 2 abrange as regiões leste e sudeste.

Valor do contrato do lote 2: R$ 861.061.437,00 (oitocentos e sessenta e um milhões, sessenta e um mil, quatrocentos e trinta e sete reais e zero centavos).

A Tarifa Técnica de Remuneração para o Lote 2 proposta deveria ser inferior à Tarifa Técnica de Referência de R$ 4,94. A Itapemirim, única a participar, apresentou como oferta tarifa de remuneração de R$ 4,90.

ELÉTRICOS:

A partir desta semana, como adiantou o Diário do Transporte, parte da frota dos 12 ônibus elétricos de 22 metros produzidos pela BYD para o projeto de corredores de ônibus da cidade, deve começar a operar de forma experimental.

O veículo tem capacidade para 170 pessoas e vai operar experimentalmente mesmo sem a finalização dos corredores.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/12/07/entrevista-onibus-de-22-metros-100-eletrico-da-byd-recebe-aprovacao-da-sptrans-para-a-capital-paulista/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. José Antônio Ruíz disse:

    😷Parabéns Prefeito Felício Hamut o seu governo sempre trabalhando por uma Cidade melhor e Empreededora

  2. Sidnei Oliveira da Silva disse:

    Como seria bom ver um serviço de transporte urbano mais ágil, eficaz, confortável,fazendo seus itinerários com pontualidade nos horários e rapidez no percurso.
    Infelizmente na nossa grande São José a realidade é bem outra, os ônibus disponibilizados para a população em especial da zona leste são verdadeiras carcaças que não conseguem cumprir com seus horários e a cada dia o que se vê é onibus quebrado em wualqier parte da região e quando não quebram mal andam.
    A impressão que temos é que estamos fazendo um tour forçado de ida pro centro da cidade e de volta para os bairros.
    Isso sem contar o excesso de onibus disponibilizados para alguns bairros como Novo Horizonte por exemplo e a falta de ônibus e redução dos horários para outros bsirros da nossa região como SANTA INÊS por exemplo.
    Já cheguei a perder emprego por causa dos decorrentes atrasos e falta de ônibus e não sou o unico à passar por essa situação revoltante ,outras pessoas que estive conversando passaram pela mesma situação.
    Esses onibus laranjinhas são imundos desconfortáveis, lentos e vivem quebrando cada vez msis à cada dia.
    Muito diferente da zona sul que tem um sistema de transpote exemplar com seus ônibus confortáveis e rápidos e constantes.
    Causa indignação ver a diferença entre a região sul e região leste na qualidade do transporte urbano em São José dos Campos.
    Essas carroças laranjas mais lembram os bondinhos nas cidades turísticas, com todo respeito aos históricos e belos bondinhos é claro, mas a velocidade dos ônibus, ops:(carcaças) da região leste de São José sempre são comparadas pelos passageiros e usuários fazendo semelhanças aos antigos e lentos bondinhos.
    É lamentável que ninguém tome nenhuma atitude com relação a esse grande problema pois usar o transporte público na região lesta da nossa cidade tem sido uma missão difícil, estressante e desgastante.
    Como já sabemos que o novo sistema de transpote chamado de linha verde à princípio não vai abranger nossa querida região leste,desejamos boa sorte aos moradores e usuários da linha verde onde ele será abrangida e que esse novo tipo de transporte não seja apenas fruto de propagandas para favorecer alguns da elite da nossa cidade para se auto- promoverem.
    Não basta ter um sistema de transporte aparentemente bonito e confortável se não houver pontualidade nos horários, rapidez no percurso e conforto para aqueles que pagam pra fazer o uso do mesmo.
    Agradeço a atenção pelo desabafo mas não falo por mim apenas mais por muitos outros que sentem a mesma revolta e indignação que eu todos os dias.
    Afinal ruim, ruim mesmo é depender de ônibus na zona leste de São José.

Deixe uma resposta