Diário no Sul

Ônibus 0 Km da Leblon com suspensão a ar entram em operação nos próximos dias entre Curitiba e Fazenda Rio Grande

Veículos Volkswagen-Marcopolo passam por preparativos finais e devem começar a circular nos próximos dias

ADAMO BAZANI

A Leblon Transporte vai colocar em circulação nos próximos dias, três ônibus zero quilômetro em linhas entre a capital Curitiba e a cidade de Fazenda Rio Grande, na região Metropolitana, no Paraná.

Os novos veículos possuem diferenciais de conforto e segurança como suspensão a ar, quem, de acordo com a empresa, proporciona redução das vibrações devido às irregularidades do pavimento.

Além disso, a suspensão pneumática facilita a manutenção, possibilitando maior disponibilidade dos ônibus aos passageiros, ou seja, os veículos ficam menos tempo parados para reparos ou revisões preventivas.

“Certamente a suspensão pneumática proporciona ao passageiro, ao motorista e ao cobrador viagens com mais conforto e tranquilidade. É uma tendência nos transportes urbanos e metropolitanos e a Leblon sempre está seguindo as principais inovações na mobilidade. Essa é uma delas” – disse ao Diário do Transporte, o coordenador de manutenção do Grupo Leblon, Gilson Drohomereschi.

Os ônibus já estão na garagem, passam por preparativos finais e a programação é para que operem nas linhas F01 (Fazenda Rio Grande/Curitiba-Pinheirinho) e F05 (Fazenda Rio Grande/Curitiba-CIC).

A carroceria é alongada para 13,2 metros de comprimento, o que significa maior capacidade de transportes.

O motor também é mais potente que os demais do mesmo padrão usados pela empresa, com cerca de 260 cavalos.

Os ônibus são de carroceria Marcopolo Torino, chassi Volkswagen 17-260 ODS, de motor dianteiro, atendendo a todas as leis em vigor quanto a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida e redução e emissões de poluentes.

O Diário do Transporte noticiou em 13 de julho de 2021 a produção dos três ônibus que se juntam a um veículo do mesmo padrão que era de demonstração da Volkswagen.

Relembre:

Leblon compra ônibus com suspensão a ar e mais potentes para linhas entre Fazenda Rio Grande e Curitiba

Os veículos possuem:

– Motorização Euro V, de redução de poluentes, de acordo com a sétima fase do Proconve (Programa de Controle de Emissões Veiculares);

– Motor eletrônico;

– Elevador para pessoas em cadeira de rodas e outras limitações de locomoção;

– Espaço interno para cadeira de rodas e para cão-guia que acompanha pessoas com deficiência na visão;

– Assentos especiais para pessoas em recuperação cirúrgica, pessoas com deficiência, pessoas com obesidade, gestantes, idosos e outros grupos que necessitem de prioridade;

– Balaústres (pega-mão) em relevo nas proximidades das portas para pessoas com deficiência visual;

– Botões de sinaleira de solicitação de parada com relevo em braile para pessoas com deficiência visual;

– Botões de sinaleira de solicitação de parada especiais no espaço da cadeira de rodas e para o usuário com o cão guia.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Gerson Carvalho disse:

    Boa noite!

    Parabéns à Leblon pela aquisição!

    Em relação ao carro que era de demonstração e continua na garagem, estes novos parecem um pouco maiores e a janela do motorista tem um detalhe preto “a menos”, ou menor, na parte inferior (reparem no carro da reportagem e no outro que chegou em Junho – carro 15299).

    Abraços!

    Gerson Carvalho
    Administrador de Empresas e Bancário.

  2. Allysson de Oliveira do Rosário disse:

    A leblon já tem diversos veículos com suspensão a ar, por exemplo, os veículos que operam na linha Fazenda Rio Grande/Curitiba e alguns que operam no Fazenda/Pinheirinho e Fazenda/Pinheirinho (Direto).
    Aproveitarei aqui para deixar um desabafo da população em geral da FRG, até a algum tempo quando ainda estavamos em um momento crítico da pandemia, número de passageiros era reduzido, por conta das aulas remotas, trabalho em home office a linha Fazenda/Pinheirinho (Parador) contava com diversos ônibus articulados. Agora, quando aumentou número de passageiros por conta da diminuição de casos de covid e as coisas estão voltando ao normal, aos poucos, começaram a operar nessa linha, maior parte, veículo padron ou comum. Qual explicação da empresa para essa situação?

  3. Marcio Luiz disse:

    Trabalhei na empresa redentor minha reclamação e sobre a empresa leblon VCS tinha que treinar melhor esses motoristas até liguei pra empresa mais o rapaz do treinamento não me deu muita atenção a respeito de usar a ceta quando for Pará mais a maioria dos motoristas da leblon não usam que tipo de treinamento podre a empresa dá o pisca pisca foi feito prá usar fais ums 3 mês que falei com o cara aí dela prá k não mudou nada esses dias atrás quase bati na traseira do ônibus no santa Terezinha porque não usam o pisca pisca k d o dono da empresa que não.ve isso só que faturar.996624242

Deixe uma resposta