Rio de Janeiro começa a aplicar sistema automático de multas nos ônibus municipais a partir desta segunda (04) em 50 linhas

Sistema monitora GPS dos coletivos

ADAMO BAZANI

A partir desta segunda-feira, 04 de outubro de 2021, a prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da SMTR (Secretaria Municipal de Transportes), começa a implantar de forma gradativa um novo sistema de aplicação automática de multas em ônibus.  Haverá aumento de frota em 50 linhas (Veja a relação abaixo)

A ferramenta para este tipo de autuação foi desenvolvida pela SMTR e monitora os dados de GPS dos coletivos.

Segundo a pasta, painéis, conhecidos como dashboards, informam com precisão a localização dos ônibus e identificam se as empresas estão operando de acordo com a frota determinada para cada linha no dia a dia.
Vão ser duas semanas de operação assistida para os técnicos da SMTR  verificarem como o sistema se comporta na prática. Como é uma fase de adaptação, não serão enviadas multas automáticas para os consórcios nesse período.
Após possíveis ajustes, é que vão ser aplicadas as multas, de acordo com a secretaria, por meio de nota.

“Com o sistema testado, começarão, em seguida, as etapas gradativas de implantação das multas automáticas, sendo cada uma com duas semanas de duração. Na primeira etapa, prevista para começar no dia 18/10, 50 linhas serão monitoradas e os consórcios serão autuados de forma automática por eventuais irregularidades na operação. Na segunda etapa, prevista para iniciar no dia 1º de novembro, o sistema passará a fiscalizar mais 47 linhas. As 97 linhas atendem, juntas,  40% da demanda de passageiros da cidade. Na terceira e última etapa, a partir de 15 de novembro, serão fiscalizadas automaticamente todas as linhas regulares do sistema de ônibus (SPPO)”

A prefeitura diz que o consórcio Intersul deverá rodar com 1.310 ônibus, o Internorte com 2.062, o Transcarioca com 1.520 e o Santa Cruz com 1.585, totalizando 6.477 veículos, 14,41% menor que a frota total que é de 7.568 coletivos em todo sistema.

Como mostrou o Diário do Transporte, em audiência pública da Comissão de Transportes e Trânsito, na Câmara Municipal, a secretária Municipal de Transportes do Rio de Janeiro, Maina Celidônio, disse que das 493 linhas regulares, somente 21,7%, ou 107, operaram como deveria ser em relação a frota e cumprimento de partidas e itinerários. Já 35,2%, o que significa 174 linhas, estão inoperantes, mas a paralisação não foi autorizada pela prefeitura. Outras 212 linhas, que somam 43,10%, estão operando com frota e frequência abaixo do determinado.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/09/17/somente-21-das-linhas-de-onibus-no-rio-de-janeiro-rodam-como-deveria-ser-e-35-estao-inoperantes/

Cronograma de alterações

– 04 a 17 de outubro de 2021: Reforço de frota em 50 linhas. Apenas haverá notificações às empresas em caso de descumprimento;

– 18 de outubro de 2021: Período de aplicação de multas em caso de descumprimento da frota das 50 linhas;

– 1º a 14 de novembro de 2021: Mais 47 linhas passam a ser monitoradas e terão de reforçar o atendimento;

– De 15 de novembro de 2021 em diante: Todas as linhas passam pelo novo monitoramento e haverá aplicação de multas em caso de descumprimento

Linhas da primeira etapa do plano:

50 primeiras linhas:


864 – Bangu – Campo Grande

371 – Praça Seca – Praça Tiradentes

565 – Tanque – Gávea

309 – Alvorada – Central

606 – Engenho de Dentro – Rodoviária

624 – Mariópolis – Praça da Bandeira

878 – Tanque – Barra da Tijuca

639 – Jardim América – Saens Peña

232 – Lins – Castelo

790 – Campo Grande – Cascadura

774 – Madureira – Jardim América

629 – Irajá – Saens Peña

838 – Jardim Maravilha – Campo Grande

483 – Penha – General Osório

298 – Acari – Castelo

315 – Central –  Recreio dos Bandeirantes

343 – Jardim Oceânico – Candelária

557 – Rio das Pedras – Copacabana

363 – Vila Valqueire – Candelária

249 – Água Santa – Carioca

550 – Cidade de Deus – Gávea

328 – Bananal – Candelária

918 – Bangu – Irajá

721 – Vila Cruzeiro – Cascadura

312 – Olaria – Candelária

324 – Ribeira – Candelária

900 – Merck – Downtown

108 – Jardim de Alah – Rodoviária

497 – Penha – Cosme Velho

220 – Usina – Candelária

779 – Pavuna – Madureira

954 – Taquara – Recreio

399 – Pavuna – Passeio

463 – São Cristóvão – Copacabana

805 – Alvorada – Jardim Oceânico

292 – Engenho da Rainha – Castelo

712 – Cascadura – Irajá

390 – Curicica – Candelária

756 – Santa Cruz – Coelho Neto

905 – Bonsucesso – Irajá

548 – Alvorada – Metrô Botafogo

794 – Cascadura – Bangu

621 – Penha – Saens Peña

394 – Vila Kennedy – Tiradentes

793 – Pavuna – Sulacap

770 – Campo Grande – Coelho Neto

812 – Carobinha – Bangu

840 – São Fernando – Campo Grande

412 – Saens Peña – Gávea

897 – Paciência – Pingo d’Água

 Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Roberto disse:

    Bom dia, sou Motorista de ônibus ; minha opinião em relação a Bilhetagem eletrônica sou favorável ; já o controle dos saldos da Bilhetagem ficar a cargo da Prefeitura não concordo porque tenho quase certeza que os Gestores da Prefeitura não vão repassar as verbas totalmente adequada para que as empresas de ônibus possam pagar todas as despesas da frota de seus funcionários etc…

Deixe uma resposta