Capital paulista digitaliza processo para regularizar motofrete

Funcionalidade online já está disponível. Foto: Adamo Bazani.

Legalização pode ser feita por meio do Portal SP156

JESSICA MARQUES

A Prefeitura de São Paulo digitalizou o processo para regularizar o serviço de motofrete na cidade. A partir de agora, a legalização pode ser feita por meio do Portal SP156.

Ao todo, são 12 procedimentos que podem ser feitos de maneira digital. “Pela internet, após cadastro no sistema, bastam três cliques para que o próprio condutor ou gestor de empresas este no menu de motofrete e consiga, por exemplo, trocar a moto cadastrada para usar a licença ou ainda nomear um preposto para conduzir legalmente a motocicleta”, detalhou a Prefeitura, em nota.

Segundo a administração municipal, o processo de digitalização de serviços públicos foi acelerado durante a pandemia de covid-19.

No caso específico dos motofretes, houve redução de 80% nos deslocamentos e de 50% na conclusão dos processos, gerando economia para o cidadão.

Atualmente existem 6.336 motofretistas cadastrados em São Paulo (julho/2021).

“A digitalização de processos encurta caminhos, valoriza o tempo, dá mais conforto e segurança ao usuário final. Torna o serviço mais eficiente e o cidadão se sente mais respeitado com isso. Já são mais de 500 serviços públicos digitalizados e disponíveis pelos canais SP156. São Paulo é uma cidade cada vez mais inteligente porque o poder público compreendeu que a tecnologia que importa é aquela que ajuda a facilitar a vida das pessoas”, afirmou o secretário municipal de Inovação e Tecnologia, Juan Quirós, em nota.

Os processos de digitalização conduzidos pela Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia ocorrem em toda a Prefeitura, de maneira transversal. Serviços de pastas como Saúde, Educação, Assistência Social, Transportes, Finanças, Subprefeituras, Licenciamento e Urbanismo, Direitos Humanos e Procuradoria Geral do Município, entre outros, foram digitalizados no último ano.

“Dois exemplos simbólicos da importância e da eficiência da digitalização dos serviços públicos estão na transformação digital do Cartão de Estacionamento para idosos e pessoas com deficiência. Além de acabar com as filas e evitar deslocamentos, os prazos para emissão dos documentos foram reduzidos de 131 para dois dias, no caso do Cartão Defis, e de 62 para cinco dias, no caso do Cartão do Idoso.  Antes da digitalização, havia uma fila de 3.400 casos aguardando análise e validação. Hoje, são apenas 71 solicitações”, ressaltou a administração municipal.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. NADA DE CARREGAR PESSOAS,,NAS RUAS, JPA TEMOS ACIDENTES DEMAIS E MORTES…

Deixe uma resposta