Sindicato diz que CPTM ainda não cumpriu ‘negociação trabalhista’ feita em TV para acabar com greve nas linhas 11, 12 e 13

"Sessão de conciliação" ocorreu ao vivo

“Cláusulas” foram intermediadas por apresentador, que fez sugestões de tópicos, com participação de sindicalista e secretário dos transportes; ‘Estado de greve’ foi mantido

ADAMO BAZANI

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil distribuiu um comunicado afirmando que a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) não cumpriu uma espécie de negociação trabalhista realizada ao vivo em um programa vespertino de TV na última terça-feira, 24 de agosto de 2021, para acabar com a greve que atingiu as linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade, que ocorreu no mesmo dia.

De acordo com a entidade, está mantido o “estado de greve”

Por causa dessa greve, ônibus ficaram lotados, pessoas perderam compromissos de trabalho e de saúde e a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) suspendeu o rodízio municipal de veículos.

Apesar de desde março a categoria estar discutindo com a estatal a forma de pagamento de reajuste salarial, inclusive no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), foi no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, que aparentemente se definiria.

O apresentador José Luiz Datena “mediou” a espécie de sessão de conciliação ao vivo e até sugeriu algumas “cláusulas” que foram aceitas pelo secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, e o secretário-geral do sindicato, Alexandre Mucio.

Em alguns momentos, Baldy parecia estar constrangido.

A CPTM havia proposto pagar o reajuste em dez parcelas.

“Cinco parcelas, tá bom”? – disse o apresentador ao secretário da gestão do governador João Doria depois de proposta do sindicalista.

A proposta oficial da CPTM era que as 10 parcelas fossem pagas a partir de janeiro.

Depois o sindicalista pediu para antecipar a data.

O apresentador sugeriu: “Outubro?”

Ambas as partes aceitaram.

O diálogo estava ao vivo.

Depois foi acordada a reversão da demissão dos 10 funcionários por causa da greve, além de ter sido marcada uma reunião presencial entre o secretário Baldy e os sindicalistas que deveria ocorrer nesta quarta-feira (25).

Mas em comunicado, o sindicato disse que na quarta-feira (25) não houve a reunião, que um ofício enviado pelo presidente da CPTM, Pedro Moro, tinha cláusulas diferentes da TV, e que os funcionários grevistas receberam o comunicado de desligamento.

A reunião foi sugerida pela secretaria para ocorrer somente em 01º de setembro de 2021

Apesar de ter sido transmitida ao vivo na TV, não houve formalização do acordo e nem homologação perante à Justiça Trabalhista.

Pela greve, 560 mil passageiros foram prejudicados.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta