Eletromobilidade

Secretário Geral da ONU afirma: novo relatório do Clima é um alerta para a humanidade, que deve interromper o uso e exploração de energias fósseis

Usar energias renováveis em lugar das fósseis no transporte é uma das mudanças importantes. Foto: Rômulo Santos Ônibus Brasil

António Guterres afirmou que países devem transferir os recursos gastos com esses combustíveis para a energia renovável

ALEXANDRE PELEGI

Nesta segunda-feira a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um novo relatório do Clima prevendo que a temperatura global da superfície terrestre continuará aumentando até pelo menos meados deste século, considerando todos os cenários de emissões.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), autor do estudo (o sexto desde 1990), é formado por milhares dos mais reputados cientistas da atualidade.

Ao divulgar o relatório “Mudança Climática 2021: A Base das Ciências Físicas” o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que o trabalho emite um alerta de perigo extremo para a humanidade, particularmente sobre as energias fósseis que destroem o planeta.

O relatório afirma que é inequívoco que a influência humana aqueceu a atmosfera, o oceano e a terra. “Mudanças rápidas e generalizadas na atmosfera, oceano, criosfera e biosfera têm ocorrido com frequência nos últimos tempos”, aponta o estudo.

Até o fim do Século 21 poderá ocorrer um aquecimento global acima de 1,5°C e 2°C, a menos que haja reduções profundas nas emissões de CO2 e outros gases de efeito estufa nas próximas décadas.

O relatório estabelece uma avaliação científica dos últimos sete anos e de acordo com Guterres “deve significar o fim do uso do carvão e dos combustíveis fósseis, antes que destruam o planeta“.

Os países também devem acabar com novas explorações e produção de combustíveis fósseis, transferindo os recursos desses combustíveis para a energia renovável”, acrescentou o secretário-geral da ONU.

Para o caso brasileiro, particularmente na área de transporte público, é urgente acelerar as medidas de substituição de frotas poluentes, como é o caso dos ônibus movidos a diesel.

Guterres alerta em seu comunicado que é possível evitar a catástrofe climática. “Mas, como o relatório de hoje indica claramente não há tempo e não há lugar para desculpas”, apelou.

ALERTA

Resultado de dois anos de trabalho de 103 peritos de 52 países, que participaram voluntariamente do estudo, o relatório divulgado pelo IPCC aponta ainda que a redução do desmatamento e da degradação tem o potencial de mitigar até 5,8 bilhões de toneladas de CO2 por ano no mundo.

Alterações causadas pelas emissões de gases de efeito estufa no passado e no futuro serão irreversíveis daqui a séculos ou milênios, alerta o relatório do IPCC. As mudanças mais destacadas serão em oceanos, geleiras e no nível global no mar.

O relatório é publicado quando governos se preparam para apresentar planos de redução de emissões na Cúpula do Clima, COP-26, agendada para novembro em Glasgow, na Escócia.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    De que adianta,portuga?O mundo já acabou faz tempo,com a chegada da pandemia.No caso do país do crime,com o Bozolouco no poder,phyodhew de vez.

Deixe uma resposta