Diário no Sul

Gaeco denuncia ex-diretores da Urbs Curitiba por dispensa indevida de licitação

Foto: Luiz Costa/SMCS

Ao lado de empresários eles teriam causado rombo de R$ 6,4 milhões em contrato de bilhetagem eletrônica

ALEXANDRE PELEGI

O núcleo de Curitiba do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), vinculado ao Ministério Público do Paraná, ofereceu denúncia contra um ex-presidente e um ex-diretor da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs). A denúncia alcança ainda empresários e um ex-presidente de uma organização social. Juntos eles são acusados de crime de dispensa indevida de licitação.

A denúncia do Gaeco remete à contratação de empresa cuja função seria desenvolver, implantar e manter o sistema eletrônico de bilhetagem do transporte público da capital paranaense. Os denunciados escolheram a empresa sem realizar o devido procedimento licitatório.

A contratação foi feita pela Urbs utilizando-se de um contrato de gestão que já mantinha com uma organização social, utilizada para burlar a licitação.

A entidade foi contratada para desenvolver, implantar e manter sistema eletrônico de bilhetagem de Curitiba pelo valor de R$ 33,2 milhões (R$ 32.327.280,00). No entanto, sabia-se que o serviço seria realizado por uma outra empresa, escolhida diretamente pelos denunciados, por R$ 3,3 milhões a menos (R$ 29.020.028,32). Essa diferença, hoje atualizada, chega a cerca de R$ 6,4 milhões, valor do prejuízo causado ao erário.

A denúncia foi recebida e aceita pelo juízo da 4ª Vara Criminal de Curitiba nesta segunda-feira, 26 de julho.

O MPPR solicitou a imposição ao proprietário da empresa da medida cautelar de proibição de contratar ou subcontratar com o poder público, pessoalmente ou por meio de qualquer empresa.

Os denunciados são Marcos Valente Isfer, ex-presidente da Urbs; Fernando Eugenio Ghignone, ex-diretor municipal de transportes; e o proprietário da Dataprom, Alberto Mauad Abujamra.

Em nota encaminhada ao Diário do Transporte, a Dataprom se manifestou sobre a matéria:

“A Dataprom ainda não foi notificada da decisão. Mas rechaça veementemente qualquer ilação de irregularidades envolvendo seu nome ou de seus sócios e se manifestará em momento oportuno, nos autos do processo”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Pais do crime é assim.Só funciona à base do crime,do mal,da corrupção,da mentira e da hipocrisia.Solução:só extinção mesmo.

  2. carlos souza disse:

    Falência ética e moral generalizada do Universo.Causa da pandemia apocalíptica da COVID-19 e outros problemas mais.Apocalípse ético e moral generalizado do Universo,já consumado de vez e sem volta.Em outras palavras:morte cerebral do mundo.

Deixe uma resposta