Eletromobilidade

Número de passageiros da CCR Mobilidade regista alta na semana, mas no acumulado do ano ainda tem queda de 15,9%

Número de passageiros ainda é inferior a de 2019

Na comparação com números de antes da pandemia, resultados ainda permanecem negativos

ADAMO BAZANI

O número de passageiros transportados pelos empreendimentos de mobilidade urbana de operação da CCR subiu 65,3% na semana entre 18 e 24 de junho de 2021 na comparação com o mesmo período de 2020, o que indica tendência de recuperação da crise gerada pela pandemia de covid-19.

Porém, é apenas uma tendência porque a recuperação ainda não se consolidou.

Na comparação entre o período de 01º de janeiro de 2021 a 24 de junho de 2021 com o mesmo intervalo de tempo de 2020, a queda do número de passageiros está acumulada em 15,9%.

Os dados fazem parte do balanço divulgado pela companhia em comunicado ao mercado ao qual o Diário do Transporte teve acesso.

Em relação à concessão aeroportuária, a CCR registou alta de 589,6% na semana entre 18 e 24 de junho de 2021 na comparação com o mesmo período de 2020. O alto percentual se deve ao fato de que em diferentes meses de 2020, a movimentação dos aeroportos no Brasil foi quase zero.

No acumulado entre 01º de janeiro e 24 de junho de 2021 na comparação com 2020, a queda é de 13,7%.

Já na comparação destes períodos de 2021 com 2019, ano anterior à pandemia, os números são negativos.

No intervalo entre 18 e 24 de junho de 2019 e entre 18 e 24 de junho de 2021, a queda no número da mobilidade urbana foi de 35,5% e na concessão de aeroporto, a queda foi de 46,4%.

Já no acumulado entre 01º de janeiro e 24 de junho de 2021 na comparação com 2019, a queda do número de passageiros nas concessões de mobilidade foi de 48,6% e em aeroporto, a baixa foi de 56,1%.

Já as concessões de rodovias operam no azul tanto nas comparações semanais como de acumulados.

Na área de mobilidade, a CCR controla (de forma única ou associada) a ViaQuatro – Linha 4 do metrô de São Paulo, ViaMobilidade – Linha 5 Lilás de Metrô de São Paulo.

O monotrilho da linha 15-Prata de São Paulo ainda não foi assumido pelo grupo por determinação judicial e o monotrilho da linha 17 ainda não está pronto, apesar das obras desde 2010/11.  Nestes empreendimentos em São Paulo, é sócio minoritário da CCR o Grupo RuasInvest, liderado pela família Ruas que controla parte da frota dos ônibus municipais da capital paulista e possui empreendimentos como a Otima (mobiliário urbano), Banco Luso Brasileiro, as empresas de ônibus rodoviários Ultra e Rápido Brasil, que ligam a capital ao litoral paulista, e as fabricantes de carrocerias de ônibus Caio (urbanos) e Busscar (rodoviários).

A CCR ainda lidera o Consórcio Via Mobilidade 8 e 9, que em 20 de abril de 2021, arrematou a concessão por 30 anos, com um lance de R$ 980 milhões, das linhas 8 e 9 da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). O sócio neste empreendimento é também a RuasInvest.

As propostas foram:

Consórcio ViaMobilidade 8 e 9 – Formado pela CCR (líder) e Ruas Invest (ônibus da capital paulista): R$ 980 milhões

Consórcio MobTrens: Grupo Comporte (família Constantino, ônibus) – líder, Consbem Construções e CAF: R$ 787,7 milhões

Consórcio Integração Iberica Holdding S.A (líder) e Metra (dos Trólebus e Ônibus do ABC): R$ 519,5 milhões

Consórcio Itapemirim/Encalso: Grupo Itapemirim (ônibus é o principal negócio) – líder  Encalso Construções: R$ 400 milhões

A CCR também participa no Estado do Rio de Janeiro de Barcas S.A. do Rio – Transportes Marítimos e o VLT Carioca.

Já na Bahia, a CCR é a concessionária responsável pela construção e operação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro Freitas.

No setor aeroportuário a CCR pela BH Airport, possui 38,25% da concessão do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta