SPTrans abre licitação para compra de 3,1 milhões de “cartões sem contato” para o sistema Bilhete Único

Em Jundiaí (SP) sistema já aceita pagamento apenas aproximando cartão de crédito há alguns anos.

Pregão Eletrônico pelo modo de disputa aberto, do tipo menor preço será realizado no dia 07 de julho de 2021

ALEXANDRE PELEGI

A São Paulo Transportes – SPTrans, lançou uma licitação para adquirir 3,1 milhões de Cartões com circuito integrado sem contato (Contactless Smart Card) para serem utilizados no sistema Bilhete Único.

O aviso da licitação, que será feita na modalidade Pregão Eletrônico, em disputa aberta, do tipo menor preço, saiu publicado no Diário Oficial desta quinta-feira, 24 de junho de 2021.

Os Cartões deverão ter memória de 4K, e não possuir exploração econômica de espaços publicitários no verso.

O limite para recebimento das propostas é 07 de julho de 2021 às 10h. A íntegra do Edital pode ser obtida no site http://www.sptrans.com.br dentro do link ‘Licitações’.

Nas especificações técnicas, a SPTrans define uma série de características básicas, como segurança no acesso à memória por autenticação mútua entre o cartão e a leitora e algoritmos de criptografia, além de questões físicas de durabilidade – não apresentar empenamento e/ou eletricidade estática e/ou espessura fora da especificação.

Por ser um cartão “contactless”, obviamente a transmissão dos dados entre o cartão e a leitora realiza-se sem contato físico, sendo que a distância de operação do cartão em relação à antena da leitora deve ser de no mínimo 2 cm e no máximo 10 cm.

Fisicamente, os novos Bilhetes Únicos deverão ser cartões de plástico (PVC) com 85,6 cm de espessura que pode variar de 0,79 mm a 0,86 mm, recarregáveis, contendo em seu interior um circuito integrado, memória não volátil (EEPROM) de, no mínimo, 4KBytes, dividida em setores independentes, e antena para radiofrequência.


MAIS SEGURANÇA

Vale lembrar que a tecnologia adotada pelo Bilhete Único foi alvo de ataques, o que sempre colocou o sistema sobre dúvidas. As críticas é que permitiriam a ação de fraudadores. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/11/23/deic-prende-tres-por-fraude-de-bilhete-unico-de-sao-paulo/

Por outro lado, o uso restrito do Bilhete Único diminuiu o uso do dinheiro a bordo do transporte coletivo, o que melhorou a praticidade e a segurança do passageiro.

Até agora, o pagamento contactless (sem contato) vinha sendo alardeado como um meio de pagamento agregado a equipamentos como celulares e cartões bancários.

Agora, o próprio Bilhete Único tornando-se um “cartão inteligente” isso traz, no mínimo, mais segurança para o sistema.

Em Londres, onde o sistema de pagamento sem contato foi implantado há quase sete anos (setembro de 2014), via cartão de crédito/débito, com o passar do tempo muitas pessoas começaram a se queixar de descontrole em suas finanças. A ação de passar diariamente pelos validadores e debitar automaticamente da conta bancária o valor da passagem, fez muita gente desistir desse meio de pagamento ao verificar o extrato depois de alguns dias… Muitas preferiram voltar ao bom e velho Oyster, o Bilhete Único londrino.

De qualquer forma, o Bilhete Único ganha mais segurança com o sistema contactless, e passa a concorrer com os outros meios de pagamento mais “modernos”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. diariodotransporte disse:

    Mas precisa comprar mais

  2. Marcos Borges disse:

    UE mas o bilhete único vai ser trocado de novo ou esse é só mais uma modalidade pra se juntar ao que já está?

    1. diariodotransporte disse:

      São para novos cartões

  3. Marcos Borges disse:

    Se vocês amigos do DIARIO DO TRANSPORTE me responderem fico agradecido.

Deixe uma resposta para Marcos Borges Cancelar resposta