Greve de ônibus em Franca (SP) chega ao terceiro dia nesta segunda (21)

Ônibus municipal de Franca

Trabalhadores reclamam de atrasos no pagamento pela empresa São José

ADAMO BAZANI

Chegou ao terceiro dia nesta segunda-feira, 21 de junho de 2021, a greve de ônibus em Franca, no interior de São Paulo.

A paralisação começou no sábado (19).

Os funcionários da empresa São José, que nas linhas municipais, dizem que a companhia está em atraso no pagamento de salários e benefícios desde do dia 05 de junho, de acordo com o sindicato da categoria.

Em torno de 20 mil passageiros são prejudicados.

Por meio de nota ao Diário do Transporte, a empresa São José diz que entrou na Justiça para garantir uma frota mínima em operação e que teve as finanças prejudicadas pelos efeitos econômicos da pandemia de covd-19.

A São José, concessionária que opera o transporte coletivo urbano em Franca, entrou neste domingo (20) com uma ação judicial para conseguir atender a população usuária. A transportadora pede à Justiça a garantia de uma frota mínima para conseguir prestar o serviço essencial à população.

A concessionária, que teve a sua saúde financeira ainda mais abalada desde o início da pandemia, ficou sem receita alguma durante o período de lockdown. Durante duas semanas, por força de decreto municipal, como nenhum passageiro foi transportado, a concessionária não conseguiu efetuar o pagamento dos seus compromissos com os seus funcionários e fornecedores.

A São José esclarece que, em momento algum, teve a intenção de trazer qualquer tipo de desconforto aos seus funcionários e à população. Desde o início do ano passado houve queda acentuada no transporte de passageiros, além dos constantes reajustes nos preços do diesel, pneus, mão de obra, peças e acessórios,  lubrificantes, veículos e demais componentes da ‘cesta de transporte’.

Esses fatores combinados (queda na demanda e reajustes elevados nos insumos, aliado à falta de revisão no custo do passageiro transportado) impactaram diretamente o caixa da concessionária. Todas as informações são de conhecimento da Prefeitura de Franca e da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Franca (Emdef), órgão responsável pelo transporte e trânsito no município.

A São José entende que, caso a paralisação realizada pelo Sindicato dos Rodoviários for mantida por tempo indeterminado, além do prejuízo à comunidade francana, ela continuará sem receita e, dessa forma, será ainda mais difícil efetuar o pagamento dos funcionários, fornecedores e as demais despesas fixas e variáveis já contratadas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta