Metrô de SP escolhe para supervisionar Linha 17-Ouro consórcio que apresentou segunda melhor proposta em concorrência

Foto: Twitter Metrô de SP

Intertechne Consultores ofereceu preço R$ 1 milhão mais caro que Consórcio Ebei Systra, que acabou inabilitado na análise dos documentos de capacitação técnica

ALEXANDRE PELEGI

Em ata publicada neste sábado, 05 de junho de 2021, a Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô divulgou o resultado das propostas e documentos de habilitação apresentados pelos consórcios e empresas licitantes para supervisão, auditoria, fiscalização, inspeção, acompanhamento e controle na implantação de sistemas elétricos, eletrônicos, mecânicos e material rodante da Linha 17 – Ouro de monotrilho.

Os serviços incluem ainda o Pátio Água Espraiada e Estações do Trecho 1, bem como a Subestação Primária Bandeirantes do monotrilho.

Apesar de ter apresentado a melhor proposta (R$ 19,9 milhões), o Consórcio Ebei Systra Sist L17, formado pela Empresa Brasileira de Engenharia de Infraestrutura Ltda e pela Systra Engenharia e Consultoria Ltda acabou preterido ao ser inabilitado.

A empresa Intertechne Consultores, com a segunda melhor proposta (R$ 20,9 milhões), cerca de R$ 1 milhão a mais que a do Consórcio Ebei Systra, foi declarada vencedora.

Como mostrou o Diário do Transporte, a concorrência foi realizada no dia 15 de dezembro de 2020, após decisão do Tribunal de Contas do Estado de SP, que julgou improcedente a representação do Sinaenco, sindicato nacional que representa empresas de engenharia consultiva e arquitetura. Relembre:

Após decisão favorável do TCE, Metrô marca licitação para supervisão da Linha 17 Ouro para 15 de dezembro

A licitação estava suspensa pelo Tribunal desde outubro de 2020.

No processo de análise da documentação, a Comissão licitante decidiu e ratificou posteriormente o não atendimento dos documentos de capacitação técnica apresentados pelo Consórcio Ebei-Systra Sist L17, o que ocasionou a inabilitação do proponente.

Com a decisão, a Intertechne, segundo colocada e que já tivera sua documentação aprovada, foi então escolhida como a vencedora do contrato.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta