Terminal São Mateus da EMTU deve ser reformado em 12 meses e ligação com monotrilho será por passarela

Antes da interligação, será feita uma modernização no espaço dos passageiros de ônibus que tem mais de 30 anos

ADAMO BAZANI

Colaborou Willian Moreira

O terminal de ônibus e trólebus da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), na zona Leste de São Paulo, deve passar por reformas em até 12 messes.

De acordo com secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, a modernização do espaço estava prevista para ocorrer no quarto ano do novo contrato do Corredor ABD, mas a intenção é antecipar as obras para os próximos 12 meses.

O secretário contou ao Diário do Transporte e a portais de mobilidade nesta segunda-feira, 31 de maio de 2021, que na semana passada esteve no local com o presidente da EMTU, Marco Antonio Assalve.

Foi detectada a necessidade do reforço de uma laje para ligar o espaço à estação ao lado.

Após esta modernização e alterações em estruturas do Terminal São Mateus, o próximo passo deve ser a implantação de uma passarela que vai ligar a área dos passageiros dos ônibus ao monotrilho da linha 15-Prata.

Ouça:

“Eu estive no Terminal São Mateus semana passada pessoalmente, aquele que é objeto no quarto ano da reforma do terminal, mas nós queremos que seja antecipada agora para os primeiros doze meses, haja vista a necessidade, a realidade.

Eu estive na semana passada com o próprio Assalve discutindo a perspectiva da construção de uma laje para aproveitamento de um pé direito que existe no terminal, o terminal de 33 anos, um terminal bastante antigo, bem ultrapassado e que poderia sim ter melhores condições para os usuários e sobre tudo naquela interligação, um tubo, uma passarela da Linha 15, ali na estação São Mateus com o terminal é necessário, ali é uma área não paga da estação da linha 15 com uma área paga do terminal de embarque e desembarque de ônibus de São Mateus para que a gente pudesse ter algo mais definitivo.

Eu pedi que eles apresentassem alternativas, não simplesmente uma solução que não atendesse a com qualidade dos usuários, mas que a gente pudesse ter ali então uma visualização de toda uma remodelação, uma atualização do terminal e que conseguisse sim ter um tubo de conexão para a Linha 15-Prata.”

Inaugurado em 1988, o terminal São Mateus, na zona Leste da Capital Paulista, passou por poucas alterações estruturais desde então.

O terminal integra o Corredor ABD de ônibus e trólebus metropolitanos operados pela Metra (ABC Sistemas/Next Mobilidade) e também recebe ônibus e trólebus municipais operados por diferentes empresas e gerenciados pela SPTrans (São Paulo Transporte).

A interligação com o monotrilho da linha 15-Prata deveria existir já na inauguração da estação do sistema de trens de média capacidade, o que não ocorreu.

Além da praticidade, a ligação traria mais segurança aos passageiros do transporte coletivo, uma vez que não são raros casos de assaltos, furtos e até consumo de entorpecentes nas imediações do monotrilho e do corredor de ônibus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Colaborou Willian Moreira

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Alfredo disse:

    Antes de fazer reformas deveriam colocar segurança e arrumar a iluminação, ambas completamente abandonadas pela Metra, senão mudar o nome do terminal para Casa da Sogra, já que quem não quer pagar passagem basta entrar pela pista dos ônibus, ninguém fiscaliza mesmo, e o comercio ambulante também é liberado, apesar de ser proibido por lei

  2. Não entendo como certos engenheiros que fizeram a estação de São Mateus não tiveram senso de fazer no proprio largo, que de nada serve a não ser lixo e restos de comidas e marmitex, muito mais estruturada, cheia de lombadas e matos,,,Ficaria tipo estrela, cada lado teria saídas para Matteo Bei, Ragheb, Sampopemba, e terminal,,,e não fizeram…fica a praça Felisberto, tristeberto…conheço bem , desde 75 é espaço sem vida,,,

  3. Luan Carvalho da Silva disse:

    Antes tarde do que nunca….. Achei que iam esperar acontecer uma tragédia maior para algo ser feito

Deixe uma resposta