Metrô do DF chega a um mês de greve após novo fracasso em audiência de conciliação

Foto: Divulgação Metrô DF

Metroviários mantêm paralisação iniciada em 19 de abril, e acusam Companhia de manter as mesmas propostas

ALEXANDRE PELEGI

A greve dos metroviários do Distrito Federal (DF) completa nessa terça-feira, 19 de maio de 2021, um mês.

Nessa segunda-feira (18) mais uma tentativa de acordo entre a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) e o Sindicato dos Metroviários do DF (SindMetrô) terminou sem acordo.

A reunião foi mediada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 10ª Região.

Após o encontro, o Metrô-DF divulgou nota em que afirma que o SindMetrô rejeitou a proposta da companhia.

A proposta era assinar apenas as cláusulas de consenso do Acordo Coletivo de Trabalho 2021-2023, e manter em discussão a 13ª parcela do auxílio-alimentação e a quebra de caixa. Esses dois itens são os principais impasses.

Na nota, a Companhia diz lamentar a decisão da categoria “e vai aguardar o julgamento da ação de dissídio coletivo pelo TRT. Reitera ainda que a empresa permanece aberta ao diálogo com a categoria e continuará tomando todas as medidas administrativas, operacionais e judiciais cabíveis para atenuar os transtornos da greve à população do Distrito Federal.”

O Sindicato, também em nota, alegou que a empresa manteve a mesma proposta desde o começo das negociações.

A diretora do SindMetrô, Neila Lopez, afirmou que a categoria quer a volta de benefícios que foram retirados do acordo coletivo, como plano de saúde e retroativos pendentes ainda da paralisação de 2019.

Durante a paralisação a determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST) é para que 80% dos trens do Metrô-DF circulem nos horários de pico e 60% nos demais períodos.

Leia a íntegra das duas Notas:


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Francisco disse:

    Honestamente, não acredito que o governo esteja realmente de mãos atadas diante de uma greve dessa classe no período onde atravessamos uma crise de saúde Mundial. Metrô lotado todos os dias, velocidade reduzida, isso é crime contra a saúde pública. Cadê a preocupação com a saúde pública, pessoas estão sendo enlatadas em uma sardinha andando a passos de tartaruga todos os dias… Isso é realmente uma reivindicação valida? Ou estão se aproveitando de uma situação para pressionar o estado para conseguir o que querem sem pensar nos riscos que estão colocando milhares de pessoas. Hipócritas.

Deixe uma resposta