Vereadores do Rio de Janeiro aprovam em 1ª votação projeto que garante recursos públicos para recuperação do BRT

Vereadores do Rio em votação

Proposta de autoria da prefeitura precisa ainda passar por 2ª votação, quando vai receber emendas como a proposta do BRT Seguro

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

A Câmara Municipal da cidade do Rio de Janeiro aprovou em primeira votação nesta quinta-feira, 15 de abril de 2021, o Projeto de Lei (PL) nº 140/21 que permite a prefeitura realizar investimentos com recursos públicos de até R$ 56 milhões no sistema do BRT Rio que se encontra no regime de intervenção do município desde 23 de março. Inicialmente, Paes queria uma permissão de R$ 133 milhões.

De acordo com a PL, esse aporte financeiro que será revertido na melhoria do sistema e deve ser executado até setembro deste ano, quando o primeiro período possível da intervenção termina.

Os parlamentares receberam em 07 de abril, por meio dos secretários municipais de Fazenda, Pedro Paulo, e de Transportes, Maína Celidônio, além da interventora do BRT, Cláudia Secin, um diagnóstico que apontou um risco real de paralisação do serviço em razão da crise financeira.

As condições da frota, com apenas 40% em circulação ,estações fechadas  e falta de peças de reposição agravam ainda mais o quadro.

Até o momento a gestão de Eduardo Paes realizou auditoria dos contratos, vistoria da frota em operação e um plano para recuperar e restaurar estações do transporte BRT que estão fechadas ou interditadas por vários motivos, dentre eles casos de vandalismo e falta de segurança.

Segundo a programação do plano de intervenção, ao prazo de 180 dias será realizado uma nova licitação para o setor, mas o próprio prefeito Eduardo Paes admitiu que neste ano de 2021 não será possível lançar uma concorrência

Em 07 de abril de 2021, Paes apresentou detalhes do plano de recuperação econômica, operacional e de qualidade do sistema de corredores de ônibus, que está degradado, com déficit financeiro e operando apenas com 40% da frota indicada, não por causa da redução da demanda em decorrência da pandemia, mas porque os ônibus estão quebrados.

Entre os principais pontos do anúncio estão:

– A licitação para conceder novamente o BRT à iniciativa privada só deve ser realizada em 2022.

– A prefeitura estuda separar a concessão da operação e da aquisição de frota, além de cogitar a possibilidade de conceder as estações à parte.

– Segundo Eduardo Paes, para restaurar o BRT, serão necessários em torno de R$ 134 milhões.

– Até setembro devem estar operando 241 ônibus articulados: A prefeitura constatou que de 297 articulados em três garagens na cidade, 56 estão inoperantes já canibalizados e, portanto, de difícil e demorada recuperação. Outros 94 veículos estão parados por falta de peças e com o devido investimento terão um prazo de três meses para retornar as ruas. Já 27 articulados precisam de pequenos reparos e com um aporte financeiro menor, podem voltar a atender a população rapidamente, sendo para eles o foco inicial dos trabalhos de manutenção.

– 46 estações fechadas por vandalismo e roubo devem ser reabertas até setembro de 2021, fim do primeiro período de intervenção.

– O projeto do BRT TransBrasil vai voltar a contar com as estações previstas na versão original. Por exemplo, a inclusão novamente de quatro estações entre Deodoro e o Trevo das Margaridas. Não haverá trechos com asfalto, somente com concreto.

– A prefeitura estuda levar o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) até o terreno do Gasômetro, na Zona Portuária da capital. A obra faria com que o VLT fosse integrado ao BRT Transbrasil. Os técnicos da prefeitura acreditam que o prolongamento seria mais fácil do que levar o BRT Transbrasil até à região central.

– BRT Presente: Seria uma espécie de operação delegada com policiais militares e guardas civis de folga fazendo um “bico oficial”

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/04/07/paes-empresas-do-consocio-brt-nao-voltarao-mais-241-onibus-vao-operar-ate-setembro-e-vlt-deve-ser-estendido-ate-o-gasometro/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes e Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Jonas moreira disse:

    Tomem jeito seus vereadores do rio de janeiro que nos elegemos. Brt. é Uma empresa particular onde tem varias empresas de diferentes proprietarios cada um cuide de seus onibus gaste nosso dinheiro com escolas medicamentes e lazer.esses onibus articulados nao é. Novidade. A ctc-rj. Já. Tnha esses onibus que voces do governo acabaram pois atrapalhava o transito

Deixe uma resposta