Prefeitura de Mogi Mirim (SP) usa ônibus escolares para minimizar impactos da greve da Fênix

Ônibus da Expresso Fênix

Apenas 30% da frota da companhia estão em operação. Não haverá cobrança de tarifa dos veículos escolares

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

A prefeitura de Mogi Mirim, no interior paulista, informou nesta segunda-feira, 29 de março de 2021, que coloca em linhas de maior demanda ônibus escolares com o objetivo de reduzir os impactos da greve de funcionários da Expresso Fênix.

Segundo nota da prefeitura, como não há aulas presenciais, os veículos escolares estão subutilizados e serão atendidas as linhas de maior demanda, como as linhas 1, 3, 5 e 7. A linha 9 será suprida pela Linha 3.

Não haverá cobrança de tarifa e trajetos e horários serão mantidos.

Em decorrência da greve dos motoristas da Fênix Viação, o sindicato manterá em operação apenas 30% dos itinerários. Porém, optaram pelas linhas que possuem menor número de passageiros. Contudo, para não prejudicar a população, a Prefeitura irá disponibilizar os ônibus escolares, por não haverem aulas presenciais, para atuarem nas Linhas 1, 3, 5 e 7. A linha 9 será suprida pela Linha 3.  A operação organizada pela Secretaria de Mobilidade Urbana começará nesta segunda-feira (29). O serviço será gratuito e os horários e trajetos mantidos.

Os trabalhadores cruzaram os braços na sexta-feira, 26 de março de 2021, pelo não pagamento do “adiantamento salarial” previsto em convenção da categoria que deveria ter sido realizado na quinta-feira (25).

Linhas intermunicipais como Mogi Mirim-Mogi Guaçu e Mogi Guaçu-Estiva Gerbi também estão sendo afetadas.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2021/03/26/mogi-mirim-sp-tem-greve-de-onibus-nesta-sexta-26/

A empresa de ônibus alega problemas financeiros.

A Câmara Municipal deve votar remotamente um projeto que pode conceder subsídio de R$ 375 mil às operações pelos próximos três meses.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta