Liminar determina retorno imediato do transporte coletivo em Uberlândia (MG)

Pelo menos 60% dos veículos devem ir para as ruas, segundo a decisão. Foto: Anderson Gonçalves da Fonseca/Ônibus Brasil.

Greve de ônibus começou em 10 de março, com trabalhadores reivindicando o pagamento de salários em atraso

WILLIAN MOREIRA

A Prefeitura de Uberlândia, em Minas Gerais, obteve nesta sexta-feira, 26 de março de 2021, uma liminar na Justiça determinando a volta imediata do atendimento pelo transporte coletivo, com as empresas e escalas definidas em contrato com o poder público.

A decisão atende também em partes um pedido do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) contra o Sinttrurb (Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo de Uberlândia) e as empresas que atuam no município, a Autotrans Transportes Urbanos e Rodoviários, a Viação Sorriso de Minas e a Transporte Urbano São Miguel de Uberlândia.

O juiz João Ecry Mota Ferreira deu prazo de 24 horas para que o atendimento pelos ônibus seja restabelecido com pelo menos 60% da frota, mantendo esta quantidade de veículos até o término do movimento grevista, sob pena de multa diária em R$ 10 mil, podendo atingir o limite de R$ 1,5 milhão.

Ainda ficou definido pela Justiça que as três concessionárias não devem realizar novas paralisações ou interrupções no serviço, também podendo ocorrer a aplicação de multas a cada dia.

Na sexta (26) a Prefeitura de Uberlândia publicou nas redes sociais oficiais uma breve nota informando a liminar que conseguiram na justiça e o previsto retorno da circulação dos ônibus.

Veja abaixo a nota na íntegra:

“Nesta sexta-feira (26), a Prefeitura teve atendido o pedido liminar que ingressou contra as empresas de transporte coletivo municipal. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou que as empresas sigam os cronogramas e escalas de viagens determinadas em contrato e pelo retorno imediato do transporte coletivo na cidade.”

SOBRE A GREVE

Os trabalhadores interromperam as atividades em 10 de março reivindicando a volta do pagamento integral. Os funcionários das empresas de transporte estão pedindo também que seja reparado o atraso nas cestas básicas e sejam realizadas melhorias nas condições de trabalho, como uma maior higienização dos ônibus e a disponibilidade de álcool em gel, diminuindo os riscos de contágio pelo coronavírus.

Relembre:

Sem acordo, greve do transporte coletivo em Uberlândia (MG) continua

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta