História

Santo André abre licitação para manutenção e reparo de prédios históricos da vila ferroviária de Paranapiacaba

Vista parcial da vila histórica ferroviária de Paranapiacaba. No alto, Museu do Castelo, a antiga residência do engenheiro chefe inglês que conseguia visualizar toda a vila e o Pátio de manobras e manutenção dos trens

Contratação é por 12 meses e valor não poderá ultrapassar de R$ 1,49 milhão

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Santo André, no ABC Paulista, abriu licitação para contratar uma empresa que será responsável pela manutenção e reparos em prédios tombados pelo patrimônio histórico da Vila de Paranapiacaba.

A entrega das propostas foi marcada para o dia 09 de março de 2021.

Paranapiacaba é uma vila história de Santo André que foi o marco da primeira ferrovia do Estado de São Paulo, que ligava Santos a Jundiaí, inaugurada em 16 de fevereiro de 1867, sendo construída com capital inglês.

A vila foi a sede da companhia inglesa SPR – São Paulo Railway e guarda características da arquitetura da Inglaterra, com direito a uma réplica do relógio londrino Big Ben na estação.

Veja um pouco da história neste link:

HISTÓRIA PARANAPIACABA

Além de ser marcada pela história da ferrovia, Paranapiacaba também retrata páginas das memórias dos ônibus.

Em 1933, para operar às madrugadas criaram a criaram a CGT – Companhia Geral de Transportes e colocaram em circulação ônibus de pavimento de dos níveis (mas não de dois andares) apelidados de King Kong, por seu grande porte. OS veículos faziam a linha São Paulo-Santos.

Veja a história neste link:

HISTÓRIA ÔNIBUS KING-KONG DA SPR

Segundo o edital, o contrato será por 12 meses, podendo ser prorrogado, e as propostas não podem passar do valor-limite estabelecido pela prefeitura de R$ 1,49 milhão (R$ 1.499.372,96).

Ainda de acordo com o edital, a concorrência engloba “serviços contínuos de engenharia civil e elétrica para manutenção e reparos nos prédios restaurados e em todos os imóveis tombados pelo patrimônio histórico da Vila de Paranapiacaba, no município de Santo André”

Entre os prédios tombados estão o da União Vila Serrana, clube de esportes, festas e eventos que os ingleses proporcionavam aos ferroviários, e o Museu do Castelo, também conhecido como Castelinho, que na época da concessão  à SPR , era a mansão do engenheiro chefe inglês, de onde ele poderia ver toda a movimentação da Vila e o pátio de manobras e manutenção da frota de trens, marcada pelas marias-fumaças e pelo Locobroque, usado para transporte de passageiros.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta