CPTM vai leiloar composições da série 2100 (trem espanhol), mais 1700 e peças em geral

Uma das composições da série 2100 em leilão

Expectativa é arrecadar R$ 10 milhões

ADAMO BAZANI

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) anunciou o leilão de composições da série 2100, da fabricante espanhola CAF.

O modelo foi adquirido pela CPTM em 1998, fará parte de oito lotes e atendeu a Linha 10-Turquesa até 2019, quando foi substituído pelos trens das séries 7000 e 7500, mas alguns trens do modelo 2100 ainda circulam pela linha, atendendo o Expresso 10.

Série 1700 também será leiloado

Também serão leiloados mais trens da série 1700. Serão sete lotes com composições do modelo que prestou serviço na Linha 7-Rubi entre 1987 e 2019, era conhecido como um dos mais rápidos da época e tinha o espaço interno como um dos principais diferenciais.

Como mostrou o Diário do Transporte, unidades do modelo foram oferecidas em 2020 em leilão.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/10/29/cptm-fara-leilao-de-composicoes-do-antigo-modelo-1700-e-espera-atrair-colecionadores-e-comerciantes/

O leilão deve ocorrer em 26 de fevereiro de 2021 e a estimativa é de arrecadação de cerca de R$ 10 milhões.

De acordo com comunicado da CPTM à imprensa nesta quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021, também serão leiloados lotes grandes com diversas peças, como dormentes, trilhos e outros tipos de sucata, destinados ao mesmo público-alvo.

O leilão acontecerá por meio do site www.siteleiloes.com.br .

Os interessados em participar, sejam pessoas físicas ou jurídicas, devem estar cadastrados no site do leilão.

Na nota, o gerente da GOL (Gerência de Logística),  Leandro Capergiani Moreira, disse que ano passado, a CPTM arrecadou cerca de R$ 16,7 milhões nos três leilões realizados. Em 2019, foram R$ 5,2 milhões com a venda de sucata.

“O leilão de peças inservíveis permite a Companhia recuperar parte do investimento, gera benefício ambiental e abre espaço para outros materiais do ciclo de substituição” explicou.

Para este ano, a CPTM diz que manterá a prática com 15 lotes com carros ferroviários unitários com lance mínimo de R$ 43.592,00 cada lote.

Além de as composições serem interessantes para colecionadores e associações de preservação da memória ferroviária, podem ser oportunidades de negócios.

Em diversos países, é comum que carros (vagões) se tornem restaurantes, lanchonetes ou lojas de lembranças. No Brasil, apesar de algumas experiências, a prática não é tão habitual.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Deixe alguns na empresa, como exposição, pois fez parte da história da empresa. Para mim sua configuração era diferenciada, confortável sim, espaçoso, rápido e suspensão bem calibrada, como se flutuasse nos trilhos. Vale Mário Covas….

    1. vagligeiro disse:

      Teria que ver se a mesma tem verba para isso. Até a ABPF está sofrendo para manter sua estrutura hoje.

      Interessante seria a ampliação do Museu da Estação Jundiaí (grande).

  2. vagligeiro disse:

    Eu pensava que a CPTM utilizaria os antigos CAF/Renfe como trens para um futuro serviço à Campinas. Por ser um trem originalmente de média/longa distância, bastaria ajustar as configurações internas para coloca-lo no serviço (e claro, fazer a devida “requalificação”).

    Se não fosse a falta de esforço em um todo, seria também um trem para uso em um serviço à Sorocaba.

Deixe uma resposta