Com perdas de 11,5%, setor de transporte terrestre supera queda média de todos os serviços apurados pelo IBGE

Transporte urbano e metropolitano está entre as modalidades com maiores perdas

De acordo com o instituto, queda média dos serviços em geral foi de 7,8%. Transportes coletivos e rodoviários de passageiros puxaram para baixo os índices

ADAMO BAZANI

Os segmentos de transportes aéreos e terrestres de passageiros, contando ônibus urbanos/metropolitanos, ônibus rodoviários, trens e metrôs, foram alguns dos maiores responsáveis pela queda de desempenho do setor de serviços em todo o País.

É o que revela a Pesquisa Mensal de Serviços divulgada nesta quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o levantamento, o acumulado no ano de 2020 entre todos os tipos de serviços apurados caiu 7,8% frente ao mesmo período de 2019, superando, com isso, o ano de 2016 (-5,0%), que registrava até então, a queda mais intensa neste tipo de indicador.

O setor de transportes terrestres teve queda de 11,5%, resultado motivado principalmente pelo segmento de passageiros.

Já o transporte aéreo registrou queda de 36,9%

No caso do transporte terrestre, o IBGE destaca os efeitos da pandemia de covid-19 nos transportes coletivos.

“Os serviços prestados em caráter presencial, sobretudo os voltados às famílias (restaurantes, hotéis, academias, salões de beleza, etc.) e o de transportes de passageiros (aéreo, rodoviário e metroferroviário) encontraram maiores dificuldades em retornar ao patamar de fevereiro de 2020.” – diz a nota do IBGE.

Ainda de acordo com o IBGE, “entre os setores, os serviços prestados às famílias (-35,6%) exerceram a influência negativa mais relevante, pressionados, especialmente, pela queda nas receitas de restaurantes; hotéis; e de catering, bufê e outros serviços de comida preparada; e de atividades de condicionamento físico. Esse setor ainda retoma lentamente suas atividades, em função dos efeitos da pandemia.”

Pesquisa Mensal de Serviços
Indicadores do Volume de Serviços, segundo as atividades de divulgação
Dezembro 2020 – Variação (%)
Atividades de Divulgação Mês/Mês anterior (1) Mensal (2) Acumulado no ano (3) Últimos 12 meses (4)
OUT NOV DEZ OUT NOV DEZ JAN-OUT JAN-NOV JAN-DEZ Até OUT Até NOV Até DEZ
Volume de Serviços – Brasil 1,8 2,4 -0,2 -7,4 -5,0 -3,3 -8,7 -8,3 -7,8 -6,8 -7,4 -7,8
1. Serviços prestados às famílias 4,9 8,5 -3,6 -29,9 -26,1 -25,4 -37,7 -36,6 -35,6 -31,1 -33,4 -35,6
1.1 Serviços de alojamento e alimentação 6,5 9,6 -4,1 -30,4 -25,8 -25,8 -39,1 -37,9 -36,8 -32,2 -34,4 -36,8
1.2 Outros serviços prestados às famílias -3,5 1,5 -0,5 -27,4 -27,7 -22,8 -29,7 -29,5 -29,0 -25,2 -27,5 -29,0
2. Serviços de informação e comunicação 1,4 0,7 0,3 0,0 1,3 1,5 -2,3 -1,9 -1,6 -1,3 -1,5 -1,6
2.1 Serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC) 1,7 0,0 0,2 3,4 3,0 2,9 0,2 0,5 0,7 0,7 0,7 0,7
2.1.1 Telecomunicações -0,2 -0,6 -0,3 -2,7 -3,2 -2,8 -3,6 -3,5 -3,5 -3,2 -3,4 -3,5
2.1.2 Serviços de tecnologia da informação 5,4 0,5 1,9 14,6 14,0 10,7 7,4 8,0 8,3 8,1 8,3 8,3
2.2 Serviços audiovisuais 0,2 5,4 1,0 -21,6 -9,5 -7,4 -19,9 -18,8 -17,7 -15,2 -16,7 -17,7
3. Serviços profissionais, administrativos e complementares 1,1 2,2 0,1 -13,4 -10,4 -7,4 -12,0 -11,8 -11,4 -9,4 -10,5 -11,4
3.1 Serviços técnico-profissionais 1,9 3,2 -1,4 -6,6 -2,4 -1,2 -6,3 -5,9 -5,4 -3,2 -4,6 -5,4
3.2 Serviços administrativos e complementares 0,7 1,3 1,5 -16,0 -13,6 -10,0 -13,9 -13,9 -13,5 -11,6 -12,7 -13,5
4. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio 1,8 1,6 -0,7 -8,1 -4,7 -2,1 -8,5 -8,2 -7,7 -7,3 -7,6 -7,7
4.1 Transporte terrestre 1,4 2,3 -3,0 -10,6 -7,5 -3,6 -12,7 -12,2 -11,5 -11,3 -11,8 -11,5
4.2 Transporte aquaviário 1,1 -1,5 1,2 9,0 4,8 10,5 10,9 10,4 10,4 9,8 9,7 10,4
4.3 Transporte aéreo 0,9 6,8 3,5 -37,7 -31,9 -34,6 -37,6 -37,1 -36,9 -30,4 -33,1 -36,9
4.4 Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio 1,9 1,5 0,4 0,4 5,5 6,4 2,1 2,4 2,8 1,7 2,4 2,8
5. Outros serviços -3,3 0,8 3,0 8,6 7,3 8,6 6,4 6,5 6,7 6,8 6,9 6,7
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria
(1) Base: mês imediatamente anterior – com ajuste sazonal
(2) Base: igual mês do ano anterior
(3) Base: igual período do ano anterior
(4) Base: 12 meses anteriores

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fabio disse:

    Ué, não era pra ficar e casa e deixar a economia pra depois? Olha o resultado aí! Não adianta chorar! Agradeçam aos seus prefeitos e governadores!

Deixe uma resposta