Justiça proíbe novas paralisações no transporte coletivo de Manaus (AM)

Uma multa de R$ 80 mil foi definida em caso de nova greve. Foto: Vinicius Ribeiro/Ônibus Brasil.

TRT atendeu pedido feito por sindicato das empresas do setor

WILLIAN MOREIRA

O Sinetram (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas) conseguiu na Justiça uma liminar que impede a realização de novas greves do transporte coletivo na cidade de Manaus.

A decisão promovida pela desembargadora Márcia Nunes Da Silva Bessa, do TRT-AM (Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região) determina que o STTRM (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Coletivo Urbano Rodoviário de Manaus e Região Metropolitana) não promova novas interrupções, sob pena de multa de R$ 80 mil a cada hora de paralisação.

O Sinetram, em nota para a imprensa, informou que está em constante diálogo com os representantes dos rodoviários para efetuar os pagamentos reivindicados pela categoria.

“Estamos negociando com o Sindicato dos Rodoviários para pagarmos os benefícios adicionais aos trabalhadores e dessa forma garantir que os serviços de transporte coletivo sejam mantidos e que não haja demissões neste difícil momento para a população”, destacou o assessor jurídico do Sinetram, Fernando Borges.

SOBRE A GREVE EM MANAUS

Nessa quinta (04), aproximadamente 75% da frota ao longo do dia deixou de circular e atender a população, com a reivindicação dos rodoviários do pagamento de salários em atraso, o que foi negado pelo Sinetram, na ocasião afirmando estar em dia com as obrigações.

Relembre:

Greve de ônibus em Manaus cresce, com mais veículos sendo recolhidos na tarde desta quinta (04)

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta