História

HISTÓRIA – ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO: Quase meia hora na cidade dos anos de 1980

Monoblocos da CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos) e da Viação Santa Cecília

Compilado de vídeos mostra as realidades e os contrates que conferiam um charme especial à cidade nesta época

ADAMO BAZANI

Uma megalópole agitada, marcada por trânsito, barulho, contrastes sociais, mas com um charme e uma identidade especial.

Assim já era São Paulo da década dos anos 1980. E esta matéria é uma forma de homenagear a cidade que faz aniversário neste 25 de janeiro

Na política, as esperanças da transição do regime militar para a Democracia.

Na economia, o fantasma da inflação assustava.

No urbanismo, o desafio dos frutos do crescimento desordenado que não parava. São Paulo atraía ainda pessoas de todas as partes do País em busca de uma vida melhor, mas já não tinha mais estrutura.

Nos transportes, dezenas de linhas de ônibus eram criadas todos os anos  e o metrô ainda engatinhava sem crescer de maneira suficiente até hoje.

Que tal dar uma “volta de quase meia hora” na cidade nesta época?

É o que proporcionam as filmagens feitas por Jessé Murphy, dos Estúdios ISBL de Londrina, divulgadas por V.Frari, que faz um compilado de cenas entre 1984 e 1987.

O trânsito agitado mostrava a necessidade do ir e vir cada vez mais intensa e, para ajudar a atender este anseio, como sempre estavam os ônibus.

Que São Paulo precisa de mais trilhos, chega a ser até óbvio, mas a cidade deve e muito aos ônibus, que praticamente assumiram sozinhos a atribuição de transportes de massa por muito tempo e ainda são os principais meios de deslocamento coletivo.

E as cenas são de gerar suspiros em qualquer saudosista amante da história dos transportes e da cidade de São Paulo.

Empresas como CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos), Viação Santa Cecília, Viação Gato Preto estrelam nas imagens, assim como modelos de ônibus históricos , como os monoblocos Mercedes-Benz O-362, Caio Gabriela, Trólebus Grassi, Trólebus Ciferal Amazonas (fruto do revolucionário Projeto Sistran  – Sistema Integrado de Transportes de ampliação da rede de ônibus não poluentes) e o também “novinho” nas imagens, monobloco Mercedes-Benz O-364.

As cores dos ônibus também eram mais vivas e variadas, apesar de que nesta época, já havia uma padronização de pintura nas empresas privadas, o chamado “saia e blusa”, pela qual a saia (da metade da carroceria para baixo) indicava a região atendida e a blusa (parte superior) ficava a critério das empresas.

A CMTC, que era a empresa pública da cidade, também aparece com ônibus de pinturas diferentes resultantes de épocas diferentes em que os veículos eram comprados (cada prefeito queria por a sua cor e design), tipo de serviço (por exemplo, os Executivos ou os trólebus da geração Sistran) ou mesmo série de frota ou garagem.

As imagens somam quase meia hora e vale a pena dar esse passeio.

Mas atenção, se for compartilhar, não faça só com o vídeo, mas sim com a matéria toda pelo link do site. Afinal, imagens são legais, com informação, ficam melhores.

Bom passeio:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. ANTONIO CARLOS PEREIRA disse:

    Adamo, parabéns pela matéria! Tenho 51 anos, peguei muitos desses ônibus trabalhando como office boy, numa empresa que ficava na rua dos Timbiras no Centro. Minha área de entregas era a zona sul e após pegar a pasta com trabalho do dia caminhava até o Vale do Anhangabaú na Praça da Bandeira. E voltava no fim dia para pegar o ônibus no parque Don Pedro II para então ir para minha casa na Zona Leste, Jardim IV Centenário. E ir para a escola estudar a noite.
    Lembrança de um tempo difícil mais importante na vida, pelas superações e aprendizado. Obrigado pela viagem no tempo.

    1. Era os velhos Vila Carrão, que vc pegava??? eu andei muito ali na Rio Das Pedroas, Imperador, Centenário…de passagem, para S. Mateus..

  2. 1984(fev) era demitido do Banco Real, na Paulista, o trajeto era da Matteo Bei até a Clóvis, descia no ultimo ponto na Sé e subia a pé via brigadeiro até a Paulista. 1985, só mudei de quarteirão admitido no Banco Francês e Brasileiro, mas um infortúnio levou minha mãe, e perdi o senso de raciocinio, no banco e fui mandado embora, 2 meses depois. Foi a Era que SP tinha quase 90% de onibus monobloco-0362, da Gatusa, Brígida, Gato Preto, Bola Branca, Hamburguesa, Tânia, Campo Belo, CMTC, Paratodos, Santa Cecília, Vila Carrão, Alto do Pari, São José, Monumento, S. Camilo, SBC, Guarulhos em sua maioria eram de Monoblocos,ultra confortáveis, eu amava esse modelo, tinha cadeira cativa na linha 3354, até Santa Bárbara, todo dia as 14:30 na Clóvis, chegando em S. Mateus as 15:50hs. De manhã era festa conhecíamos todos, muita bagunça organizada, sentar no motor, a guerra com pessoal da viação Itaquera, já ali chegando à Mooca-Alpargatas na Radial,,,xingava e era guerra de cuspes de ambos os lados…Entrando 87 era a morte dos monoblocos, e quem administrava era Jânio, que emporcalhou e desmistificou a beleza dos coletivo na pintura, com mania européia. Governo de Orestes, o teimoso. Mas eu ficava fissurado na beleza dos coletivos da época, e exclusivamente no modelo zebrinha do ABC(Viação Esplanada) o primeiro que conheci em 1973, quando José Roberto Bataglia remodelou todos na garagem (em Santo André) deixando de usar os velhos Bela Vista longo-intermunicipal, da CAIO…(estes dias consegui falar com sua neta nas rede sociais. Ele ta vivo), O parque Dom Pedro era novinho, as baias, e era mais disciplinado o transito local, quando desembarcavamos e subia a Ladeira General,,,SP hoje dá dó, não só abandono pelos administradores, assim como quem trabalhou nela, pouco devolveu, como compensação de tudo que ela deu à Nós…Hoje me sint triste por não poder fazer mais por ela,,,deixei legado, e consistentes diria, para a coletividade…PARABENS SP

  3. Maurício H Collaneri disse:

    Matéria excepcional! Para os aficionados em ônibus nunca vi nada tão completo. Os Monoblocos e os caio marcaram mesmo a década 80 mas o vídeo contém muito maís, é um cardápio completo de urbanos. Fora isso as cenas do cotidiano. Tem uma cena que eu cheguei a dar print e ampliar para ter certeza de que não era eu quem estava lendo jornal de graça nas bancas. Bons tempos. Kk. Minha cidade merece essa homenagem Considero que a cidade que eu chamo de minha na verdade é de todos. O Brasil se encontra aqui. Parabéns São Paulo, parabéns diário dos transportes!

  4. Emiliano Affonso disse:

    Adamo parabéns.
    Tenho 67 anos e quando era criança usei bondes (VLT), ônibus, bicicleta…
    Vi os mais de 400 quilômetros de bonde serem sucateados com aplausos e o início da construção do Metrô.
    Em 1984 acompanhei o retorno das obras da Linha Leste- Oeste ( atual Linha 3 Vermelha, cuja ampliação estava parada há anos, e sua extensão até Itaquera e Barra Funda; o início da “Extensão Norte” que levou a Linha 1-Azul de Santana até o Tucuruvi.
    O início da construção da Linha 2 Verde que atendeu a região da Paulista.
    Em paralelo foi iniciada a construção da Rede Metropolitana de Trólebus (RMT) e do Anel Viário Metropolitana (ANV) que integrou os municípios do ABCD a capital através de um sistema de ônibus segregado e integrado ao Metrô.
    De 1984 à 1990 foram os anos aonde houve o maior crescimento da malha Metroferroviaria em São Paulo e onde foram priorizados os investimentos do Estado na mobilidade da RMSP.
    Acho interessante destacar esses fatos.

  5. Silvio De Gusmão disse:

    Poxa que saudades do Mappin, trabalhei na Paulista e Rego Freitas pegava ônibus na praça da bandeira para zona sul tempos difíceis mas lembranças boas. S tragédia do Joelma foi o que me marcou infelizmente.

  6. Ismael Junior disse:

    Praticamente não mudou nada a São Paulo de antigamente para a de hoje. Formigueiro de gente e automóveis indo e vindo pela região central, enquanto as cidades do interior eram roça e estradas de terra lá já era uma “selva de concreto”. Era uma pena eu ainda não ter existido nessa época. Da mesma forma que várias pessoas que aparecem no vídeo certamente não estão mais presentes… Até a banca de jornal em frente ao prédio que hoje é o shopping Light permanece ali. Parabéns São Paulo. Até pra quem não mora nessa cidade, ela com certeza mora no coração de muita gente.

  7. Marcelo Miranda SP CAPITAL disse:

    Adamo porque não abre um canal rapaz você será um sucesso no YouTube

    1. diariodotransporte disse:

      Opa, estamos elaborando

  8. Mario Gomes Barroca filho disse:

    De 80 a 93 eu trabalhei na CMTC na GTA garagem dos troleibus 85 fui para Catumbi de diesel. Epoca boa muitas SAUDADES. ass. BARROCA.

  9. Luiz Augusto Kuhn disse:

    Matéria muito boa, trabalhei no antigo prédio do Itaú do lado do Municipal de 79 a 86, vivenciei bem esse período nas ruas do Centro de São Paulo .

Deixe uma resposta