Metrô de São Paulo aprova laudo que avalia em R$ 583 milhões 26 trens da linha 5 que custaram R$ 609 milhões e que passam a integrar capital social da empresa

Trem da frota P na linha 5-Lilás, operada pela ViaMobilidade

Diferença se dá por causa de depreciação do valor das composições e foi aprovada em assembleia de acionistas. Capital social do Metrô passa para R$ 40,59 bilhões

ADAMO BAZANI

Colaborou Willian Moreira

A Companhia de Metrô de São Paulo aprovou laudo que avaliou em R$ 583,3 milhões (R$ 583.306.293,22) 26 trens da linha 5, além da peças sobressalentes destes veículos, operados pela da Via Mobilidade (concessionária da linha 5-Lilás de Metrô e linha 17 de monotrilho) .

As composições foram compradas e recebidas entre 2014 e 2017 por R$ 609 milhões (R$ 609.425.427,39).

O valor foi aprovado em assembleia de acionistas do Metrô que ocorreu em 09 de dezembro de 2020 e teve a ata publicada oficialmente nesta terça-feira, 19 de janeiro de 2021.

Foi contratada uma empresa de avaliação de mercado, a Apsis Consultoria Empresarial, que elaborou um laudo que chegou aos R$ 583 milhões.

A diferença de R$ 26,1 milhões (R$ 26119134,17) se dá, segundo o laudo, devido a depreciação dos trens,

“Primeiramente cumpre registrar que o “Laudo de Avaliação AP-00846/18-01a” datado de 30 de novembro de 2018, apurou o custo de aquisição  dos  bens,  sem  depreciação,  no  montante  de  R$  609.425.427,39.  No  entanto, considerando recomendação da Consultoria Jurídica da Secretaria dos Transportes Metropolitanos da Procuradoria Geral do Estado, em seu Parecer CJ/STM nº 37/2019, em 22 de maio de 2019, a Apsis complementou o referido laudo contemplando a depreciação dos bens adquiridos nos anos 2014 e 2017 e apurando o valor total de R$ 583.306.293,22 (quinhentos e oitenta e três milhões, trezentos e seis mil, duzentos e noventa e três reais e vinte e dois centavos), – data base de 30 de novembro de 2018” – diz parte da ata.

Os R$ 583 milhões representam agora aumento de capital do Metrô.

“adequação do registro patrimonial  do ativo imobilizado da Companhia, com a transferência dos bens ao seu patrimônio e consequente aumento de capital, relacionados a 26 (vinte e seis) trens  e peças sobressalentes adquiridos pelo Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Transportes Metropolitanos, cuja operacionalização, nos termos do  Contrato de concessão onerosa da prestação do serviço público de transporte  de passageiros da Linha 5 – Lilás e Linha 17 – Ouro, passou para a Concessionária  VIAMOBILIDADE”. – diz outra parte da ata

Com o valor aprovado pelos acionistas, o capital social geral do Metrô passa de R$ 40,01 bilhões (R$ 40.010.914.935,73) para R$ 40,59 bilhões (R$ 40.594.221.228,95).

“R$ 583.306.293,22 (quinhentos e oitenta e três milhões, trezentos e seis mil, duzentos  e  noventa  e  três  reais  e  vinte  e  dois  centavos),  correspondente  a  126.404  (cento  e  vinte  e  seis  mil  e  quatrocentos  e  quatro)  ações,  na  razão  de  R$  4.614.6050 (quatro mil, seiscentos e quatorze reais e seis mil e cinquenta décimos de milésimo de real) por ação emitida, referente aos 26 trens e sobressalentes,  a  ser  integralizado  pelo  Acionista  Majoritário  mediante  o  aporte  em  bens, conforme Laudo de Avaliação elaborado pela APSIS e aprovado no item anterior, passando o capital social atual de R$ 40.010.914.935,73 (quarenta bilhões, dez milhões, novecentos e quatorze mil, novecentos e trinta e cinco reais e setenta e três centavos), dividido em 7.182.690 (sete milhões, cento e oitenta e  dois  mil,  seiscentos  e  noventa)  ações  ordinárias  para  R$  40.594.221.228,95  (quarenta bilhões, quinhentos e novena e quatro milhões , duzentos e vinte e um mil, duzentos e vinte e oito reais e noventa e cinco centavos), dividido em 7.309.094 (sete milhões, trezentos e nove mil e noventa e quatro) ações ordinárias”.

A ViaMobilidade opera atualmente 34 trens sendo oito da Frota F e 26 da Frota P, referentes a avaliação que foi votada e aprovada por unanimidade entre os acionistas.

Veja a ata completa:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Diego disse:

    Tanto dinheiro e o Noroeste paulista deixa pelo descuidado da malha ferroviária esta sendo assim um descaso com nosso interior pra mim é um vergonha tiraram o trem passageiro do noroeste pra que?É por que tiraram a nossa alegria e que verdade que esses políticos gosta é de tiram e de destruir a nossa História

Deixe uma resposta