Aumento do ICMS em São Paulo pode impactar em tarifas de ônibus, segundo Anfavea

Valor de aquisição de produtos pode ser repassado para o preço das passagens. Foto: Divulgação.

Reajuste no imposto entra em vigor a partir de 15 de janeiro

JESSICA MARQUES

O aumento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) definido pelo Governo do Estado de São Paulo pode impactar nas tarifas de ônibus.

A afirmação foi feita pelo vice-presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Marco Saltini, nesta sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.

Além disso, os valores dos fretes também podem sofrer reajustes, segundo Saltini. Isso porque a alta do imposto, que entra em vigor em 15 de janeiro, também contempla caminhões.

“A medida adotada pelo Estado de São Paulo também inclui o aumento de ICMS para caminhões e ônibus agora a partir do dia 15 de janeiro. Logicamente que isso tem o impacto da carga tributária do ICMS especificamente de quase 11% de elevação. Ele vai de 12% para 13,3%”, explicou.

“Não podemos esquecer que quando a gente fala de caminhões e ônibus estamos falando de frete e de tarifa. Ou seja, o impacto da aquisição desse produto acaba impactando a longo prazo. Torna mais cara a operação na troca de frota e isso tem, inevitavelmente, um reflexo no frete e na tarifa”, afirmou também Saltini.

O vice-presidente da Anfavea afirmou ainda que a associação foi pega de surpresa com o aumento do ICMS. Assim, o fator foi citado como mais um motivo para que a indústria considere 2021 um ano desafiador, tanto no mercado interno quanto na exportação.

“Realmente, é um impacto que a gente não esperava. A surpresa veio e a gente imaginava que nesse momento de retomada, o que deveria se fazer era manter a carga tributária e permitir que a indústria, a economia e o mercado se ajustassem”, considerou o vice-presidente.

Nossa visão sempre foi que a reforma tributária tão necessária para nosso país, não só para o nosso segmento, viesse com uma simplificação de impostos, de maneira a melhorar a situação de arrecadação, mas sem aumento de carga tributária. Era essa a nossa expectativa e o Estado de São Paulo foi no sentido contrário”, completou.

PROJEÇÃO

Para 2021, a Anfavea  prevê um crescimento de aproximadamente 13% para o mercado de ônibus. A projeção considerada conservadora se dá por conta da crise no setor, provocada pela pandemia de Covid-19, e agravada pela majoração tributária, de acordo com o presidente da associação, Luiz Carlos Moraes.

“A carga tributária é um fator limitador. Nos outros países, a carga tributária total é em ordem de 10% a 12%. No Brasil tem essa carga que já era alta e ainda aumenta agora”, disse.

Relembre:

Anfavea prevê alta de 13% para mercado de ônibus em 2021

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Wilson disse:

    Eu achei muito hipócrita a propaganda em São Paulo dizendo para as pessoas ficarem em casa pois a economia recuperava depois. Agora vejo como o governo do estado quer recuperar a arrecadação que ele mesmo derrubou e continua derrubando.
    Mais uma vez se prejudica e até destrói empresas e empregos com uma canetada.
    E o mais interessante é que todos
    se voltaram contra o presidente ao vetar a prorrogação do desconto dos 17 setores por mais um ano. Não vejo a mesma reação contra.

Deixe uma resposta