Mercedes-Benz volta a poder comercializar ônibus para o sistema da SPTrans na capital paulista

Ônibus "superarticulado" de 23 metros . Foto meramente ilustrativa

Por causa de trinca em “rótula de articulação” em ônibus de 23 metros, inclusão doas modelos da marca estava suspensa desde 10 de dezembro, mas análise não constatou problemas na linha dos produtos

ADAMO BAZANI

A SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia os transportes na capital paulista, suspendeu a proibição de a Mercedes-Benz comercializar os veículos comercias de passageiros da marca, entre vans Sprinter e ônibus, para os sistema de linhas municipais, incluindo as comuns e o serviço Atende (para pessoas com limitações de locomoção).

A carta com a liberação foi expedida nesta quarta-feira, 30 de dezembro de 2020.

Desde o dia 10 de dezembro, estava proibida a inclusão de toda a linha de chassi da marca em decorrência de trincas na rótula de articulação que surgiram em algumas unidades do modelo O500 UDA (superarticulado de piso baixo, de 23 metros de comprimento, usado nas linhas de maior demanda).

Uma das empresas relatou o problema à SPTrans que determinou a suspensão da venda dos ônibus Mercedes-Benz para apuração.

A rota da articulação fica no chassi do ônibus, na região da “sanfona” e “une” a parte da frente com a traseira do veículo possibilitando o giro necessário para as curvas e manobras.

Em nota, ao Diário do Transporte, a montadora informou que não se tratou de problemas na fabricação dos produtos.

“Após detalhada inspeção, ficou comprovado que não se trata de um problema de fabricação dos chassis e que o veículo não causou nenhum dano de segurança aos seus ocupantes.   Sendo assim, a Mercedes-Benz acionou os operadores de transporte e irá prestar todo o suporte necessário para que todos os veículos sejam inspecionados quanto às suas manutenções e, se necessário, imediatamente reparados pelas empresas operadoras a fim de assegurar a segurança de todos os usuários do sistema de transporte.”

Foi elaborada uma carta de procedimento entre as empresas de ônibus e a Mercedes-Benz pela qual ambos os lados se comprometem a agir conjuntamente, com as viações seguindo os padrões de manutenção e operação e a Mercedes-Benz oferecendo assistência e reparos em eventuais problemas com a peça.

A Mercedes-Benz é a maior fornecedora de ônibus da cidade de São Paulo, com várias novas unidades em produção para o sistema.

A proibição poderia atrasar o cronograma de renovação das empresas de ônibus da capital paulista.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta