Diário no Sul

Sogal divulga carta dizendo não ter dinheiro para pagar funcionários em greve do transporte em Canoas

Foto: Divulgação

Empresa de ônibus diz que paralisação agora agravará a situação da empresa e pode colocar em risco os empregos dos 680 funcionários

ALEXANDRE PELEGI

A greve dos funcionários da empresa Sogal, empresa do transporte municipal de Canoas, no Rio Grande do Sul, está num impasse.

A greve, iniciada oficialmente nesta quarta-feira, 23 de dezembro de 2020, começou com a interrupção do serviço às 4h.

Nenhum ônibus deixou a garagem, deixando a cidade sem transporte.

A empresa, que já vinha se queixando de graves dificuldades financeiras, emitiu hoje uma nota explicando a situação, e dizendo que uma greve nesta momento, além de  não contribuir para resolver os graves problemas de caixa da empresa, pode ainda colocar em risco os empregos dos 680 funcionários,

No texto, a Sogal explica que a atuação na pandemia, quando os ônibus rodaram com uma oferta superior à demanda, gerou um déficit grande. A situação, aliás, como a própria Sogal cita na carta, é semelhante às demais empresas de transporte público coletivo de todo o país.

Leia a carta na íntegra:

“A empresa Sogal, através de sua diretoria, vem por meio desta mensagem manifestar sua posição para a comunidade canoense, frente a possibilidade de realização de movimento grevista no sistema de transporte coletivo. Antes de mais, importante reafirmar que o ano de 2020 foi e está sendo muito difícil para todos, em especial para a classe trabalhadora e os setores considerados essenciais, como o transporte coletivo.

Enfrentamos esta pandemia e conseguimos chegar até este momento, mas precisamos esclarecer alguns pontos para que não pairem dúvidas sobre a real situação do transporte coletivo em nossa cidade. Com efeito, é forçoso reconhecer que o 13° salário não será pago na integralidade até o final do ano, como ocorreu ultimamente.

O Município de Canoas, sensível ao problema, assumiu o compromisso de destinar R$200.000,00 na próxima segunda-feira para pagamento desta parcela, que corresponde a cerca de 25% da verba devida aos funcionários, assumindo a empresa a obrigação de pagar o restante em 2021.

A proposta, porém, não foi acolhida pelos trabalhadores, contrariando vários outros acordos coletivos de trabalho formalizados entre outras categorias funcionais, cujo pagamento se dará, na maioria dos casos, em até 6 parcelas ao longo do ano de 2021, havendo consenso entre as partes envolvidas.

A Prefeitura de Canoas assumiu este compromisso porque reconhece o desequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão do transporte coletivo, processo este que tramita no ministério público estadual (PA 00739.000018/2019) ,com este montante devido a empresa, poderemos quitar estas parcelas de forma antecipada já em janeiro de 2021 e equilibrar o contrato de concessão.

A situação vivenciada pela Sogal não se diferencia das demais empresas do setor, a exemplo de Porto Alegre, Nova Santa Rita, Novo Hamburgo ,Sapucaia do Sul, Dois Irmãos e demais cidades da região metropolitana, que foram auxiliadas com o aporte financeiro público para fazer frente as debilidades econômicas dos contratos de concessão. Quer dizer: atualmente a empresa não tem recursos financeiros próprios para fazer frente a esta obrigação.

Para deixar clara a grave situação do sistema de ônibus, importante dizer que estamos operando com somente 45% da demanda de passageiros, cuja arrecadação não cobre os custos da folha dos funcionários , aquisição de combustível, pneus e demais insumos. Com esta receita não há como pagar o 13° salário integralmente até o final do ano. Há necessidade de compreensão, de bom senso por parte da classe trabalhadora.

O quadro mais dramático é o do confronto, da greve, da paralisação dos serviços, que determinará um grave abalo na arrecadação da empresa, inviabilizando, por completo, a programação de pagamentos do mês de dezembro. Não se trata de não querer pagar a verba devida aos funcionários, mas do pagamento dentro das reais condições, da possibilidade da transportadora.

A empresa, como é de conhecimento geral, vem realizando enorme esforço para arcar com estas obrigações. Entendemos, assim, que a decisão de paralisação deve ser melhor refletida pela maioria dos trabalhadores. Primeiro porque causa grave colapso na comunidade canoense, que ficará desprovida de atendimento essencial para deslocamento aos serviços básicos, com nefastos reflexos no comércio, indústria e demais serviços locais, impactando negativamente toda cadeia de consumo, frustrando legítimas expectativas.

Depois, porque a greve não gerará os recursos financeiros para pagamento do 13° salário, ao contrário, agravará a situação da empresa e pode colocar em risco os empregos dos nossos 680 funcionários. O quadro que se desenha é grave e exige compreensão de todos os envolvidos, pelo que contamos com o apoio e consideração neste momento tão difícil.”

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Eugênio disse:

    Sogal.
    Nao respeita os direitos dos trabalhadores.
    O salário e sagrado do trabalhador.
    So engano
    Ônibus novo nada.
    Usados e pintados
    Nao cumprem horários.
    Por o serviço ser de péssima qualidade
    Bem antes de ter serviços de app.
    E simples sr Biasus.
    Invista em sua empresa .
    Dinheiro voce tem.
    Pelo Jeito nao teme a Deus.
    Mas existe a lei da semeadura.
    E o ministério público
    Ministério do trabalho
    Receita Federal
    Qual o posicionamento

  2. Vanessa disse:

    Os ônibus continuam lotados como se não existisse pandemia, horários até pouco tempo haviam espaçado mais entre um e outro, nao justificando o argumento de falta de passageiros, dúvido que a diretoria não tenha recebido seus direitos, mesmo afetados pela crise, vejo esses trabalhadores sem receber e entregando de qualquer maneira seu trabalho em dia, mais que justo fazerem greve. A comida em suas mesas pode faltar, mas e aos donos da sogal? Com certeza tiveram uma ótima ceia.
    País de hipocrisia, a classe mais baixa é sempre a única prejudicada.
    Sou passageira da sogal e os seletivos são todos sucateados.

  3. Rodrigo.prs disse:

    Quanto a prefeitura leva de $$$ por deixar essas empresas Sogal e Vicasa ainda operando na cidade…. a prefeitura teve a oportunidade esse ano de tirar essa empresa mas não fez porque será né $$$…. todo ano ela faz isso com os seus funcionários e com a população que precisa usar para ir trabalhar ….. empresa lixo…. veículos sucateados…… sempre lotados….. Fora Sogal e Vicasa. ……

  4. Rejane disse:

    A sogal está mal acostumada, desde que me me conheço por gente, ela detém este monopólio. Chega não dá mais, o povo de Canoas, quer nova licitação. Não acredito que esta empresa esteja nesta situação. Os donos da empresa, deviam fazer a parte deles, botem a mão em seus bolsos e paguem seus funcionários. Aposto com qualquer um, que dinheiro eles têm, suas contas bancárias são bem gorda.
    TOTAL APOIO À GREVE.
    #forasogal

Deixe uma resposta