ÁUDIO: Mesmo com R$ 1,5 bilhão menor em 2021, obras de transportes em andamento não vão ser prejudicadas, diz Baldy

Secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy (camisa clara) e presidente da CPTM, Pedro Moro (camisa mais escura).

Proposta Orçamentária de João Doria aumenta verba de Metrô, mas corta dinheiro da CPTM e da EMTU

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

A STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) vai ter um orçamento R$ 1,5 bilhão menor em 2021 que em 2020, de acordo com a proposta de Orçamento do governador João Doria que tramita na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

Como mostrou o Diário do Transporte, na semana passada os deputados da Comissão de Finanças aprovaram a peça orçamentária, que ainda será votada pelo Plenário.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/12/14/comissao-da-alesp-aprova-orcamento-de-doria-para-2021-com-reducao-de-r-15-bilhao-para-transportes-publicos/

Titular da pasta que vai perder dinheiro em 2021, o secretário Alexandre Baldy disse ao Diário do Transporte, que apesar de os recursos menores, os projetos e obras que foram iniciados não vão sofrer impactos.

Baldy citou a linha 6-Laranja do Metrô (que terá recursos privados), linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e a linha 2-Verde do Metrô

 “Eu tenho a tranquilidade sobre a peça orçamentária que está sendo discutida, quando ser apreciada e obviamente aprovada que nós teremos caso necessário os ajustes, mas todo o planejamento foi muito bem detalhado e discutido pelas esferas do governo do Estado de São Paulo. Nenhuma das obras que estão sendo executadas nesse momento ou que estão sendo como a Linha 6-Laranja planejadas para ser reiniciada, sofrerão ajuste por não ter orçamento ou recurso financeiro para a sua continuidade. Todas as obras sejam as melhorias como a evolução com sistema de energia, energização, sinalização das linhas 10, 11 e 12, ou seja, obras como a estação Mendes-Vila Natal, Varginha, sejam as obras também do Metrô como a Linha 2-Verde que é uma das obras prioritárias, é a maior obra do governo do Estado que vai executar diretamente, elas estarão todas compreendidas no plano 2021-2022 para que tenham todos os recursos orçamentários e financeiros necessários”. – disse

Ouça:

O Orçamento total do Estado para 2021 será de R$ 246,3 bilhões (R$ 246.330.596.108). O valor é 3 % maior que os R$ 239,1 bilhões previstos no Orçamento de 2020.

Mas os Transportes Metropolitanos contarão em 2021 com aproximadamente R$ 1,5 bilhão a menos que o orçado em 2020 e será 12,4% menor que o valor real corrigido de 2020, reduzindo a diferença para R$ 1,13 bilhão, mas com desvantagem significativa ainda para o ano que vem.

A STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos vai contar com R$ 7,34 bilhões (R$ 7.349.026.184) em 2021. O valor é em torno de 17% menor que os R$ 8,84 bilhões que foram previstos para todo o ano de 2020. Entretanto, por causa da pandemia de Covid-19 que gerou queda de demanda de passageiros, foi necessária a injeção de recursos em especial no Metrô e CPTM, o que elevou a previsão orçamentária em transportes metropolitanos de 2020 para R$ 9,11 bilhões (R$ 9.112.127.054), reduzindo a diferença entre 2020 e 2021 para R$ 1,13 bilhão (R$ 1.131.043.879) ou 12,4%. Houve também a aplicação da correção pelo ICPA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) na comparação entre o previsto e o real para 2020.

A EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), cuja extinção foi autorizada em lei de João Doria aprovada pela Alesp, mas que só deve ocorrer entre dois ou três anos, é uma das gerenciadoras de transportes que mais vai perder recursos em 2021. De acordo com o relatório da Comissão de Finanças, na EMTU, serão menos R$ 43 milhões, redução de quase 19%, o que deixa a empresa com um orçamento previsto de apenas R$ 188 milhões para 2021.

O Metrô, por sua vez, terá seu orçamento aumentado em 4,8%, passando da previsão orçamentária de R$ 1,87 bilhão para 2020 (R$ 1.877.966.762), sendo R$ 1,93 (R$ 1.934.493.562 corrigidos pelo IPCA) para R$ 2,02 bilhões (R$ 2.027.275.016) previstos para 2021.

A CPTM, por sua vez, vai perder dinheiro também, com orçamento para 2021, 3,6% menor que em 2020, passando da previsão orçamentária de 2020 no valor de R$ 3,37 bilhões (R$ 3.377.864.749,00), sendo R$ 3,47 bilhões (R$ 3.479.538.47) corrigidos pelo IPCA em 2020, para a previsão orçamentária de R$ 3,35 bilhões (R$ 3.355.463.886,00) em 2021.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira, em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta