Acciona divulga balanço das obras da Linha 6-Laranja de metrô, em São Paulo

Valor do empreendimento é de R$ 15 bilhões. Foto: Divulgação / Acciona.

Empresa espanhola assumiu a construção em outubro deste ano

WILLIAN MOREIRA

A Acciona, empresa que assumiu as obras de construção da Linha 6-Laranja de metrô em São Paulo em outubro deste ano, divulgou nesta terça-feira, 08 de dezembro de 2020, o primeiro balanço das ações efetuadas no empreendimento.

A linha é responsável por ligar o bairro de Brasilândia, na Zona Norte, até o bairro da Liberdade, na estação São Joaquim da Linha 1-Azul.

Entre as ações executadas, estão a limpeza e reforma dos canteiros, levantamentos topográficos e a chegada de vigilantes para trabalhar 24 horas por dia, evitando acessos indevidos a estes locais.

“Estamos totalmente empenhados com a melhoria da mobilidade urbana da cidade de São Paulo por meio deste projeto e demos início as ações no mesmo dia que assinamos o contrato. Temos certeza que, em pouco tempo, a população já vai começar a perceber a movimentação. No entanto, é importante salientar que o cronograma contempla etapas técnicas muito importantes, que nem sempre podem ser notadas e é por isso que estamos divulgando nosso primeiro balanço de trabalho. Com ele reafirmamos nosso compromisso de transparência com a população de São Paulo”, afirmou o diretor país da Acciona Brasil, André De Angelo, em nota divulgada para a imprensa.

Veja abaixo todas intervenções já feitas neste primeiro balanço divulgado pela empresa espanhola:

  • Seleção, contratação e treinamentos técnicos e funcionais de mais de 200 profissionais;
  • Adequação do canteiro VSE Tietê – onde ficarão as equipes administrativas e por onde saem os shields;
  • Reforma do canteiro Guaicurus – onde ficarão centralizados os processos seletivos e treinamentos de equipes;
  • Reforma e adequação do canteiro Santa Marina;
  • Serviços de limpeza e remoção de lixo e entulho de todos canteiros, bem como diálogo com a Prefeitura do Município de São Paulo para a realização de remoção de resíduos em ruas, calçadas e terrenos nos arredores; 
  • Recuperação, manutenção e pintura de tapumes (com conclusão prevista para 15/12), além do isolamento de canteiros de obras;
  • Levantamentos topográficos;
  • Levantamento de “As Built” (condições da construção, configurações arquitetônicas, hidráulicas, elétricas);
  • Vigilância patrimonial e monitoramento constante dos canteiros;
  • Leituras e interpretação dos instrumentos;
  • Bombeamento e esgotamento de poços;
  • Monitoramento e apoio ao desvio de tráfego e interdição de vias;  
  • Vistoria e elaboração de laudos de manutenção dos pórticos.

PRÓXIMOS PASSOS

Segundo a Acciona, o cronograma das obras prevê ações paralelas nas 15 estações e 18 poços, que terão uma média entre 46 m de profundidade, sendo os mais profundos toda a malha metroviária já existente no município, de acordo com a empresa.

Para o primeiro semestre de 2021, está previsto o início das escavações das estações Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba, João Paulo I, Santa Marina, Freguesia do Ó, Água Branca, PUC (Cardoso Almeida) e Angélica (Pacaembu).

Esta etapa depende do início da operação dos dois TBMs (tatuzões), que farão a escavação dos túneis que conectam as estações.

Enquanto um dos equipamentos avançará na direção norte, escavando cinco quilômetros (em rocha), o outro seguirá sentido sul, percorrendo 10 quilômetros (em solo).

LINHA 6 – LARANJA:

(Adamo Bazani)

Retomada das obras: 06 de outubro de 2020

Previsão de entrega total: outubro de 2025

Construção e operação em PPP – Parceira Público Privada: Concessionária “Linha Universidade Participações S.A.”, liderada pelo grupo espanhol Acciona

Antigo Consórcio: Consórcio Move São Paulo, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC.

Extensão: 15,3 km de extensão, entre a Vila Brasilândia (zona Noroeste) a Estação São Joaquim (região central)

Valor do empreendimento: R$ 15 bilhões

Frota: 22 trens

Demanda diária: 630 mil passageiros

Estações: Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, Pompeia, Perdizes, Cardoso de Almeida, Angélica, Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim

Prazo de contrato: 19 anos para manutenção e operação.

Integrações: Sistemas de ônibus e linhas 1-Azul do Metrô, 4-Amarela operada pela concessionária ViaQuatro e 7-Rubi e 8-Diamante, ambas da CPTM

No dia 07 de julho de 2020 terminou a última prorrogação do processo do contato de caducidade com o Consórcio Move São Paulo, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC.

O contrato era do Consórcio MOVE São Paulo, responsável pela construção da linha 6 Laranja do Metrô (Vila Brasilândia/São Joaquim).

O MOVE São Paulo, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, assumiu o contrato de construção em 2015, mas entregou até a paralisação dos serviços, em 02 de setembro de 2016, apenas 15% das obras.

As obras estavam paradas desde setembro de 2016 e, assim como a atuação da MOVE SP foi controversa, a entrada da Acciona foi marcada por uma novela com ameaça do grupo espanhol não assumir o contrato, contestando valores e condições, tudo isso mesmo depois do anúncio pelo governador João Doria.

O anúncio de que a Acciona assumiria o contrato foi feito em 07 de fevereiro de 2020 pelo governo paulista. Relembre: Linha 6-Laranja do Metrô terá obras retomadas pela Acciona

A linha 6 é uma PPP – Parceria Público Privada prevê a construção, os trens e a operação da linha.

A Acciona, conglomerado espanhol formado por mais de 100 empresas e com sede em Madri, atua no Brasil desde 1996, onde conta com mais de 1500 profissionais em unidades em São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Pernambuco.

Deteve por 10 anos a concessão da chamada Rodovia do Aço (BR-393), além de ter participado das obras do Porto do Açu, no Rio de Janeiro, além de dois lotes do Rodoanel Norte, em São Paulo.

Venceu licitações para a construção de linhas e estações de metrô em São Paulo (SP) e Fortaleza (CE).

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Martim Nogueira disse:

    Estamos confiantes. Vai ser muito bom esta linha para a população de SP.

  2. Givaldo Clarindo dos Santos disse:

    Sou armador de ferragens tou a preucurar de emprego já trabalhei na accionar quero trabalhar dinovo meu contato e 948259582

  3. José Noilton Souza Lopes disse:

    Queria saber como participar do processo seletivo

  4. CLAUDIA maximo da Silva disse:

    E a linha prometida para ABC a São Paulo?

  5. Gilvan Paulino dos Santos disse:

    Eu gostaria de saber se tá contratando armador meu contato 11973623792

Deixe uma resposta