Estudo mostra que paulistano ganharia até 30% em tempo de viagem com corredores exclusivos de ônibus em vias principais da capital

Trânsito na Celso Garcia. Avenida tem 35 linhas de ônibus, com 363 mil passageiros diários, e sofre com lentidão. Foto: Adamo Bazani/Diário do Transporte

Empresa Scipopulis simulou impacto da criação de corredores nas Avenidas Faria Lima e Celso Garcia, vias com maiores índices de lentidão do transporte coletivo

ALEXANDRE PELEGI

Já é sabido por todos que a prioridade ao transporte coletivo por ônibus nas grandes cidades teria como principais ganhos não só o aumento na rapidez das viagens, como a redução de custos e a emissão de poluentes.

Um estudo da Scipopulis, empresa da green4T em parceria com o Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento (ITDP Brasil), obteve dados que comprovam tais ganhos.

Tomando duas vias de grande circulação de ônibus na capital São Paulo – Avenidas Celso Garcia, na Zona Leste, e Faria Lima, na região oeste -, o levantamento estimou que a implantação de corredores de ônibus exclusivos, como o da Avenida Rebouças, permitiria reduzir em 13 e 8 minutos o tempo de viagem dos passageiros, respectivamente.

De acordo com dados da Scipopulis, atualmente os ônibus demandam cerca de 26 minutos para percorrer toda a extensão da Faria Lima e 45 minutos para percorrer a Celso Garcia.

As duas avenidas têm altos índices de lentidão entre as vias com alta circulação de coletivos, com médias de 12,4 km/h na Faria Lima e 12 km/h na Celso Garcia registradas no pico da manhã.

A Faria Lima é palco de 28 linhas de ônibus, que transportam diariamente 324.000 pessoas.

Já a Celso Garcia carrega 35 linhas, com 363.000 passageiros diários.

O objetivo da implantação de corredores exclusivos, de acordo com o levantamento, seria evitar o compartilhamento das faixas com carros que fazem conversões à direita e interferem na fluidez.

Além da lentidão, a implantação dos corredores de ônibus reduziria também o impacto ambiental, com a redução nas emissões de CO2.

O levantamento da Scipopulis e do ITDP estima que apenas na Faria Lima seriam retiradas mensalmente 2,4 toneladas da atmosfera no horário de pico da manhã. Já na Celso Garcia, a redução seria de cinco toneladas.

Em comunicado, a green4T, companhia 100% brasileira de tecnologia para cidades inteligentes, informa que fornece à Prefeitura de São Paulo a plataforma Trancity, desenvolvida pela Scipopulis.

A Trancity utiliza tecnologias de análise de dados e inteligência artificial para monitorar o sistema de ônibus da capital paulista.

Em junho deste ano, a empresa viabilizou o acesso gratuito à plataforma para as prefeituras de todas as capitais brasileiras.

Atualmente, o mesmo sistema também é utilizado para a gestão de frotas de transporte público das cidades no Rio de Janeiro, Teresina e em Belo Horizonte.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marcos p disse:

    De que adianta ganhar tempo nos corredores e ficar 40 minutos para embarcar em uma linha alimentadora na periferia…..acorda brasil

Deixe uma resposta