Projetos no setor ferroviário movimentarão fábrica da Alstom em Taubaté

Trem Metropolis utilizado no Panamá

Empresa completa 65 anos no Brasil e assumiu encomendas de trens para o Brasil (Linha 6-Laranja em SP), Linha 7 do Metrô de Taipei (Taiwan) e Metrô de Bucareste (Romênia)

ALEXANDRE PELEGI

A Alstom do Brasil anuncia três novos contratos para a fabricação de trens em sua fábrica, na cidade de Taubaté, interior de São Paulo.

O primeiro deles é com a Concessionária Linha Universidade (Linha Uni), liderado pelo Grupo Acciona.

A Alstom fornecerá 22 trens, com seis carros cada para a Linha 6-Laranja de Metrô de São Paulo. As entregas estão programadas para iniciar-se no primeiro semestre de 2024.

A fábrica de Taubaté será responsável ainda pelo fornecimento, teste e comissionamento de para a extensão da Fase 2 da Linha 7 do Metrô de Taipei, em Taiwan. O valor do contrato é de cerca de 424 milhões de euros (cerca de R$ 2,7 bilhões), e a participação da Alstom é de aproximadamente € 248 milhões (creca de R$ 1,55 bilhões).

Serão fornecidos 16 trens Metropolis (de quatro carros) com sistema de sinalização Communication Based Train Control (CBTC) Urbalis 400, sistema Supervisory Control and Data Acquisition (SCADA) e portas de segurança nas plataformas.

Segundo a empresa, a primeira fase do contrato foi assinada em 2018. No total, a Alstom Brasil fornecerá, teste e comissionamento de 35 trens, todos fabricados em Taubaté já partir de 2021.

Por fim, a Alstom assinou um primeiro contrato com a Metrorex / Metrô de Bucareste (Romênia) para o fornecimento de 13 trens (78 carros ao todo) para a nova linha M5, inaugurada recentemente. Numa segunda fase, este contrato pode ser estendido para mais outros 17 trens.

ANIVERSÁRIO

A Alstom completa 65 anos de atividades no Brasil, a anuncia que ampliará sua participação no mercado. Até hoje, são mais de 4,6 mil carros produzidos em fábricas instaladas no território nacional desde 1955.

Em novembro de 1955 o Rio de Janeiro sediou a assembleia da constituição da Mecânica Pesada S.A.. Neste período, o grupo Schneider, do empresário francês Charles Schneider, se tornou o principal acionista da empresa, resultando no desenvolvimento da Alstom no Brasil. No setor de transportes, no qual a Alstom se dedica exclusivamente desde 2015, tem presença marcante desde o início da sua operação no país.

Em comunicado à imprensa especializada, o Vice-presidente Sênior da Alstom para a América Latina e presidente da Alstom no Brasil, Michel Boccaccio, destacou que a empresa tem inúmeros motivos para comemorar os seus 65 anos no Brasil. “A companhia participou ativamente do desenvolvimento do setor metroferroviário do País, com uma história marcada por muitas inovações para a mobilidade urbana em importantes cidades brasileiras. Com uma gestão pautada em processos com rígidas políticas de compliance e governança corporativa, a contribuição da empresa é comprovada por produtos e serviços nas principais operadoras de passageiros, a exemplo dos Metrôs de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Recife e Brasília e do VLT do Rio de Janeiro, além de ter também implementado soluções tecnológicas para operadoras de transporte de carga“, conta.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fábio Alexandre Rodrigues Ferreira disse:

    Meu falecido tio Pedro Wilson Nogueira mais conhecido como Barrica, fez parte dessa história , Antiga Mecânica Pesada , na que tempo dentro da Fábrica tinha escola profissionalizante para formar soldadores, caldeireiro …ele se capacitou em solda, aposentou por tempo de serviço e continuou trabalhando por mais alguns anos ainda , ele sempre falava da Fábrica dos amigos de trabalho que era muito gratificante vestir o uniforme da Mecânica Pesada ele tinha orgulho de trabalhar nesse Fabrica ,ele se encerrou sua profissão na Alston, eu sou motorista, mais meu sonho é trabalhar nessa área de caldeiraria , soldas , montagens, mas não tive oportunidade meu tio sabia mas , se eu tivesse oportunidade eu iria, sim adoro caminhão mas minha vontade é na área metalúrgica

Deixe uma resposta