Empresas de fretamento realizam protesto em Brasília

Manifestação reúne cerca de 300 ônibus que atuam com transporte por aplicativos. Reivindicação é pelo fim do circuito fechado

ALEXANDRE PELEGI

Acontece na manhã desta quarta-feira, 02 de dezembro de 2020, em Brasília, uma manifestação de empresas de ônibus de fretamento.

Todas elas atuam por meio de aplicativos de viagens, e a principal reivindicação é o fim da exigência do chamado “circuito fechado”, obrigatoriedade de venda das passagens de ida e volta de uma mesma viagem para o mesmo grupo de passageiros.

Os manifestantes protestam em comboio na Esplanada dos Ministérios.

Tendo como foco a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), as empresas de fretamento acusam fiscais do órgão de perseguirem, de forma proposital, as empresas que operam por aplicativos.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. JOAO LUIS GARCIA disse:

    Infelizmente em nosso País ainda somos obrigados a conviver com esse tipo de manifestações, uma vez que existe uma regra e simplesmente essas ” Plataformas de Tecnologias ” e as ” Empresas de Fretamento ” tentam burlar a mesma utilizando-se de argumentações inverídicas.
    As primeiras, argumentam que fazem a intermediação entre os passageiros e as empresas proprietárias dos ônibus, se isso não é uma venda o que é então ?
    Outra coisa quando a mesma intermedia a compra da passagem ela está colocando o usuário em contato com uma empresa que ela plataforma deveria ter a obrigação de certificar-se da idoneidade e da qualidade dos equipamentos oferecidos pelas empresas donas dos ônibus.
    A plataforma tem por obrigação de conhecer o seu parceiro de negócio, no caso a ” empresa de fretamento ”
    Já as segundas, ” empresas de fretamento ” são sabedoras que não possuem autorização para realizarem a viagem que estão sendo contratadas, pois a sua licença junto a ANTT é para viagens de Turismo e Fretamento, ou seja estão praticando um serviço ilegal.
    E pior pois por saberem, estão a causar prejuízos materiais e em alguns casos ainda colocam a vida dos usuários em perigo pois utilizam-se de veículos sem nenhuma condição técnica para operarem.
    Haja visto a quantidade de veículos já retidos nas diversas blitz realizadas pela ANTT em todo País.
    Resumindo os ” Sem Lei ” estão revoltados com aqueles que simplesmente estão a cumprir as Leis do País.
    É como os ” Sem Teto e os Sem Casa ” não respeitarem a Leí da propriedade.

  2. Alfredo disse:

    Uma baderna, igual aos antigos perueiros clandestinos, só queriam rodar nas linhas mais movimentadas, houve muita violência, incendios e falencias, que prejudicaram dezenas de trabalhadores, que o presidente e os órgãos reguladores não cedam a essa chantagem

Deixe uma resposta