Joe Biden promete transporte público de qualidade, confiável e acessível, e com emissões zero, até 2030

Biden quer eletrificar toda a frota de 500 mil ônibus escolares em cinco anos

Novo presidente dos EUA quer investir pesado na produção de veículos elétricos, levando a indústria do país a recuperar o terreno perdido para a China. E promete revolução no setor ferroviário, com redes de VLTs nas cidades

ALEXANDRE PELEGI

Joe Biden tem um plano ambicioso para a economia norte-americana. E nesse quesito, o setor de transporte tem destaque especial, principalmente a eletromobilidade.

Denominado Build Back Better (“Construir Novamente e Melhor”), o plano de Biden prevê injetar dinheiro na pesquisa e no desenvolvimento “de uma forma que já não é vista desde a Grande Depressão e a II Guerra Mundial”.

Lançado em julho de 2020, no início de sua campanha às eleições presidenciais, Biden baseou suas propostas nos alertas da ciência, “de que não há tempo para atrasos nas mudanças climáticas”.

Sua proposta estima investimentos de US$ 2 trilhões (R$ 10,8 trilhões), com um plano para aplicar esses recursos ao longo de seu primeiro mandato, colocando o país “em um curso irreversível para atender ao ambicioso progresso climático que a ciência exige”.

No caso do transporte coletivo, sua proposta é fornecer a cada cidade americana com 100 mil ou mais habitantes “opções de transporte público de alta qualidade e zero emissões por meio de investimentos federais flexíveis e com fortes proteções trabalhistas”. A proposta propõe variar redes de trens leves a melhoria das linhas de transporte e ônibus existentes para a instalação de infraestrutura para pedestres e ciclistas.

No setor de energia, o projeto prevê gerar eletricidade limpa de fabricação americana para alcançar um setor de energia livre de poluição de carbono até 2035. “Isso nos permitirá enfrentar a ameaça existencial da mudança climática enquanto cria milhões de empregos“, afirma o plano.

Biden promete ainda investir em inovação, promovendo reduções drásticas de custos em tecnologias críticas de energia limpa, incluindo armazenamento de bateria, tecnologias de emissões negativas, a próxima geração de materiais de construção, hidrogênio renovável e energia nuclear avançada.

A meta é alcançar um setor de energia livre de poluição de carbono até 2035, fazendo um investimento histórico em inovação em energia limpa.

No caso da indústria automotiva, a proposta é gerar 1 milhão de novos empregos, com cadeias de suprimento automotivo doméstico e de infraestrutura automotiva, de peças a materiais e estações de recarga de veículos elétricos.

TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

Partindo do princípio que a maioria dos americanos não tem acesso a opções de transporte público de alta qualidade e emissões zero, confiável e acessível, e lembrando que onde existe transporte muitas vezes este precisa de reparos, o Plano se propõe a fornecer a todos os americanos em municípios com mais de 100 mil habitantes um transporte público de qualidade até 2030.

Para isso, Joe Biden alocará investimentos federais para ajudar as cidades a instalar redes de VLTs e a melhorar o transporte e as linhas de ônibus existentes.

Ele também promete ajudar os municípios a investir em infraestrutura para pedestres, ciclistas e outros veículos de micro-mobilidade, além de integrar tecnologias de “machine learning” para semáforos otimizados.

No caso de projetos de novas áreas em rápido crescimento, Biden quer que elas sejam projetadas e construídas tendo em mente desde o início um transporte público limpo e resiliente. Especificamente, ele propõe criar um novo programa que ofereça às comunidades em rápida expansão os recursos para que se possa construir opções de transporte público desde o início.

REVOLUÇÃO FERROVIÁRIA

Biden quer estimular o que chamou de “a segunda grande revolução ferroviária”, o que significa garantir que os EUA tenham o sistema ferroviário mais limpo, seguro e rápido do mundo, tanto para passageiros quanto para carga.

Além de reduzir a poluição, o investimento em ferrovias conectará os trabalhadores a bons empregos, reduzindo o tempo de deslocamento e estimulando o investimento em comunidades que agora estarão mais conectadas às principais áreas metropolitanas.

Para acelerar esse trabalho, Biden vai aproveitar os programas federais de concessão e empréstimo existentes no Departamento de Transporte dos Estados Unidos e melhorar e agilizar o processo de empréstimo. Além disso, Biden trabalhará com a Amtrak e empresas privadas de transporte ferroviário de carga para eletrificar ainda mais o sistema ferroviário, reduzindo as emissões de diesel.

INFRAESTRUTURA

Afirmando que a infraestrutura de transporte no país está em ruínas – incluindo estradas e pontes, ferrovias, aviação, portos e hidrovias interiores -, o Plano Biden quer tornar o movimento de mercadorias e pessoas mais rápido, mais barato e mais limpo.

Ele repete o foco principal do Plano: transformar as fontes de energia que alimentam o setor de transporte, facilitando a mobilidade a ser movida por eletricidade e combustíveis limpos, incluindo trens urbanos, ônibus escolares e de transporte urbano, balsas e veículos de passageiros.

A redução resultante na poluição do ar salvará milhares de vidas e milhões em custos médicos que sobrecarregam as famílias”, ressalta o plano.

INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

Joe Biden, que há 11 anos ajudou a salvar a indústria automobilística dos EUA, reconhece que o setor mais uma vez enfrenta uma crise. E culpa o presidente Donald Trump, que por meio de negligência e políticas comerciais fracassadas permitiu que a China saltasse à frente na competição para liderar a indústria automobilística do futuro.

A China está a caminho de comandar mais de quatro vezes a participação no mercado global em comparação com os EUA na produção de veículos elétricos, mesmo com a abordagem do governo chinês ameaçando desacelerar ou reduzir as perspectivas de longo prazo de inovação de veículos limpos”, afirma o Plano.

A América deve ser líder global na fabricação de veículos elétricos e para isso Biden promete aplicar as regras comerciais em resposta ao que chama de “abusos do governo chinês” neste setor.

Para garantir a demanda de mercado para os veículos elétricos produzidos nos EUA, Biden usará o poder das compras governamentais. Ou sejam ele assumiu um compromisso histórico de aumentar os investimentos em aquisições, e irá comprar veículos limpos para frotas federais, estaduais e locais. A ideia é a de que, ao criar uma fonte de demanda imediata, clara e estável, isso ajudará a acelerar drasticamente a capacidade industrial americana de produzir veículos e componentes limpos, enquanto acelera a renovação de 3 milhões de veículos nessas frotas.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta