BRT elétrico operado por trólebus inicia testes de infraestrutura na Itália

Foto: Calogero Taibi

Linha conecta Rimini e Riccione, no mar Adriático, em menos de 25 minutos. Projeto recebeu investimento de 92 milhões de euros (R$ 580 milhões), 60% financiado pelo governo

ALEXANDRE PELEGI

Começaram com sucesso nesta quinta-feira, 19 de novembro de 2020, os testes da infraestrutura do Metromare, a linha de BRT (Bus Rapid Transit) que liga Rimini a Riccione, no mar Adriático, na Itália.

A nova linha foi lançada há um ano, e será operada por nove trólebus Van Hool Exqui.City 18.

A Van Hool, empresa da Bélgica, produz até 1.400 ônibus por ano e cerca de 3.000 veículos industriais, 80% dos quais exporta para todo o mundo.

O Exqui.City é a plataforma de propulsão múltipla, projetada para acomodar as tecnologias de propulsão alternativas mais recentes e ecológicas. A plataforma flexível de multipropulsão permite que o operador escolha a solução mais ideal e realista. As características e topografia da cidade são fatores importantes que influenciam a motorização do modelo.

Três destes trólebus já desembarcaram na Itália, em decorrência do fornecimento ter sido adiado devido à crise da Covid.

Os trólebus têm realizado uma série de viagens de ida e volta, tanto com tração a fio como em modo de marcha autónoma (que os veículos utilizarão diariamente nos deslocamentos da garagem à linha).

Como destaques do novo modal foram observados a tranquilidade e a regularidade da viagem, assim como a cabine do motorista separada do ambiente dos passageiros, além do conforto interior e a iluminação.

A chamada linha Metromare BRT é a primeira desse tipo de aplicação na Itália, pois será baseada em trólebus elétricos que operam em faixas prioritárias.

A Metromare conecta Rimini e Riccione em menos de 25 minutos, e resulta de um investimento de 92 milhões de euros (R$ 580 milhões), dos quais 60% financiado pelo governo italiano.

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS

O novo sistema vai reduzir o tráfego na rodovia litorânea de Rimini em mais de dez mil carros por dia. Com isso, as emissões de partículas serão reduzidas em 11%.

O novo modo de transporte permitirá ainda aos usuários economizar tempo em comparação com as possibilidades atuais. No período de verão esta redução foi estimada em até 60%.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rodrigo Zika disse:

    Parece um VLT o modelo, interessante.

Deixe uma resposta