Cuenca, no Equador, coloca em operação sistema de bondes com veículos da Alstom

Foto: Joaquim Astort

São 27 estações que se distribuem por uma distância total de 21 km, incluindo o trecho que atravessa o Centro Histórico da cidade

ALEXANDRE PELEGI

Está em operação desde o final de setembro o bonde de Cuenca, cidade na cordilheira dos Andes situada ao sul do Equador.

O Governo Autônomo Descentralizado do município equatoriano opera o sistema de transportes que constitui a primeira rede de bondes do país.

São 27 estações que se distribuem por uma distância total de 21 km, incluindo o trecho que atravessa o Centro Histórico da cidade.

Cuenca é uma das principais cidades do Equador, localizada na Cordilheira dos Andes a 2540 metros acima do nível do mar. Declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO em 1999, os bondes e a tecnologia APS implementados no projeto contribuem para a preservação do ambiente urbano da cidade histórica.

O grupo GME CITA, liderado pela Alstom desde 2013, foi responsável pelo fornecimento, instalação e assistência à implantação do sistema, com o fornecimento de 14 bondes Citadis.

O GME CITA é composto pelas empresas Compagnie Internationale de Maintenance – CIM, TSO e INEO, e foi responsável pelo fornecimento do sistema de alimentação de energia, incluindo um trecho com APS, ferrovia, equipamentos de oficina, telecomunicações, sinalização ferroviária, rádio e sistema de ajuda operacional.

A Alstom participou ainda como líder do consórcio ACTN, também formado pelas empresas Compagnie Internationale de Maintenance – CIM e NGE Contracting, para a conclusão de obras civis, mobiliário urbano, baixa tensão, sinalização veicular, boletins e sistemas complementares.

Os bondes Citadis 302 para Cuenca têm capacidade máxima de 290 passageiros e comprimento de 33 metros; são dotados de pisos baixos e portas amplas que garantem acessibilidade total, principalmente para os cidadãos com mobilidade reduzida.

O contrato firmado é de 130 milhões de Euros (aproximadamente R$ 828 milhões), prevendo outros 22 bondes adicionais para as linhas 3 e 4, com inauguração prevista para 2023.

CITADIS

Segundo comunicado da Alstom, 2.700 veículos da linha Citadis foram vendidos em 60 cidades ao redor do mundo.

Os bondes Citadis percorreram mais de 1 bilhão de quilômetros e transportaram 10 bilhões de passageiros desde que o primeiro bonde entrou em serviço em 2000.

Como mostrou o Diário do Transporte, a fabricante de equipamentos ferroviários Alstom anunciou no dia 05 de novembro de 2020, a venda de 66 bondes do modelo Citadis X05 para a cidade de Casablanca no Marrocos. Relembre: Alstom fecha contrato para fornecer 66 bondes Citadis para Casablanca, no Marrocos

Estes bondes são fabricados em Barcelona, na Espanha. A fabricação é feita em parceria com empresas localizadas em outros pontos da Europa como em Getafe, também na Espanha, e Charleroi, na Bélgica.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Antonio palacio disse:

    Até lá! Aqui sampa nem falar a respeito falam.

  2. A Alstom fabricou aqui no Brasil (Taubaté-SP) a maior parte dos bondes Citadis do VLT do Rio de Janeiro-Rj
    Também com o sistema de alimentação elétrica por APS , igual ao de Cuenca
    Este modelo é um dos mais modernos que conheço e espero projetos e oportunidades aqui no Brasil , sobretudo em grandes cidades brasileiras onde as pessoas estão impactadas pela pandemia e desacreditando que o deixar o transporte individual é uma solução sem volta!

Deixe uma resposta