Cinco ônibus da VB-1 são depredados em Campinas (SP)

Um dos vidros destruídos pelos criminosos

Companhia estima prejuízos de R$ 35 mil para troca de vidros e reparos em lataria

ADAMO BAZANI

Criminosos atacaram cinco ônibus da empesa VB1, em Campinas no interior de São Paulo, na madrugada deste domingo, 01º de novembro de 2020.

Não houve registros de feridos, mas a companhia estima prejuízos de R$ 35 mil para trocar vidros e fazer reparos em lataria.

Os atraques ocorreram na Rodovia Santos Dumont, na região do Parque Oziel, a parir das 5h50.

De acordo com a empresa, os criminosos estavam escondidos nas proximidades de um ponto de ônibus onde é comum que os coletivos reduzam a velocidade.

Havia passageiros dentro dos ônibus e o susto foi grande, assim como o risco à integridade física e à vida de quem estava nos veículos.

A Guarda Municipal foi chamada, mas até agora ninguém foi preso.

Foram atingidos os seguintes veículos: carro 1782, da linha 120, que teve o parabrisa quebrado; carro 1112, da linha 195, que também ficou com o parabrisa dianteiro quebrado; carro 1111, da linha 194, que teve a janela quebrada; carro 1776, da linha 117, que ficou com o vidro da porta quebrado e o carro 1079, da linha 120, também com o vidro da porta quebrado.

Em nota, a companhia ainda afirmou que ocorrências como esta são comuns na região, nos fins de semana, por causa de bailes realizados que recebem um grande número de pessoas, mesmo em época de pandemia.

Outros transtornos para os moradores como barulho, consumo de entorpecentes e veículos em alta velocidade, são registrados por causa das aglomerações.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. jessika serchiari Assis Gouveia disse:

    O problema é que ninguém faz nada para acabar com essa bagunça aqui no oziel todo sábado ligamos para a polícia que nada faz ontem postaram um vídeo no face onde um monte de moleques usando drogas na frente da polícia e simplesmente nada foi feito já fizemos reclamação na prefeitura e nada disso resolve enquanto tiver essas “festa” eles vão continuar fazendo vandalismo nossas garagens viraram banheiros público e ponto de drogas

  2. Luciane disse:

    Deveria colocar um policial a paisana dentro de cada coletivo para que pudessem conter este tipo de violência

  3. Maria Lopes disse:

    Bom dia!

    Infelizmente as pessoas de bem vivem presas em seus próprios medos, medo de ser assaltado na porta de casa ao sair ou chegar, medo de denunciar e ser descoberto.

    Os bandidos se sentem no poder e não tem pudor nenhum, nossa segurança está falida, estamos nas mãos de Deus, não podemos nem confiar na polícia, onde muitos que deveriam nos proteger são corruptos.

    Quanto a empresa VB, esse ataque pode até ser por conta de usuários fora de si, mas esses ataques aos ônibus podem acontecer muitas outras vezes pelo descaso que está. Os motores fazem o horário que bem querem, nunca saem no horário certo, muitos se sentem o dono da empresa e quando são questionadora quanto ao horário, são estúpidos e arrogantes. E por pirraça sabendo que o passageiro está atrasado parece que anda a 20 por hora, então é melhor engolir a raiva e não chegar muito atrasado no trabalho.

    A linha do 117 que não tem fiscalização é a pior, pego ônibus todos os dias e cada dia saio mais cedo porque nunca sei qual horário vão sair, pegava o ônibus das 6:25, agora pego o das 5:40, 5:45, 5:50 ou 6:00, em fim, o horário que o motorista estiver disposto a sair. A noite é pior ainda, aí é que eles fazem a cama e deitam.

    Onde reclamar? Liga na VB, dizem que vão abrir uma ocorrência e no dia seguinte nada muda, liga da Endec e também não funciona, entra em contato com o Procon que diz que precisa ser resolvido na Endec ou na própria empresa. Diante dessa situação até um cidadão de bem vira criminoso.

    Está um caos, o ser humano está apenas sendo ser e esqueceu do HUMANO, não tem empatia e compaixão.

    Gostaria muito que esse desabafo fizesse alguma diferença, que houvesse mudanças tanto nos coletivos, quanto na segurança pública.

Deixe uma resposta