Sindicato dos Servidores das Agências de Regulação cobra atitudes da ANTT contra maneira com que a Buser vem tratando fiscais no exercício de suas funções

Sinagências emitiu nota após matéria do Diário do Transporte que trouxe denúncias de equipes de fiscalização que atuam contra o transporte clandestino. Plataforma Buser nega ter difamado qualquer fiscal

ALEXANDRE PELEGI

Após matéria do Diário do Transporte descrevendo denúncias encaminhadas por fiscais da Agência Nacional de Transportes Terrestres, o Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências) emitiu nota nesta terça-feira, 27 de outubro de 2020, em que repudia, de forma veemente, “os ataques e difamações feitos por advogados que se identificam como sendo representantes da Buser Brasil Tecnologia LTDA – Buser”.

De acordo com a nota, publicada no site da entidade sindical, ao ataques são dirigidos aos servidores da fiscalização da ANTT, “no exercício de suas funções no combate ao transporte clandestino rodoviário interestadual de passageiros”.

A nota ressalta que atuar no combate ao transporte rodoviário clandestino de passageiros “é zelar pela vida no cidadão em trânsito pelas rodovias deste país, seja para o seu estudo, trabalho ou lazer e combater aqueles que não tem condições de exercer esta atividade de forma adequada e segura”.

O Sinagências pontua que, em operações da fiscalização da Agência, esse tipo de situação de desrespeito e perseguição aos fiscais, infelizmente, não é novidade e ocorre frequentemente.

Neste caso em específico, a perseguição foi realizada a uma fiscal da Agência, de forma misógina e repulsiva, feita por filmagens e intimidações além de publicações mentirosas no Instagram expondo e marcando perfis da fiscal e equipe, assim como, de diversos órgãos públicos, além de ameaças pessoais, em sua residência e de seus familiares.  Ainda neste sentido, a servidora tem sido vítima de linchamento virtual nas redes por consequência de Fake News”, afirma a Nota.

A nota, que traz no título o termo misoginia (ódio às mulheres), cita a Buser como uma empresa que “se diz inovadora”, mas que, flagrantemente, “demonstra que não abre mão das piores práticas para disfarçadamente operar na ilegalidade  e se utiliza de todos os meios para tentar difamar e incitar os usuários contra os servidores que estavam de plantão, numa tentativa clara de intimidação da servidora-fiscal, no desempenho de suas atribuições funcionais”.

A Sinagências afirma que só se pode concluir que o objetivo dos colaboradores da Buser é “incitar e confundir o usuário”, por um suposto abuso de autoridade que nunca houve; “quando na verdade, a narrativa é principalmente usada para disfarçar a clandestinidade da operação feita pela plataforma tecnológica, em flagrante desrespeito às normas setoriais e legislação”, completa o texto.

A entidade que representa os fiscais da ANTT afirma, ainda, que a Buser não possui autorização na ANTT, “nem para o serviço regular, nem para o serviço de fretamento, não possui frota de ônibus própria e oferta serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros”.

Por fim, o Sinagências conclui que continuará a acompanhar a situação, “cobrando da ANTT e das autoridades competentes, medidas para a melhoria de infraestrutura e segurança aos fiscais da Agência, e coloca o seu departamento jurídico à disposição para assessoria à servidora”.

O Diário do Transporte solicitou manifestação da Buser a respeito da nota do Sinagências, mas a assessoria de comunicação da empresa informou que não irá se manifestar.

Mais cedo, matéria do Diário trouxe depoimentos de fiscais da ANTT em que estes denunciam o que classificam de pressão de advogados da Buser, que teriam iniciado uma campanha de intimidação e difamação de agentes que atuam no combate ao transporte clandestino rodoviário interestadual de passageiros.

Dentre as denúncias, os fiscais citam o que seria “perseguição pessoal de uma fiscal da ANTT, que participa de operações de combate ao transporte clandestino”.

A informação dos fiscais dá conta ainda que advogados, pretensamente representado a Buser, teriam ido até a casa desta fiscal, de seus país e avós, cobrando as despesas que tiveram que arcar junto aos passageiros após os veículos intermediados pela plataforma terem sido flagrados realizando transporte interestadual clandestino de passageiros durante fiscalização rotineira da ANTT. Segundo as denúncias, isso denota clara tentativa de intimidação seu trabalho. Relembre: Fiscais da ANTT denunciam pressão de advogados da Buser em represália à apreensão de veículos contratados pela plataforma que operavam transporte clandestino

Neste caso específico, o Diário do Transporte solicitou a manifestação da Buser a respeito das denúncias, ao que empresa encaminhou a seguinte manifestação:

Nota da Buser

A Buser ou seus advogados jamais difamaram qualquer fiscal, apenas relataram aos órgãos de controle os fatos promovidos pelos profissionais, com as ferramentas que tinham nas mãos naquele momento, enquadrados pela própria lei como abuso de autoridade. É justamente pela repetição de casos como os que ocorrem, especialmente no Rio de Janeiro, que a empresa tomou a iniciativa de filmar as ações abusivas e de cobrar os prejuízos judicialmente, sempre que as apreensões forem ilegais.

Buser Brasil


Leia a íntegra da nota do Sinagências:

Sinagências repudia a forma misógina com que a Buser  trata fiscais da ANTT no exercício de suas funções

Entidade oficia Agência para tratar sobre o assunto

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências) repudia  de forma veemente, os ataques e difamações feitos por advogados que se identificam como sendo representantes da Buser Brasil Tecnologia LTDA – Buser,  aos servidores  da fiscalização  da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no exercício de suas funções no combate ao transporte clandestino rodoviário interestadual de passageiros.

Atuar no combate ao transporte rodoviário clandestino de passageiros é zelar pela vida no cidadão em trânsito pelas rodovias deste país, seja para o seu estudo, trabalho ou lazer e  combater aqueles que não tem condições de exercer esta atividade de forma adequada e segura.

Em operações da fiscalização da Agência esse tipo de situação de desrespeito e perseguição aos fiscais, infelizmente, não é novidade e ocorre frequentemente.

Neste caso em específico, a perseguição foi realizada a uma fiscal da Agência, de forma misógina e repulsiva, feita por filmagens e intimidações além de publicações mentirosas no Instagram expondo e marcando perfis da fiscal e equipe, assim como, de diversos órgãos públicos, além de ameaças  pessoais, em sua residência e de seus familiares.  Ainda neste sentido, a servidora  tem sido vítima de linchamento virtual nas redes por consequência de Fake News.

Uma empresa que “se diz inovadora”, flagrantemente por meio destes, demonstra que não abre mão das piores práticas para disfarçadamente operar na ilegalidade  e se utiliza de todos os meios para tentar difamar e incitar os usuários contra os servidores que estavam de plantão, numa tentativa clara de intimidação da servidora-fiscal, no desempenho de suas atribuições funcionais.

Conclui-se que o objetivo dos colaboradores da Buser é incitar e confundir o usuário, por um suposto abuso de autoridade que nunca houve; quando na verdade, a narrativa é principalmente usada para disfarçar a clandestinidade da operação feita pela plataforma tecnológica, em flagrante desrespeito às normas setoriais e legislação.

A Buser não possui autorização na ANTT, nem para o serviço regular, nem para o serviço de fretamento, não possui frota de ônibus própria e oferta serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

Por  fim,  o Sinagências continuará a acompanhar a referida situação, cobrando da ANTT e das autoridades competentes, medidas para a melhoria de infraestrutura e segurança aos fiscais da Agência,  e coloca o seu departamento jurídico à disposição para assessoria à servidora.

Fonte : Fonte/Ascom


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes
Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. João Luis Garcia disse:

    Veremos qual será o posicionamento da ANTT, pois com certeza é inadmissível a forma como pessoas ligadas ou que prestam serviços a BUSER estejam pressionando aos fiscais da Agência.
    Eles estão agora utilizando essa tática de pressão para intimidar os funcionários da ANTT e ao mesmo tempo confundir à população com afirmações inverídicas, ficando claro o desespero em função que com as ações da ANTT realizadas nos últimos meses a verdade está vindo à tona.
    Algo necessita ser feito e urgente.

  2. Felipe José disse:

    Essa buser só aprontando. Uma coisa é transporte por app em veículos outra muito diferente é quando tem mais de 40 pessoas envolvidas. As regras são diferentes. Senão daqui a pouco tem avião a jato por app… Quanto ao desrespeito com os fiscais é bizarro e demonstra falta de educação e preparo da Buser.

  3. Leonardo disse:

    Por diversas vezes o pessoal do Diario do Transporte abriu a oportunidade das partes envolvidas apresentarem suas versões e posições. Até então a buser tem se manifestado, mas desta vez, ela preferiu o silêncio.
    Por que será?

  4. Lindomar disse:

    Brigar contra a tecnologia é bobagem, Uber, Netflix, ifood, etc estão aí provando isso. O negócio é achar um ponto comum.

  5. Solange disse:

    Quando uma vez fiz uma reclamação contra a Útil na ANTT, porque todos os dias os ônibus quebravam entre RJ/JF, simplesmente eles me sugeriram a procurar a empresa pra reclamar. Nunca esqueci desse fato.

Deixe uma resposta